Um surto de meningite meningocócica vem assustando diversos estados do país como São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia, Espírito Santo e Minas Gerais. Segundo especialistas, uma das principais causas desse crescimento em comparação com 2021 é a baixa cobertura vacinal.

O Dia Mundial de Combate à Meningite inaugura uma nova data no calendário mundial a partir deste ano, marcado para esta quarta-feira, dia 5 de outubro, sendo uma ótima oportunidade para informar e conscientizar as famílias sobre a doença e suas principais formas de prevenção.

Causada pela bactéria Neisseria meningitidis, a meningite meningocócica é uma infecção das membranas que envolvem o cérebro e a medula espinhal, sendo considerada uma doença potencialmente grave, que pode deixar sequelas no paciente e até mesmo levar a óbito em até 24 horas.

Devido à sua gravidade e rápido poder de evolução no quadro clínico, é importante que a população conheça mais sobre a meningite meningocócica. Lessandra Michelin, infectologista e gerente médica de vacinas da GSK, explica alguns “Mitos e Verdades” sobre a doença. Confira:

Só existe um tipo de meningite.

MITO. A meningite pode ser causada por diversos agentes infecciosos, como bactérias, fungos e vírus. Em geral, as meningites bacterianas são preocupantes e, dentre elas, destacamos a meningite meningocócica, que é causada quando a bactéria Neisseria meningitidis (ou meningococo) atinge as membranas que envolvem o cérebro e a medula espinhal.

O meningococo possui 12 tipos identificados, sendo que cinco deles são os mais comuns: A, B, C, W e Y. Quando observamos todas as faixas etárias, o sorogrupo de maior incidência no Brasil é o C. Já em bebês no primeiro ano de vida e crianças menores de 10 anos, o sorogrupo B é o principal causador da doença.

A meningite meningocócica não é uma doença tão comum, mas é grave.

VERDADE. A meningite meningocócica pode causar sequelas graves como amputações e até mesmo levar a óbito.1,2 Em 24 horas, a doença pode mudar o rumo da vida do paciente: a evolução rápida e a alta letalidade da meningite meningocócica são algumas das características mais preocupantes da infecção.

Assim como a Covid-19, a meningite meningocócica pode ser transmitida por gotículas respiratórias.

VERDADE. O meningococo, bactéria que causa a meningite meningocócica, pode ser transmitido de uma pessoa para outra, por contato com gotículas ou secreções respiratórias através de tosse, espirro e beijo, por exemplo.

A meningite meningocócica acomete apenas bebês e crianças.

MITO. Apesar de acometer as crianças, principalmente as menores de 5 anos, a meningite meningocócica pode acometer todas as faixas etárias. Além disso, até 23% dos adolescentes e adultos jovens podem ser portadores do meningococo e podem transmitir a doença mesmo sem adoecer, sendo chamados de portadores assintomáticos.

Os sintomas iniciais da meningite meningocócica podem ser confundidos com outras doenças infecciosas.

VERDADE. Os sinais e sintomas iniciais da meningite meningocócica — incluindo febre, irritabilidade, dor de cabeça, náusea e vômito — podem ser confundidos com outras doenças infecciosas. Na sequência, o paciente pode apresentar pequenas manchas arroxeadas na pele, rigidez na nuca e sensibilidade à luz. Se não for rapidamente tratado, o quadro pode evoluir para confusão mental, convulsão, choque, infecção generalizada, falência múltipla de órgãos e risco de óbito.

A meningite meningocócica não tem cura.

MITO. Se a doença for diagnosticada rapidamente e o tratamento adequado for iniciado, a maior parte dos pacientes podem se curar completamente. 5 Entretanto, mesmo com esses passos, a meningite meningocócica tem alta letalidade e pode deixar sequelas.  Se não for tratada, a doença é fatal em 20% a 30% dos casos e, dentre os sobreviventes, 10% a 20% apresentam alguma sequela como dano cerebral, perda auditiva ou amputação de membros.

A vacinação é a principal forma de prevenção contra a meningite meningocócica.

VERDADE. A vacinação é a principal forma de prevenção contra a doença. Atualmente, existem vacinas para a prevenção dos cinco sorogrupos ou tipos mais comuns no Brasil: A, B, C, W e Y.  

Nos postos de saúde, a vacina contra a doença causada pelo meningococo C é gratuita para bebês, com doses administradas aos 3 e 5 meses de idade, e um reforço aos 12 meses, que pode ser aplicado em crianças menores de 5 anos de idade. Além disso, visando aumentar a proteção contra a doença meningocócica, o Programa Nacional de Imunizações (PNI), do Ministério da Saúde, ampliou, até julho de 2022, a vacinação gratuita contra o meningococo C para todas as crianças menores de 11 anos (de até 10 anos, 11 meses e 29 dias) que ainda não tenham recebido o imunizante.

A vacina contra os sorogrupos A, C, W e Y também está disponível no PNI para adolescentes entre 11 e 12 anos.

Nas clínicas privadas de vacinação está disponível a vacina contra o sorogrupo B. A recomendação de doses são previstas para os 3 e 5 meses, e mais uma entre 12 e 15 meses. Porém, estão disponíveis na faixa etária de 2 meses de idade a 50 anos. As clínicas privadas ainda oferecem a vacina ACWY, disponível a partir de 2 meses de idade.

Também há vacinas disponíveis para os outros tipos de meningite.

VERDADE. Além do meningococo, a meningite também pode ser causada pela bactéria Streptococcus pneumoniae (ou pneumococo), agente infeccioso da doença pneumocócica. 5,15 O Programa Nacional de Imunizações disponibiliza a imunização com a vacina pneumocócica conjugada 10-valente (VPC10) aos 2 e 4 meses, com uma dose de reforço aos 12 meses, que pode ser aplicada em crianças menores de 5 anos de idade. 11 E, nas redes privadas, são encontradas a vacina conjugada 13-valente (VPC13), com esquema semelhante de doses da VPC10, e a vacina pneumocócica polissacarídica 23-valente (VPP23), que é indicada para crianças acimas de 2 anos que possuam algum problema de saúde que aumente o risco para doença pneumocócica.

Para as crianças com indicação clínica especial, a vacinação pneumocócica está disponível nos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais (CRIEs) — unidades públicas com infraestrutura e logística para atender indivíduos com quadros clínicos especiais, tais como imunodeficiências, doenças crônicas, transplantados, entre outras condições.

Outro importante causador da meningite, além do meningococo e do pneumococo, é a bactéria Haemophilus influenzae tipo B, que também pode ser prevenido através da vacinação.

Além disso, outras formas para a prevenção incluem evitar aglomerações e manter os ambientes ventilados e limpos.

Material dirigido ao público em geral. Por favor, consulte o seu médico.

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!
Shares:

Related Posts

2 Comments

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *