Alerta: dengue pode se transformar em doença renal

No Dia Mundial do Rim, nefrologistas chamam atenção para graves consequências aos rins que podem ser causadas pela dengue

Responsável por filtrar o sangue, o rim pode sofrer consequências da hipertensão arterial e também da dengue (Imagem: Divulgação)
Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

Em tempos de epidemia de dengue, médicos nefrologistas aproveitam o Dia Mundial do Rim, lembrado nesta quinta-feira (14), para fazer um alerta. Um dos sintomas relacionados à própria doença, a dengue pode trazer inúmeras consequências para a nossa saúde. Um dos órgãos que podem ser afetados são os rins.

Há possibilidade de qualquer pessoa que não seja paciente renal vir a ter complicações relacionadas aos rins, caso seja acometido com a dengue. Nos casos de pessoas sem qualquer problema renal, a dengue pode trazer consequências futuras para os rins. Também são grandes os riscos de um paciente renal crônico contrair o vírus transmitido pelo mosquito Aedes aegypti.

Segundo o nefrologista e presidente da Fundação Pró-Rim, Marcos Vieira, uma pessoa com dengue “pode desenvolver uma doença leve ou ter complicações maiores, uma delas é a injúria renal aguda ou IRA. Geralmente a IRA acomete os pacientes que necessitam de internação hospitalar em virtude da infecção e a necessidade de diálise aumenta o risco naqueles pacientes que precisam de internação em UTI”.

Os principais fatores de risco para desenvolver uma injúria renal por dengue são idade avançada, febre hemorrágica, diabetes mellitus, obesidade, doença renal crônica prévia, sexo masculino e lesões musculares chamadas de rabdomiólise. “Quanto mais grave o quadro maior as chances de os rins também terem danos, alerta o dr. Marcos.

Leia mais

Simples exame de sangue pode detectar doença renal
Sangue na urina acende sinal vermelho para câncer renal
Renais crônicos têm mais chances de doenças do coração
40% das pessoas com diabetes podem ter problemas renais
Renais crônicos do RJ poderão fazer hemodiálise em trânsito

Insuficiência renal aguda ocorre em 5% dos casos graves de dengue

“A insuficiência Renal Aguda é uma doença rara dentro dos casos da dengue. Ela ocorre em torno de 5% dos pacientes graves, mas a exata causa ainda é incerta. Uma das hipóteses é o choque relacionado a dengue, que pode colapsar alguns órgãos, e a outra é a lesão direta do vírus. Ainda existem investigações para definir a causa exata”, afirma a nefrologista Tereza Fakhouri, da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo.

Entre 2006 e 2019, mais de 700 mil pessoas morreram, no Brasil, devido a doença, segundo dados do Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM). A insuficiência renal aguda tem como sintomas a diminuição da produção da urina e a retenção de líquidos causando inchaço na perna e pés.

O público masculino é o mais afetado pela doença e pacientes com idade avançada, febre hemorrágica, diabetes mellitus, obesidade e doença renal crônica prévia também são suscetíveis ao desenvolvimento da Insuficiência Renal Aguda. O tratamento é feito com antibióticos que não afetam o rim, monitoramento constante e hidratação. Em alguns casos, geralmente os mais graves, é necessária a entrada da hemodiálise.

“A hidratação em pacientes com dengue é fundamental para evitar o desenvolvimento da condição. Quanto mais grave for o choque e a insuficiência, mais esforços serão necessários no seu tratamento”, explica a nefrologista da BP.

Hidratação reforçada em quem já tem doença renal crônica

Naqueles que já são pacientes renais crônicos, a maior preocupação é com a hidratação, já que para o tratamento da dengue é preciso uma ingestão maior de água.

“Nesses casos é necessário ter um acompanhamento em leito de observação, realização de exames laboratoriais e hidratação sob monitoramento em virtude dos pacientes em grande parte terem ausência ou redução da capacidade de urinar”, afirma Dr Marcos.

Ele recomenda ainda que deve ser feita reavaliação clínica e laboratorial até a estabilização da pressão arterial, ausência de febre e melhora dos exames de plaquetas e hematócrito. “Os critérios de permanência hospitalar serão definidos pela avaliação do médico”, reforça o especialista.

Exame para todos e ação no cristo redentor

Dia Mundial do Rim tem como foco a saúde desse órgão tão importante para o funcionamento do corpo. A campanha, que busca disseminar informações para toda a sociedade, chamará a atenção também para a importância de todos os brasileiros poderem acessar o exame de creatinina. O ideal, segundo a SBN, é que toda pessoa, principalmente acima de 30 anos, possa fazer um exame anual de dosagem desse marcador da função do rim.

O monumento ao Cristo Redentor será iluminado em azul e vermelho no Dia Mundial do Rim, às 19h30. O Santuário Arquidiocesano Cristo Redentor há mais de 10 anos participa desta data. O objetivo é destacar a importância da saúde dos rins e a necessidade de prevenção e tratamento de doenças renais.

A data escolhida, sempre comemorada na segunda quinta feira do mês de março, ressalta a relevância de cuidar desse órgão vital, que desempenha um papel fundamental na saúde do nosso corpo. Essa iluminação especial busca inspirar as pessoas a cuidarem não apenas de sua própria saúde, mas também a se unirem em causas que impactam a sociedade como um todo.

Com Assessorias

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

You may like

In the news
Leia Mais
× Fale com o ViDA!