‘No trânsito, escolha a vida’ é o lema do Maio Amarelo 2023

Campanha de conscientização da sociedade para a redução da mortalidade no trânsito conta com iluminação especial em prédios e monumentos públicos de todo o Brasil

O Monumento a Estácio de Sá, no Rio de Janeiro, participa da campanha Maio Amarelo (Foto: Divulgação)
Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

O Maio Amarelo, de conscientização da sociedade para a redução da mortalidade no trânsito, começa com iluminação especial em prédios e monumentos públicos de todo o Brasil. A Secretaria Nacional de Trânsito (Senatran) aprovou o novo tema para as campanhas educativas realizadas em 2023, ano em que o movimento completa 10 anos: “No trânsito, escolha a vida”.

Em todo o Brasil, a mobilização se inicia já nesta terça-feira (2), quando prédios públicos receberão iluminação especial.  No Rio de Janeiro, a ação acontece no prédio da Câmara Municipal, no Centro do Rio, e o Monumento a Estácio de Sá, no Aterro do Flamengo, durante todo o mês de maio.

A iniciativa da CET-Rio, em parceria com a Rioluz, tem como objetivo levar a sociedade a refletir sobre o alto número de mortos e feridos no trânsito, além de propor uma mudança de atitude capaz de transformar essa realidade. Para chamar a atenção da sociedade para o tema, a CET-Rio realizará diversas ações ao longo do mês de maio.

Motociclistas são as principais vítimas de acidentes

Dados do Ministério da Saúde mostram que em 2020, as lesões de trânsito foram responsáveis por mais de 190 mil internações – dessas, cerca de 61% entre motociclistas. A taxa de internação de motociclistas passou de 3, 9 por 10 mil habitantes para 6,1 por 10 mil habitantes entre 2011 e 2021 – um aumento de 55%, considerando apenas a rede do Sistema Único de Saúde (SUS) e conveniados. Somente em 2021, o custo com esse tipo de internação chegou a R$ 167 milhões.

“As lesões de trânsito são um importante problema de saúde pública global, figurando entre as dez principais causas de morte em países de baixa e média renda e a sexta causa de Daly, da sigla em inglês Disability Adjusted Life Years, que significa anos de vida perdidos ajustados por incapacidade”.

Ainda de acordo com o boletim epidemiológico divulgado pelo ministério, o número de mortes de motociclistas por lesões no trânsito apresentou estabilidade entre 2011 (11.485 óbitos) e 2021 (11.115 óbitos), assim como a taxa de mortalidade que, em 2011, foi de 5,8 por 100 mil habitantes e, em 2021, ficou em 5,7 por 100 mil habitantes.

“A morbidade e a mortalidade por lesões de trânsito, especialmente a de motociclistas, se caracterizam como um problema de múltiplas determinações e as intervenções para sua redução dependem de diversos atores dos sistemas econômicos e públicos”, avaliou a pasta. Para o ministério, ações do setor devem ser complementadas por ações de órgãos de trânsito, educação e planejamento urbano.

“Também é de fundamental importância capacitar a rede de atenção à saúde para identificar os acidentes de trabalho com motociclistas, tanto de trajeto quanto típicos, notificando adequadamente nos sistemas de informação em saúde, permitindo obter informações fidedignas desse agravo e propor ações de promoção de saúde e prevenção desses acidentes.”

Semana Internacional da Compostagem

Responsável pela limpeza urbana na cidade do Rio de Janeiro, a Comlurb vai celebrar a Semana Internacional da Compostagem, de 2 a 5 de maio, com seminário, visitas guiadas e a implantação de projeto de segregação de orgânicos na sede da companhia, na Tijuca. Na terça-feira (2) será lançado o projeto de separação e compostagem dos resíduos orgânicos gerados no refeitório da sede, em parceria com a Ciclo Orgânico e a Composta’e, que fazem a coleta em domicílios de triciclos.

A ideia é fazer o dever de casa e incentivar que outras empresas e organizações sigam o exemplo. Os empregados que almoçam no local receberão orientações de como separar e descartar as sobras de alimentos nos baldinhos que serão instalados no local. Todo o resíduo será coletado e compostado, colaborando com a diminuição das emissões de CO2 do transporte e aterramento dos resíduos no CTR-Rio. No dia seguinte, a companhia promove o Encontro dos Composteiros do Rio de Janeiro no EcoParque do Caju, reunindo especialistas da Comlurb, de órgãos da Prefeitura, universidades e instituições envolvidas com o tema.

Já na quinta-feira (4), a Comlurb promove visita guiada ao EcoParque do Caju, que concentra diversos programas sustentáveis da companhia. O espaço conta com um equipamento moderno para o processamento dos resíduos de poda realizadas na cidade, como resultado é produzida uma biomassa combustível, fonte de energia térmica para fornos da indústria cerâmica.

Outro destaque é a primeira Unidade de Biometanização da América Latina, que transforma resíduos orgânicos em energia e composto orgânico, o Fertilub, para regeneração de solos. O superadubo é usado ainda como substrato para viveiros de mudas, hortas urbanas, insumo para o reflorestamento da Floresta da Tijuca e manutenção de praças e jardins da cidade.

O último dia (5) será dedicado à visita técnica ao Centro de Pesquisa da companhia, em Vargem Pequena, onde funcionam os laboratórios de Análises Físico-Químicas, de Análises Microbiológicas, de Análises Biológicas e de Caracterização dos resíduos sólidos, além de um horto que produz mudas de plantas e compostos orgânicos.

O trabalho de pesquisa dos Resíduos Sólidos Domiciliares da Cidade do Rio de Janeiro faz a caracterização do lixo domiciliar das áreas urbanizadas, praias e das comunidades, revelando os perfis de consumo, comportamentos, mudanças de hábitos e situação econômica. O Centro é responsável ainda pelo controle de qualidade dos materiais usados nos trabalhos da Companhia e pelo serviço de controle de vetores.

As inscrições para as visitas guiadas podem ser feitas pelo e-mail: comunicacao.comlurb@gmail.com.

Com Assessorias

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

You may like

In the news
Leia Mais
× Fale com o ViDA!