Aos 60 anos, Paulo Zulu enfrenta segundo câncer na bexiga

Modelo conta que diagnóstico precoce favoreceu tratamento. “Hoje tenho mais história para contar do que tempo para viver”

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

Pai de três filhos, o modelo, ator, empreendedor e ex-surfista profissional Paulo Zulu, de 60 anos, enfrenta um novo desafio. Um ano e meio depois de ter se livrado de um câncer de bexiga, sem a necessidade de quimioterapia, apenas o acompanhamento médico regular,  no início deste ano ele foi diagnosticado com um segundo tumor no mesmo órgão.

“Não me assustei de ter tido câncer. Várias pessoas têm. E a gente está vivo e propenso a qualquer situação, seja AVC, infarto, câncer, não tem mistério. Já tive malária e quase morri e não tive medo”, explicou o modelo que fez sucesso nos anos 90, ao revelar a doença em março deste ano.

Ele se preparava para fazer uma viagem a Bali, na Indonésia, quando decidiu fazer exames de check-up e acabou descobrindo o novo tumor. E não desistiu de viajar para comemorar seus 60 anos fazendo o que mais gosta: surfando.

“Meu modo de enxergar a vida não mudou depois do câncer de bexiga. Na verdade, os 60 me mostram que o que mudou é que hoje eu tenho mais história para contar do que tempo para viver. Então estou vivendo cada vez mais intensamente e agradecendo por ter feito a prevenção”, disse.

Passados os primeiros seis meses do novo diagnóstico, ao PodSempre, o podcast do canal oficial da rede de farmácias Pague Menos no YouTube, Zulu revelou detalhes sobre os sintomas, tratamento, além de falar sobre paternidade, rotina de autocuidado e atenção à saúde mental.

Ele disse que começou a enfrentar dificuldades ao urinar. Preocupado, procurou novamente o urologista, que identificou um novo câncer na bexiga. Mais uma vez, o modelo passou por uma cirurgia de ressecção para remover o tumor e continuará realizando acompanhamentos a cada seis meses.

De maneira surpreendente, poucos dias após essa segunda cirurgia, Paulo embarcou para Bali para celebrar a nova fase da vida praticando sua paixão pelo surfe.

“Neste momento entra o lado do modelo de ser um exemplo, o diferente no sentido positivo. Eu fiquei preocupado em fazer uma divulgação e as pessoas acharem que eu estivesse me vitimizando para ganhar seguidor”, contou.

“Graças a Deus, me dei bem pela prevenção. Esse foi o ponto que eu quis passar para o pessoal. Se estou aqui, porque não passar para as pessoas que existe o lado positivo para seguir”, comentou.

Câncer causado por derivados do petróleo na prancha de surfe

O atual empreendedor relembra que tudo teve início em 2021 quando sua ex-esposa estava grávida de seis meses. Ele estava calibrando um pneu quando acidentalmente bateu a cabeça no telhado do aparelho. Mesmo sem perceber, esse impacto resultou em um trauma craniano que levou à formação de coágulos. Surpreendentemente, 12 dias depois, sua ex-mulher o encontrou no chão, aparentemente debilitado.

Consciente da necessidade de cuidar da sua saúde, Paulo realizou uma série de exames, começando pelo ultrassom como parte do seu check-up. Durante esse procedimento, foram identificados pontos irrigados de sangue na bexiga, o que indicou a necessidade de uma internação de urgência.

Posteriormente, ele passou por um tratamento de secagem para resolver essa questão. Foi então que o médico pôde descobrir a verdadeira causa por trás desses sintomas preocupantes.

“Depois de fazer a retirada e passar pela biópsia, o médico falou que era um câncer na bexiga de grau baixo não invasivo que se dá por tabagismo ou derivados de petróleo”.

Uma vez que Paulo não estava envolvido com tabagismo, pois nunca fumou e que a provável causa seria a resina e materiais de surfe. Foi nesse momento que o médico confirmou com convicção que era essa a causa subjacente dos problemas de saúde.

‘Eu não queria ser ator, eu não queria ser galã, eu queria ser pai’

Paulo Zulu também compartilhou que sua infância foi marcada por desafios devido à luta de seu pai contra o alcoolismo. Apesar dessa situação delicada, ele conseguiu encontrar alegria ao lado de amigos e construir memórias positivas.

Sobre o seu pai, Paulo ressalta sobre a relação conturbada. “O meu pai foi a pior coisa da minha vida e ao mesmo tempo a melhor, pois ele se tornou o melhor exemplo do que eu não queria para mim”, reforça.

Devido à ausência marcante de seu próprio pai durante sua vida, ele segue empenhado em ser um super-herói aos olhos de seus filhos, inspirando-os e sendo um modelo a ser seguido.

“Eu tentei e tento dar o amor que eu não tive. Se tem uma coisa que é importante na minha vida, mais do que tudo, é o amor de pai e filho, porque como eu não tive eu preciso disso, porque a gente está aqui para buscar uma coisa que falta para gente”, ressalta o ator emocionado.

O modelo reforça a ideia de que esse relacionamento entre pai e filho é como a cereja no topo de um bolo, destacando sua importância suprema. Sempre se esforçando ao máximo, buscando proximidade e dedicando-se à criação dos filhos, preenchendo os vazios que ele próprio experimentou. Tudo isso, para realizar o sonho mais profundo que carrega dentro de si.

“Por exemplo, eu tinha contrato com uma emissora por um ano e meio, eu que rescindi o contrato porque não eu não queria ser ator, eu não queria ser galã, eu queria ser pai”, finaliza.

Pai aos 39 anos e aos 60 anos – o que muda?

Paulo Zulu conta que enfrentou diferentes desafios ao se tornar pai aos 39 anos do primeiro filho e aos 60 anos do último. O empreendedor compartilha que a experiência de ser pai em uma fase mais avançada da vida não é simples.

Ele conta que investiu na sua preparação física com o intuito de assegurar que estivesse em condições de acompanhar as aspirações de seu filho ao longo do tempo. Como exemplo, ele menciona que pretende estar presente para orientar e participar, por exemplo, do aprendizado de surfe em uma década, quando Paulo estiver com 70 anos.

 Paulo enfatiza que encara o envelhecimento como uma etapa natural da vida e opta por utilizar apenas protetor solar como cuidado para a pele. Em vez de recorrer ao botox, ele escolheu abraçar gradualmente o processo de envelhecimento, questionando por que deveria afligir-se com essa inevitável transformação. “Estou preocupado em existir e ser um bom exemplo”, pontua.

Quanto à sua saúde mental, Zulu destaca que sua abordagem terapêutica é autodirigida. Ele menciona ter enfrentado um momento difícil somente quando ocorreu o vazamento de sua foto íntima na internet.

“Isso me abalou muito. Eu nunca tinha feito, mas antes de ir para um desfile resolvi fazer uma foto de como estava meu corpo. Antes de ir para o banho, fui e fiz uma foto. Daqui a pouco, quando sai do banho, meu celular estava bombando e meu irmão me ligando. A foto vazou. Fui para a polícia do Rio de Janeiro e o rapaz falou que precisava que o celular ficasse na polícia, mas eu não deixei”, ressalta.

A paixão pelo surfe e a carreira no mundo da moda

Desde cedo, o ator demonstrou um forte comprometimento com seus estudos, enquanto alimentava sua paixão pelo surfe. “Eu fugia da escola para surfar, porque o surfe se transformou em uma loucura na minha vida”, ressalta.

Paulo continuou ativo no mundo do surfe até atingir seus 26 anos, mantendo-se leal ao seu estilo de vida e alternando entre o jiu-jitsu e o mergulho. Ao mesmo tempo, ele também se envolveu em outra atividade, pois estava vendendo peixes nobres na região da Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro.

No entanto, após esse ponto de virada, uma oportunidade única cruzou seu caminho por meio de um amigo fotógrafo: a chance de fazer um ensaio fotográfico. Esse projeto atraiu a atenção significativa de vários clientes, despertando um crescente interesse em suas futuras atividades no mundo da moda.

“Morei cinco anos em Paris e um ano em Nova York porque eu tenho as medidas e o biotipo bacana para fazer o desfile”, ressalta.

Sobre beleza, ele diz que pessoas de aparência atraente são uma realidade, mas são “a personalidade e a aura que emanamos que verdadeiramente cativam”, sendo isso o que desperta o interesse de todos – o que se destaca.

Leia mais

Câncer de bexiga pode matar até um terço dos pacientes
Tamanho não é documento: nude de Zulu abre debate sobre medida ideal
Câncer de bexiga pode ser confundido com infecção urinária
Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

You may like

In the news
Leia Mais
× Fale com o ViDA!