SAÚDE PÚBLICASOS Dengue

Dengue já afeta mais de 2 milhões de brasileiros e brasileiras

O Ministério da Saúde contabiliza mais de 2 milhões de casos de dengue no Brasil em 2024. Do total de 2.010.896 casos prováveis, 682 resultaram em morte – número que pode aumentar, uma vez que há ainda 1.042 óbitos em investigação. De acordo com balanço divulgado pelo ministério, o coeficiente de incidência da doença está em 990,3 casos para cada grupo de 100 mil habitantes.

A unidade da federação com maior número de casos prováveis é São Paulo (379.222). O coeficiente registrado no estado, segundo o levantamento, é de 853,7 casos para cada grupo de 100 mil habitantes. Com 161.299 casos prováveis, o Distrito Federal é a unidade federativa com maior coeficiente de incidência (5.725,8).

Em segundo lugar, está Minas Gerais, com coeficiente de incidência em 3.295; e 676.758 casos prováveis. Na sequência estão Espírito Santo (coeficiente em 1.982,5 e 75.997 casos prováveis; Paraná (coeficiente em 1.653,2 e 189.179 casos prováveis); e Goiás (coeficiente em 1.565,3 e 110.433 casos prováveis).

Leia mais

Dengue: 6 entre 10 pacientes acima de 60 anos têm hipertensão
Dengue é mais grave em crianças até 5 anos, diz Fiocruz
Baixa procura por vacina da dengue preocupa especialistas

Com quase 160 mil casos, Rio de Janeiro tem tendência de queda

No Rio de Janeiro, o coeficiente de incidência está em 933,1 casos para cada grupo de 100 mil habitantes. Até esta sexta-feira (22), foram registrados 157.294 casos de dengue em todo o estado do Rio e 62 óbitos.

No entanto, a Secretaria de Estado de Saúde (SES-RJ) diz que há uma tendência de queda de casos prováveis da dengue, ao apontar que o número de atendimentos a pacientes nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) da rede estadual caiu 16% – de 11.904 para 9.966 até sexta-feira.

O boletim elaborado pelo Centro de Inteligência em Saúde (CIS) da SES-RJ aponta ainda que não foi identificado aumento consistente da taxa de ocupação de leitos no período considerado.

“Ainda que os indicadores apresentem tendência de queda, é importante que a população fica atenta aos cuidados e também a sinais e sintomas que possam surgir. A dengue é uma doença febril, aguda e muito dinâmica. Por isso, a necessidade de acompanhamento médico para evitar agravamento dos quadros e, principalmente, óbitos”, recomenda a secretária de Estado de Saúde, Claudia Mello.

Leia ainda

Com dengue e Covid-19 em queda, RJ começa a vacinar contra gripe
Com dengue em queda, cidade do Rio agora foca no combate à gripe
Municípios com mais casos de dengue receberão vacinas

Casos mais graves do que em 2023, diz ministério

Na quarta-feira (20), a secretária de Vigilância em Saúde e Ambiente do Ministério da Saúde, Ethel Macieldestacou que os três primeiros meses de 2024 registram mais casos graves de dengue do que em todo o ano de 2023, quando foram contabilizados pouco mais de 1,6 milhão de casos. Naquele ano, a doença matou 1.094 pessoas.

Ela lembrou da série histórica, 2023 havia sido o ano com maior número de casos graves da doença. “Temos muito mais pessoas chegando [com quadro] grave aos serviços de saúde. Esse é um importante ponto de alerta para nós”, acrescentou a secretária.

Na oportunidade, ela informou que o tempo médio entre o início dos sintomas e a notificação de caso de dengue é de quatro dias. O tempo médio entre o início dos sintomas e a internação também é de quatro dias. Já o tempo médio entre o início dos sintomas e o óbito é de seis dias, enquanto o tempo médio entre o início dos sintomas e os sinais de gravidade é de cinco dias.

“O quarto dia tem sido um alerta de que as pessoas podem agravar [o quadro de saúde]. Então, um monitoramento que faça com que essa pessoa volte no quarto dia da doença pode salvar muitas vidas”, destacou Ethel Maciel.

Leia mais em nosso Especial SOS Dengue

Da Agência Brasil, com Redação

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!
Shares:

Related Posts

1 Comment

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *