Eles estão no centro de uma grande discussão: entre o lazer perigoso e o grande incômodo que provocam em idosos, crianças, convalescentes e animais, os fogos de artifício fazem cada vez mais vítimas no Brasil. Os números são assustadores. Todos os anos adultos e crianças morrem vítimas de acidentes ou sofrem danos irreversíveis, principalmente no período das festas juninas.

Levantamento elaborado pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), em parceria com a SBCM – Sociedade Brasileira de Cirurgia de Mão e a SBOT – Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia, aponta que nos últimos 21 anos, o Brasil registrou 218 mortes por acidente com fogos de artifício.

O engenheiro Gabriel Metzler há 21 anos empreende uma luta pela conscientização sobre os perigos desta “brincadeira”. Em 1998, com 15 anos, ele sofreu um grave acidente com explosivos e, como consequência das graves lesões, teve perda total da visão do olho direito e parcial do olho esquerdo, além de rompimento dos tímpanos e ferimentos pelo rosto e tórax. Em 2015, ainda em função do acidente, acabou perdendo totalmente a visão. O amigo que estava junto de Metzler não resistiu ao acidente.

Gabriel resolveu fundar o  Grupo Alerta Vida – GAV, trabalho voluntário que tem como objetivo conscientizar as pessoas dos riscos do manuseio inadequado de de fogos de artifício e explosivos, por meio de palestras e seminários para jovens e crianças. Esse trabalho foi premiado internacionalmente pela Unesco, através da participação no Fórum Internacional Sonhadores do Milênio (Millennium Dreamers), realizado nos Estados Unidos, em 2000.

‘É como uma cicatriz que pode ser olhada pela dor ou pela batalha vencida’

Desde o ocorrido, além dos trabalhos de conscientização, Gabriel empreendeu um difícil caminho: o de superação das limitações e dificuldades para conquistar vitórias. Hoje, com extenso currículo e atuação na área de liderança e gestão, tendo concluído cursos em instituições como Harvard, ele viaja pelo Brasil, inspirando pessoas a se superarem.

“Fatos como esse nos obrigam a pensar que é a maneira como vamos olhar que vai definir tudo o que vem pela frente.  É como uma cicatriz. Ela pode ser olhada com um olhar de dor ou batalha vencida. Você não pode fazer com que ela desapareça, mas pode mudar a maneira como olha para ela. Podemos usar esse exemplo para todo tipo de acontecimento, tanto para os bons como ruins”, disse.

Gabriel insiste que as experiências devem nos fazer refletir sobre o aprendizado e  sobre os acontecimentos. “Por pior que seja, sempre  podemos encontrar aprendizado. Muita gente se pergunta ‘por que isso aconteceu comigo’. Devemos trocar o ‘por’, pelo ‘para’”, menciona.

O palestrante fala de como a força interior pode ser despertada pelas adversidades. “O novo olhar para os fatos nos ajuda a seguir a vida de cabeça erguida. A grande diferença é como vamos olhar para os fatos”.

Além das palestras, Gabriel possui um canal no youtube, onde conta como, através das suas experiências e análise de situações atuais, incentiva as pessoas a lançarem “Um novo olhar para a vida”, assunto que é tema de seu livro lançado ano passado.

Mais sobre Gabriel

Gabriel Metzler é engenheiro civil, coach, palestrante e treinador Comportamental. Com sua história de superação, se tornou fonte de inspiração para as empresas que buscam transformações em suas equipes e pessoas que querem alavancar o seu potencial pessoal e profissional. Seu livro, intitulado ‘Um Novo Olhar Para a Vida’ é o primeiro de uma série que, com certeza, será de valor inestimável para todos aqueles que rejeitam a zona de conforto e buscam ir além das suas expectativas.

 

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!
Shares:

Related Posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *