Dietas malucas: a pressão estética que traz riscos à saúde

Nutricionista expõe os problemas de uma alimentação restritiva e explica como realmente ter um corpo saudável

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

O começo do ano é representado pelo verão e o carnaval. Essa época é marcada, também, pelo aumento da pressão estética e, muitas pessoas buscam formas de perder peso rápido para poder alcançar o “corpo perfeito”. Começam a aparecer dietas com restrições calóricas severas, exclusão de grupos alimentares importantes e métodos difíceis de serem sustentados por muito tempo, o que não contribuem para a saúde e emagrecimento saudável.

De acordo com estudo realizado pela Universidade Anglia Ruskin, o Brasil está entre os 10 países com menos confiança no corpo no mundo; e em pesquisa feita pelo Globo Repórter em 2022, 61% dos entrevistados tentaram algum tipo dieta para emagrecer e se sentir melhor com o corpo, dentre eles, 61% não tiveram acompanhamento médico ou nutricional e apenas 43% conseguiram chegar ao peso desejado.

Fúlvia Hazarabedian, nutricionista e responsável pelo Bio Nutri, programa de nutrição da Bio Ritmo, rede de academias high end, explica que a busca obsessiva e a pressão estética para se encaixar nesse padrão de beleza podem trazer muitos riscos à saúde.

“Ser saudável é muito mais que ter um corpo que se encaixe ao padrão de beleza e sim, um corpo que se exercita com frequência e que se alimenta de todos os nutrientes e vitaminas que precisa, de forma balanceada”, comenta Fúlvia, que alerta para os riscos de dietas restritivas que estão interligados.

Os riscos das dietas muito restritivas

Deficiência Nutricional

Um dos principais riscos dessas dietas é a deficiência nutricional. Muitas indicam a exclusão de grupos alimentares inteiros, como carboidratos. A retirada desse componente do prato pode levar a sintomas como desmaios já que os carboidratos são a principal fonte de energia. Além disso, a depender da restrição, problemas sérios de saúde podem ser ocasionados como anemia, osteoporose, entre outros.

Saúde Mental

Com a deficiência nutricional, o cérebro e as outras partes do corpo não conseguem funcionar corretamente e podem não conseguir produzir hormônios importantes, aumentando a ansiedade, o sentimento de culpa, e a relação negativa com a comida, contribuindo para o surgimento de distúrbios alimentares.

Efeito Sanfona

Como um risco leva ao outro, a deficiência nutricional combinada à saúde mental abalada leva muitas pessoas a voltarem a se alimentar sem nenhuma restrição e parâmetro, podendo desenvolver uma compulsão alimentar e ocorrendo o famoso efeito sanfona, que pode durar muitos anos, prejudicando metabolismo e a saúde do paciente, que nunca vai conseguir realmente alcançar o efeito desejado.

Após enumerar todos os riscos inerentes às dietas malucas, Fúlvia dá dicas de como conseguir conquistar consistência nos cuidados com a saúde – consequentemente, o corpo irá sentir:

Equilíbrio

Não é necessário excluir grupos alimentares para emagrecer. O equilíbrio entre eles é essencial para uma boa saúde. Alguns alimentos podem ajudar nesse processo, como a aveia e quinoa que dão saciedade rápida e duradoura. Além de proteínas e fontes de gorduras boas, como abacate e castanhas. Para entender melhor o que seu corpo necessita e qual é a melhor maneira de conduzir isso, converse com uma nutricionista ou médico.

Atividades Físicas

Combine uma dieta equilibrada com atividades físicas regulares. O exercício contribui não só para o controle de peso, como também auxilia na saúde cardiovascular, muscular e mental.

Durante a prática liberamos os cinco principais hormônios: a endorfina e serotonina, responsáveis pela sensação de bem-estar e felicidade; a adrenalina, que acelera a queima de calorias; a somatotrofina, que estimula a queima de gordura e fortalece o crescimento dos tecidos e da fibra muscular; e também o cortisol, que ajuda na diminuição dos efeitos do estresse no dia a dia.

Autoaceitação

Por fim, mas não menos importante, é preciso entender que cada corpo é único e temos metabolismos diversos e tipos de corpos diferentes também. Antes de tudo precisamos nos aceitar e nos amar como somos e como podemos ser de forma realista. A saúde deve ser o objetivo principal na busca de um corpo perfeito.

“A saúde é um processo contínuo e a abordagem mais eficaz é adotar práticas sustentáveis e positivas em relação à alimentação e ao corpo. Se tiver dúvidas específicas ou precisar de orientação, é recomendável consultar um profissional de saúde, como um nutricionista ou médico. Além disso, a pressão estética não pode tomar espaço em nossas vidas. Precisamos construir um novo olhar sobre nós mesmos e entender que cada processo é único, assim como nós”, finaliza Fúlvia.

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

You may like

In the news
Leia Mais
× Fale com o ViDA!