“Direito ao diagnóstico precoce e tratamento; ao acesso à educação e proteção social; e ao trabalho e à igualdade de oportunidades.” São esses os direitos que a Lei da Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista garante desde 2012, no Brasil. Mas, infelizmente, ainda não é o que as pessoas com Transtorno do Espectro Autista (TEA) vivenciam diariamente.

Celebrado no dia 18 de junho, o Dia do Orgulho Autista foi criado justamente para dar voz aos indivíduos com TEA na busca por respeito, igualdade e inclusão. Neste ano, a campanha traz o tema: “Mais informação, menos preconceito”. No entanto, mesmo sendo mundialmente conhecida e cada vez mais diagnosticada precocemente, a condição ainda é pouco debatida na sociedade.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), são mais de 70 milhões de autistas diagnosticados em todo o mundo e, somente no Brasil, esse número é de aproximadamente 2 milhões de pessoas.

Ainda falta a compreensão do que é o autismo, principalmente aqui no nosso país, onde o assunto ainda é um tabu. Poucos sabem sobre o autismo e muito menos como agir diante de um autista”, avalia Esau Henrique Goes, de 28 anos, que foi diagnosticado com TEA recentemente, aos 26.

Funcionário do Grupo Marista, ele exerce o cargo de operador de teleatendimento na PUC-PR, o qual foi conquistado por meio de um mutirão de vagas PcD, realizado em 2022. Hoje, ele tem bons amigos e colegas de trabalho, mas nem sempre foi assim. Por ter recebido o laudo tardio, Henrique sofreu com o preconceito em seus antigos trabalhos e também na escola, fatos que faziam com que ele mesmo não conseguisse se entender.

“Por que eu sou assim?”, era a pergunta que se fazia cada vez que sofria algum ataque. Não entendia o motivo de ser vítima de bullying apenas por ser “diferente”. Segundo Henrique, somente depois do meu diagnóstico ele conseguiu se entender melhor.

Hoje, não tenho vergonha de ser autista e assumo com orgulho a minha condição. Tenho que matar dois leões por dia, tanto na vida pessoal quanto na profissional, e essa é a mesma luta  da comunidade autista. Por isso, quanto mais pessoas souberem e mais informações forem distribuídas sobre a nossa condição, é melhor, não só para a sociedade entender a gente, como pra gente conseguir se enturmar na sociedade”, ressalta.

Para ele, os debates deveriam, inclusive, estar na pauta de colégios e faculdades. Segundo a mestre em psicologia e coordenadora do curso de pós-graduação em Autismo, na PUCPR, Thaise Löhr Tacla, é uma tendência global a adoção de políticas públicas para facilitar o ingresso do autista no mercado de trabalho.

As empresas que enfatizam a importância de empregar pessoas com TEA, realizam treinamento de capacitação para acolhimento. Por isso, é importante salientar que o preparo do candidato para atuação profissional é fundamental, bem como o da empresa com incentivo a contratações”, avalia.

Dificuldade de interação social não é barreira  

O caso de Henrique não é raro e reforça ainda mais a importância de identificar precocemente o autismo. Para Thaise, o atraso nesse diagnóstico dificulta o desenvolvimento das habilidades sociais e de comunicação, sinais mais comuns da condição, além de atrapalhar a inserção desses indivíduos na sociedade.

Os sinais do autismo começam cedo e, quando presentes ocorrem, principalmente, com o prejuízo persistente na comunicação social recíproca, na interação social e nos padrões restritos e repetidos de comportamento, interesse ou atividade”, explica a psicóloga.

Na visão da especialista, a inclusão se mostra ainda mais essencial quando há exemplos de pessoas com TEA que cumprem tarefas que, aos olhos da sociedade, não seriam possíveis. Ela destaca ainda que ingressar no mercado de trabalho é fundamental para que o indivíduo autista consiga ser independente, tenha autonomia e liberdade para atingir seus objetivos.

A supervisora de atendimento da PUCPR e gestora de Henrique, Sandra Hanemann, pode falar com propriedade sobre a questão. Ela vê e analisa o trabalho do operador de teleatendimento sendo executado diariamente sem grandes impedimentos.

Quando o Henrique chegou à minha equipe, busquei conhecê-lo primeiro e ganhar a sua confiança. Ficamos um mês de adaptação juntos para que depois ele pudesse assumir sozinho suas tarefas”, conta Sandra.

Henrique presta atendimento aos alunos da PUCPR por meio do chat, whatsapp e telefone, e, segundo Sandra, consegue atender muito bem às expectativas do cargo.

Pessoas com TEA têm, por vezes, um entendimento e uma interpretação diferentes e, quando isso acontece, contamos com o suporte do nosso RH. Quando erra, damos o feedback para ele, assim como para seus colegas. Mas o Henrique é muito inteligente. Além de trabalhar conosco, ele faz faculdade de biologia e estágio. Temos aqui no setor uma troca muito rica. Em grande parte dos momentos, ele conversa com todos, é alegre, mas quando tem seus momentos mais introvertidos, ele é respeitado”, conta.

Com informações do Grupo Marista

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!
Shares:

Related Posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *