A adolescência é uma fase do desenvolvimento do ser humano em que a pessoa passa por algumas das principais mudanças em seu corpo, e etapa transitória que separa a infância da vida adulta. O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) considera que a adolescência abrange o período compreendido entre os 12 e os 18 anos, e a Organização Mundial de Saúde (OMS), a adolescência vai dos 10 aos 19 anos.

Lembrando da teoria do psicólogo suíço Jean Piaget, que dividiu as fases do desenvolvimento infantil em quatro grandes campos: dos 0 aos 2 anos, dos 2 aos 7, dos 8 aos 12 anos, depois dos 12 anos. Segundo o teórico, partindo dessa idade, o cérebro se desenvolveu e, a partir de agora, o adolescente adquire uma capacidade cognitiva que se aproxima daquela verificada nos adultos. Em outras palavras, ele consegue fazer deduções, trabalhar com a abstração, é capaz de elaborar hipóteses mais complexas e acionar o pensamento lógico.

A coordenadora pedagógica da Mind Lab, Miriam Sales, compartilha com pais, responsáveis e educadores orientações sobre como lidar com os inúmeros desafios que mudam a cada nova fase de crescimento dos adolescentes. “Nada melhor do que conhecer como se dá o desenvolvimento nesta fase a partir 4 eixos ou habilidades, e saber como estimulá-los”, destaca. São eles:

Leitura crítica do mundo

adolescente passa a compreender teorias, doutrinas e conceitos. Dessa maneira, ele é capaz de fazer uma leitura crítica do mundo em que vive. Isso inclui, claro, os adultos em sua volta. A compreensão maior de mundo faz com que o adolescente deixe de enxergar as atitudes de seus pais e mães como incontestáveis, por exemplo. Passando a criticar bastante as posturas dos adultos quando discordam delas e fazem uso intensivo de ironias para expressar seus descontentamentos.

Independência

Esse movimento acentua a necessidade de conquistar independência e autonomia em relação aos progenitores. Logo que eles passam a assumir as próprias opiniões e definir posições em relação a temas do momento, e muitas vezes em desacordo com as opiniões e posições dos adultos, especialmente dos pais e mães. Esse processo, então, forma a personalidade.

Empatia

O desenvolvimento da capacidade de abstração dá ao adolescente a habilidade de aprender a partir das experiências de outras pessoas. Essa habilidade é importante para que aprenda a partir de situações negativas sem ter de vivenciá-las pessoalmente. Por isso, é um momento importantíssimo para o desenvolvimento da empatia, uma habilidade socioemocional que será necessária para o restante da vida.

Planejamento do futuro

Outro desenvolvimento gerado pela conquista do pensamento abstrato é a capacidade de resolver problemas complexos e de planejar o futuro. Estas são outras duas habilidades fundamentais para a vida adulta que podem ser desenvolvidas a partir do uso de jogos de raciocínio.

Como estimular o desenvolvimento cognitivo dos adolescentes

Os adultos podem contribuir com o desenvolvimento cognitivo dos adolescentes de várias maneiras, nas diferentes fases de desenvolvimento. Algumas ideias de atividades interessantes podem compor a rotina doméstica e, muitas vezes, são atividades incentivadas pelas práticas pedagógicas nas escolas. Entre elas:

Adivinhação: use jogos como o clássico “O que é o que é” para ampliar a capacidade de abstração, estimulando a criatividade;

Silêncio e imobilidade: brincadeiras que usam o movimento e a parada, como a clássica “Estátua”, desenvolvem o controle motor e ajudam as crianças e adolescentes a adquirir domínio sobre as próprias emoções;

Canto e movimento: as clássicas brincadeiras de mão, como “Escravos de Jó” e “Adoletá”, exercitam a memória, destravam a inibição e ajudam na flexibilidade cognitiva.

Jogos de tabuleiro: são o recurso central na metodologia de desenvolvimento socioemocional levada pela Mind Lab, por meio do Programa MenteInovadora, a escolas de todo o país. Eles estimulam o pensamento estratégico e hipotético e auxiliam no desenvolvimento das habilidades socioemocionais.

Fonte: MindLab

Leia mais

Eleições para o Conselho Tutelar: por que devemos votar?
Estatuto da Criança e Adolescente faz 33 anos, entre avanços e desafios
Abuso sexual pela internet: como proteger crianças e adolescentes?
Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!
Shares:

Related Posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *