radioterapia

Quatro mil pacientes que precisam de radioterapia no tratamento do câncer passarão a ser atendidos no Estado do Rio de Janeiro graças a novos equipamentos que serão instalados no Instituto Nacional de Câncer (Inca), no Rio, e no Hospital Regional Darcy Vargas, em Rio Bonito (RJ). As duas unidades foram incluídas no Plano de Expansão da Radioterapia do Ministério da Saúde, que prevê a instalação de  novos aceleradores lineares e construção da casamata – espaço destinado para a instalação do aparelho. A medida pretende ampliar o acesso da população a procedimentos oncológicos no SUS. Em 2017, foram registrados no estado 866.486 procedimentos oncológicos, sendo 16.757 cirurgias oncológicas, 136.262 mamografias, 188.288 quimioterapias, entre outros procedimentos.

A escolha do Inca e do Hospital Darcy Vargas para receber os novos aparelhos ocorreu após análise que constatou um déficit no serviço de radioterapia na capital e na região Leste Fluminense. O Inca ganhará três aceleradores lineares e  uma casamata – um investimento federal de R$ 12,1 milhões. Os novos equipamentos irão garantir o atendimento de 3 mil pacientes por ano. Já a unidade de Rio Bonito receberá R$ 8,3 milhões para atender mil pacientes por ano. Dois dos quatro aparelhos destinam-se à substituição de equipamentos antigos por outros mais modernos que irão garantir mais qualidade no atendimento.

Atualmente, as unidades já ofertam outros cuidados no tratamento contra o câncer como, cirurgias oncológicas e sessões de quimioterapia. Hoje, o Brasil possui 243 aparelhos para tratamento de radioterapia na rede pública em funcionamento. Até 2019, considerando a inclusão de novos aparelhos, substituições e habilitações, o país passará a ter 331 aceleradores lineares disponíveis para atendimento à população. Ainda neste ano, estão programadas as entregas de 140 aceleradores lineares em todo país. Cerca de R$ 500 milhões foram investidos para a aquisição de 100 aceleradores lineares, além da realização de projetos e obras. Os outros 40 aceleradores serão adquiridos com recursos de convênios.

Crescente oferta da radioterapia no país

Em 2010, foram realizados 8,3 milhões procedimentos de radioterapia. Em 2016, foram 10,45 milhões, um aumento de 25,9%. Vale ressaltar que essa ampliação também é resultado do investimento realizado pelo Ministério da Saúde na compra de aceleradores lineares, por meio de convênios. Consequentemente, a pasta ampliou, em seis anos, 46% os recursos para tratamentos oncológicos (cirurgias, radioterapias e quimioterapias), passando de R$ 2,27 bilhões, em 2010, para R$ 3,33 bilhões, em 2016.

O Ministério da Saúde já entregou 13 aceleradores lineares. Do total, cinco deles pelo Plano de Expansão da Radioterapia, nas cidades de Campina Grande (PB), Maceió (AL), Feira de Santana (BA), Brasília (DF) e Curitiba (PR). Outros 8 foram entregues por meio de convênios em Salvador (BA), Ipatinga (MG), Campos dos Goytacazes (RJ), Rio de Janeiro (RJ), Ijuí (RS), Passos (MG), Cascavel (PR) e Jaú (SP).

Fonte: Ministério da Saúde, com Redação

 

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!
Shares:

Related Posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *