Vacina contra a gripe é fundamental antes da chegada do inverno

Mais de 43 milhões de pessoas já se vacinaram contra gripe no Brasil. No Rio, apenas 24% da população se vacinaram

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

Vacinação contra a gripe em Brasília (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Até esta sexta-feira (9), 43,3 milhões de doses de vacinas contra a gripe foram aplicadas no Brasil. Segundo o Ministério da Saúde, do total de doses aplicadas, 16 milhões foram em idosos, 6 milhões em crianças e 2,6 milhões em profissionais de saúde.

Neste Dia Mundial da Imunização (9 de junho), o ministério alerta que a “vacinação é fundamental antes da chegada do inverno, já que esta é a estação do ano com maior circulação dos vírus da [gripe] Influenza”.

A campanha nacional foi encerrada no fim de maio. Mesmo assim, a orientação é para que estados e municípios estendam a vacinação enquanto tiverem doses disponíveis. A recomendação é para que a população consulte as informações locais para saber onde se vacinar.

No Rio, apenas 24% se vacinaram contra a gripe

No Rio de Janeiro, este ano apenas 24% da população carioca se vacinaram contra a influenza até o momento. No último dia 29, o município do Rio de Janeiro prorrogou a Campanha de Vacinação contra a Influenza, com o objetivo de ampliar a cobertura da população e, principalmente, dos grupos prioritários, devido à sazonalidade das doenças respiratórias, mais comuns no inverno.

Todas as pessoas a partir de seis meses de idade podem se imunizar. A vacina previne contra os casos graves e complicações resultantes da gripe, principalmente em crianças e idosos. A Secretaria de Estado de Saúde ressalta que, além de serem seguras, as vacinas estão entre as medidas mais eficazes para a proteção contra doenças imunopreveníveis.

Cobertura vacinal tem caído nos últimos 10 anos

Apesar dos números, cada vez mais a população tem deixado de se vacinar. A Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro (SES-RJ), explica que o País vive um período crítico de risco de reintrodução de doenças já eliminadas, a exemplo da poliomielite (paralisia infantil), e é preciso eliminar a circulação do vírus do sarampo, que ainda acomete a população brasileira.

“Nesse contexto, é fundamental melhorar a cobertura vacinal de todas as vacinas do Calendário Nacional de Vacinação, que vem diminuindo ao longo dos últimos 10 anos, e piorou com a pandemia da Covid-19, em 2020″, ressalta a pasta.

Além da pandemia, fatores como as fakenews e a infodemia (de notícias falsas), associados à falsa sensação de que não há mais doenças circulando, acabaram levando a uma desconfiança da população sobre a importância e a eficiência das vacinas fornecidas pelo PNI/MS.

Por meio da Subsecretaria de Vigilância e Atenção Primária à Saúde (SVAPS), a SES reforça com a sociedade a importância de se manter a caderneta de vacinação atualizada, principalmente para crianças e adolescentes.

“É importante que as mães, os pais e/ou responsáveis levem seus filhos a uma unidade de saúde mais próxima de sua residência para que os profissionais possam avaliar a caderneta de vacinação e realizar a atualização dos esquemas vacinais incompletos ou em atraso, caso seja necessário”, informa a SES-RJ.

Vacinação contra a Covid-19: 22 milhões de doses da bivalente

Em maio, o município do Rio de Janeiro alcançou a expressiva marca de 20 milhões de doses aplicadas contra a covid-19. O Ministério da Saúde também tem concentrado esforços na proteção da população contra a covid-19. Até agora, cerca de 22 milhões de doses da vacina bivalente foram aplicadas.

“O imunizante é destinado a todos os brasileiros maiores de 18 anos que completaram o esquema vacinal primário com as duas doses. É necessário, no entanto, intervalo mínimo de quatro meses desde a administração da última dose”, informa o ministério. Podem receber a dose de reforço bivalente contra covid-19 todas as pessoas com 18 anos ou mais. Já a vacina da gripe está disponível para a população a partir dos seis meses de idade.

“Tanto as ações de vacinação contra a gripe quanto as da covid-19 são parte do Movimento Nacional pela Vacinação, iniciado em fevereiro deste ano. O movimento é uma das prioridades do governo federal para fortalecer o Sistema Único de Saúde (SUS) e o resgate da cultura de vacinação no país”, ressalta o governo.

Onde se vacinar na cidade do Rio

De acordo com a pasta estadual de saúde, o Estado do Rio de Janeiro possui cerca de 2.000 salas de vacinas, distribuídas pelos 92 municípios.

Na cidade do Rio, a vacinação acontece nas 237 unidades de Atenção Primária (clínicas da família e centros municipais de saúde), de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h. As unidades que funcionam com horário estendido e aos sábados podem ser consultadas na plataforma Onde Ser Atendido, no link.

A vacina também está disponível no Super Centro Carioca de Vacinação, em Botafogo, que funciona de domingo a domingo, das 8h às 22h, e também conta com um drive-thru; e em pontos extras pela cidade, que podem ser consultados no link.

A orientação é para que pais e responsáveis levem seus filhos aos postos portando um documento de identificação e a caderneta de vacinação da criança ou do adolescente, para que o esquema vacinal seja avaliado pelos profissionais de saúde e atualizado, quando necessário.

A SMS oferece uma cartilha com orientações sobre o calendário vacinal de rotina de crianças e adolescentes, com informações essenciais sobre cada imunizante disponível. O material pode ser consultado no site do EpiRio, pelo link.

Vacinação na Maratona do Rio e nas estações do Metrô

Com o propósito de levar os imunizantes a locais de grande circulação de pessoas e para alcançar uma cobertura vacinal ainda maior, a SMS realiza constantemente ações de conscientização. Em junho, com o objetivo de ampliar o acesso à imunização, a Secretaria Municipal de Saúde do Rio (SMS), realiza neste sábado (10) uma ação em conjunto com a Maratona do Rio 2023.

O ponto de vacinação funcionará na Marina da Glória, das 8h às 16h. Os imunizantes disponíveis serão contra influenza e reforço contra covid-19 (bivalente) para o público a partir dos 18 anos. Dando sequência à parceria com a concessionária MetrôRio, a SMS continua promovendo a vacinação contra a gripe e a covid-19 em estações do metrô.

No dia 15, será a vez da estação de Botafogo receber um ponto de imunização no corredor principal, próximo ao acesso B (Muniz Barreto). A ação também será realizada na estação Cantagalo/Copacabana, no dia 22, no corredor, próximo ao acesso B (Xavier da Silveira).

18 vacinas pelo SUS na rede da capital

Ao todo, são 18 vacinas de rotina ofertadas nas unidades básicas de saúde de forma permanente, durante todo ano nos pontos de vacinação distribuídos pela cidade do Rio. Os imunizantes estimulam a defesa do organismo a identificar e se proteger de vírus ou bactérias, com o objetivo de evitar mortes e até erradicar doenças. É o método mais seguro e fundamental para prevenir complicações, internações e mortes decorrentes das infecções mais severas causadas pelos vírus em grupos mais suscetíveis.

“Diante de tantas doenças infecciosas é um alívio termos formas tão eficazes de prevenção. Não podemos esquecer que a imunização é um esforço coletivo e, para funcionar, é preciso que as pessoas procurem os postos de saúde. É imprescindível que as pessoas procurem uma unidade de saúde para se imunizar contra a gripe o quanto antes”, alerta a superintendente de Vigilância em Saúde, Gislani Mateus.

Como a aplicação das doses é de competência das prefeituras, dentro da estratégia de atenção básica, a SES-RJ desenvolve frequentemente diversas ações conjuntas com as equipes de Vigilância Epidemiológica e de Atenção Primária dos municípios.

Entre as quais estão a realização de reuniões periódicas para reforçar a importância da busca ativa de não vacinados, a realização de visitas domiciliares e a vacinação extramuros para atualização dos esquemas vacinais em atraso. 

Além disso, a Secretaria de Saúde do Rio realiza a aquisição de equipamentos para doação aos municípios, com o objetivo de aprimorar a estrutura das salas de vacinas. Há também repasses de recursos aos municípios para que possam realizar compras de equipamentos para as unidades de saúde com salas de vacinas.

AS TAXAS DE VACINAÇÃO NO ESTADO DO RIO (atualizado em 6/6/23)

Poliomielite (inativada – vip) – 2, 4 e 6 meses

2023 – 36,04%

2022 – 58,89%

2021 – 55,81%

Poliomielite (oral atenuada ou vop – 1º ref) – 15 meses

2023 – 28,08%

2022 – 49,23%

2021 – 45,86%

Poliomielite 4 anos – 4 anos até menor de 5 anos

2023 – 22,47%

2022 – 44,45%

2021 – 39,89%

Tríplice viral D1 – 12 meses

2023 – 37,87%

2022 – 66,74%

2021 – 59,48%

Tríplice viral D2 – 15 meses

2023 – 28,83%

2022 – 50,49%

2021 – 40,31%

Bivalente (7/6/23)

1.979.850 – doses aplicadas

Gripe (29/5/23)

2.211.512 – doses aplicadas

27,72% – taxa cobertura

Com Agência Brasil, SES-RJ e SMS-Rio

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

You may like

In the news
Leia Mais
× Fale com o ViDA!