Depois de SP, Rio também deverá fornecer cannabis medicinal

Projeto de lei que prevê fornecimento gratuito de medicamentos à base de canabidiol (CBD) e tetra-hidrocanabinol (THC) para pessoas hipossuficientes é aprovado na Alerj

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

Só depende agora da canetada do governador Cláudio Castro. Pessoas sem condições de pagar pelo tratamento podem ter acesso a medicamentos à base de maconha medicinal pelo Sistema Único de Saúde (SUS) no Estado do Rio de Janeiro. Aprovado nesta quinta-feira (9/11) pela Assembleia Legislativa (Alerj) em segunda discussão, o Projeto de Lei 3.019/20, segue agora para o Governo do Estado, que tem até 15 dias úteis para sancioná-la ou vetá-la.

A medida institui uma política estadual de fornecimento gratuito de medicamentos à base de canabidiol (CBD) e tetra-hidrocanabinol (THC) para pessoas hipossuficientes – ou seja, aquelas que não têm condições financeiras de arcar com os custos desse tratamento. No Estado de São Paulo, já foi implementada medida semelhante – saiba mais aqui.

“Como a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) liberou o tratamento com o canabidiol para 12 tipos de doenças, mas não liberou a produção local, o canabidiol usado é importado, o que é caro. Então, famílias pobres não conseguem ter acesso a ele”, comentou o deputado Carlos Minc (PSB), autor do PL.

Deputado Carlos Minc, do PSB, é o autor da proposta que fornece medicamentos à base de Cannabis para quem não pode pagar (Foto: Octacílio Barbosa / Alerj)

Até a bancada conservada da Casa votou a favor da medida – e ainda a elogiou. Foi o caso do deputado Rodrigo Amorim (PTB), presidente da Comissão de Constituição e Justiça, que ressaltou a ‘sobriedade’ com a qual a matéria foi tratada no âmbito do colegiado.

“O projeto é absolutamente de cunho de saúde, não tem a modalidade de fumar, não tem incentivo ao plantio doméstico, absolutamente nada disso.  Restringe-se a falar da substância ativa, da importância para atenuar os efeitos de muitas doenças que podem ser amenizadas por conta do princípio ativo canabidiol”, acrescentou.

Leia mais

São Paulo terá medicamento à base de cannabis no SUS
Em favelas do Rio, 42% sofrem preconceito por uso de cannabis medicinal
Cannabis medicinal: conheça histórias de quem luta para ter o remédio

O que diz a lei e quem pode ter acesso

O texto reitera que esses medicamentos não têm efeitos psicoativos significativos e cujas finalidades terapêuticas são voltadas a pacientes com doenças que, comprovadamente, tenham diminuição de sintomas com o uso do CBD, e também àqueles que, com o uso do medicamento, conseguem regular funções fisiológicas.

A prescrição e dispensação dos medicamentos à base de Cannabis, incluindo seus derivados e análogos sintéticos, na rede do SUS no Estado do Rio acontecerá em conformidade com as diretrizes terapêuticas definidas em protocolos clínicos. A autorização vale para os medicamentos produzidos por empresas nacionais ou estrangeiras que tenham obtido autorização para comercialização nos termos da Anvisa.

O medicamento será identificado individualmente e só poderá ser fornecido com a retenção da receita com dados completos do paciente, do médico responsável e, quando for o caso, da pessoa que realizou a retirada do medicamento. Essas informações deverão ser fornecidas à autoridade policial sempre que solicitadas.

Leia também

Eduardo Suplicy adere à cannabis para vencer o Parkinson
Cannabis para sintomas de Parkinson só para uso off-label
Arlindo Cruz recorre a Cannabis para enfrentar sequelas do AVC

Como conseguir e fazer o acompanhamento

Para ter acesso aos medicamentos com canabidiol, o paciente deverá realizar o procedimento padrão do SUS, usando o Cartão Nacional da Saúde e seguindo as orientações atualizadas da Anvisa. O paciente deverá apresentar a prescrição médica acompanhada de laudo, indicando que outros tratamentos foram testados e que o canabidiol é a melhor alternativa.

O paciente deverá comprovar que não tem condições financeiras para ter acesso ao medicamento, seja ele importado ou vendido em farmácias brasileiras, e que a sua qualidade de vida depende desse tratamento. Ele também deverá apresentar o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE) assinado em duas vias: uma para o médico e a outra para o paciente.

O período de tratamento dependerá exclusivamente da avaliação do médico, que será indicada pela prescrição médica e pelo laudo. O tratamento deverá ser reavaliado a cada seis meses com o objetivo de verificar seus benefícios, bem como a necessidade de readequação, respeitando as especificidades do caso clínico do paciente.

Leia ainda

Reumatologistas alertam sobre cannabis em doenças com dor crônica
Cannabis medicinal: esperança no tratamento da esclerose múltipla
Restrição do CFM a cannabis medicinal provoca reações

Farmácia Viva do SUS coordenará a entrega

A coordenação da fase inicial do fornecimento do medicamento será feita pela Farmácia Viva do SUS, conforme definido nas normas da Anvisa. A Farmácia Viva deverá acompanhar as estampas de produção dos produtos elaborados à base de canabidiol para garantir o acesso seguro e o uso racional.

O Governo do Estado também deve desenvolver programas de investimento na formação técnico-científico e na capacitação de profissionais da área da saúde, farmacêutica e demais especialidades necessárias para a análise clínica, produção de pesquisas, criação de banco de dados, busca de novas tecnologias e inovação.

O Executivo poderá, inclusive, criar um centro de estudo e tecnologia promovendo políticas públicas de debate e fornecimento de informação a respeito do uso da CBD, de forma isolada ou associado ao THC.

A lei também autoriza a criação de uma comissão de trabalho com a participação de técnicos do SUS, da Farmácia Viva e de representantes de associações de pacientes na produção de pesquisas científicas que orientem a atuação do SUS e garantam a segurança dos pacientes.

Fonte: Alerj

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

You may like

In the news
Leia Mais
× Fale com o ViDA!