Nova onda de covid-19 deixa Estado do Rio em alerta

Com alta de casos em 15 dias. estado recomenda aos 92 municípios ampliar testes para Covid-19. Capital já registra circulação da Ômicron BQ.1

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!
Uma análise dos últimos 15 dias realizada pela Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro (SES-RJ) apontou que a taxa de positividade dos testes de RT-PCR e antígeno para Covid19 tiveram aumento. A taxa de RT-PCR passou de 3% para 7% e a de antígeno, de 5% para 16%. Já a Secretaria Municipal de Saúde informou neste sábado (5/11) que já é possível constatar a circulação da Ômicron BQ.1 na cidade do Rio de Janeiro.
“Por meio do sequenciamento genético, a Fiocruz confirmou um caso dessa subvariante. No momento, a recomendação é para que aqueles que ainda não tomaram a dose de reforço da vacina contra a covid-19 procurem uma unidade de saúde a partir de segunda-feira, para concluir o esquema de imunização”, alerta a SMS-Rio.
A SES enviou nesta sexta-feira (04), ofício aos 92 municípios do estado alertando para importância das unidades básicas e de pronto atendimento do estado ampliarem a oferta de teste rápido de antígeno para Covid19. A recomendação orienta que todos os pacientes com sintomas de síndrome gripal devem ser testados para a doença.  A Subsecretaria de Vigilância e Atenção Primária à Saúde (SUBVAPS) destaca ainda a importância da manutenção da Campanha Nacional de Vacinação contra Covid19, com a aplicação das doses de reforço.
Iniciada em janeiro de 2021, a campanha segue sendo realizada em todos os municípios do estado. Pessoas com 18 anos ou mais já podem tomar a segunda dose de reforço, conforme orientação do Ministério da Saúde. Os adolescentes de 12 a 17 anos devem receber a primeira dose de reforço contra a doença. E para as crianças de 3 a 11 anos, a recomendação é a aplicação de duas doses.
Além do ofício, a SUBVAPS enviou aos municípios nota técnica Nº 23/2022 com as atualizações das recomendações e orientações do Ministério da Saúde sobre a Covid19 no âmbito das vigilâncias epidemiológicas. Entre outras coisas, o texto recomenda a testagem de casos de síndrome gripal, distanciamento físico, etiqueta respiratória, higienização das mãos, uso de máscaras, limpeza e desinfeção de ambientes e isolamento de casos suspeitos e confirmados.
“Estamos observando em diversos países do mundo um aumento na transmissão de coronavírus relacionado ainda à variante Ômicron, que é a prevalente também no Estado do Rio de Janeiro. Neste momento, a transmissão ainda é baixa no estado, mas temos acompanhado o cenário em outros estados, como São Paulo, e temos um plano de contingência, que será colocado em prática se necessário”, afirmou o secretário de estado de Saúde, Alexandre Chieppe.
O levantamento mostrou ainda que, embora a taxa de positividade para Covid19 tenha aumentado, os vírus respiratórios com maior circulação foram o rinovírus, com 21% de prevalência, e o adenovírus, com 17%. O vírus SARS-CoV-2 aparece em 4% das amostras testadas. Já o sequenciamento genômico para a Covid19 identificou que a Ômicron continua sendo a principal variante em circulação.
Quanto às solicitações de leito para tratamento da doença, também houve um discreto aumento. A média diária foi de 5 para 8, sendo os leitos de enfermaria os mais requisitados no período analisado. Ele reforça a importância também da realização de testes. “A testagem em larga escala é extremamente importante para o monitoramento do cenário epidemiológico. Ela permite que as medidas necessárias de contenção sejam adotadas diante de um caso confirmado ou de um possível aumento de casos”, diz o secretário.
Com SES e SMS-Rio

 

 

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

You may like

In the news
Leia Mais
× Fale com o ViDA!