Reúso de água: conheça boas práticas de algumas empresas

Bayer, Ambev e Furnas apresentam projetos para economizar água

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

Em 11 anos, o parque fabril da Bayer, na Baixada Fluminense, região mais populosa do Grande Rio,  já deixou de consumir mais de quatro bilhões de litros de água potável fornecida pela Cedae. São menos 25 mil m³ de água potável mensalmente, um volume suficiente para suprir a necessidade mensal de consumo de quase 8 mil pessoas – levando em consideração que a base do consumo per capita recomendado pela Organização das Nações Unidas (ONU) é de 110 litros diários por habitante. 

A Cervejaria Ambev reduziu em 50% a quantidade de água usada na produção de suas cervejas, nas últimas duas décadas. Os dados são de 2018 e mostram que a companhia terminou o ano usando 2,86 litros de água para fazer um litro de cerveja – uma diminuição de 2,7%, comparado com 2017, quando a média mensal foi de 2,94 litros. Ao longo de duas décadas, poupou cerca de 18 trilhões de litros de água – o suficiente para abastecer a cidade de Florianópolis por mais de seis meses, ou o equivalente a mais de sete mil piscinas olímpicas.

Já Furnas chama a atenção para a importância da preservação dos recursos hídricos e celebra a expansão do Projeto Nascentes. Um projeto criado em 2018 já recuperou 150 nascentes, em um área de 20,4 hectares. Em parceria com a Associação dos Municípios do Lago de Furnas (Alago), a iniciativa tem o objetivo de revitalizar matas ciliares em torno de aproximadamente 400 nascentes que contribuem para a formação do reservatório da Usina de Furnas (MG).

As medidas implantadas na Bayer

Na Bayer, a economia é resultado de uma série de medidas com foco na redução do consumo de água. práticas de gestão e reuso, além de fechar o ciclo ecológico de gerenciamento de recursos hídricos. Nos setores da empresa onde se consome água potável, foram instalados medidores que possibilitam o estabelecimento de metas e o controle periódico dos consumos, sendo então possível  a adoção de ações corretivas quando se verificam desvios. Também foram instalados dispositivos simples, mas eficazes para evitar o desperdício de água, como torneiras automáticas.

Já nos seus processos industriais, a Bayer optou por empregar água fornecida majoritariamente de uma fomente alternativa.  Há 11 anos, a empresa implantou um moderno sistema de tratamento de água do rio Sarapuí, que flui ao largo do seu parque industrial. A água passa por processos de desinfecção, clarificação, filtração e osmose reversa para atingir o padrão de qualidade requerido para uso em torres de resfriamento, geração de vapor, prevenção de incêndio, jardinagem, limpezas e aplicações diversas na planta.

Também foram feitas alterações nos processos e equipamentos para minimizar o volume de água empregada para lavagem e também para permitir o seu reuso. Todo o efluente do site passa por uma moderna Estação de Tratamento de Despejos Industriais (ETDI) que, empregando processos físicos, químicos e biológicos, possibilita o seu descarte em um ponto do rio, montante do local de captação, atendendo aos rígidos padrões legais.

Como funciona o processo na Ambev

Na Ambev, a economia foi possível graças à conscientização e a mobilização de seus colaboradores. Uma equipe de especialistas da companhia criou uma série de procedimentos que deram origem ao Sistema de Gestão Ambiental da Cervejaria Ambev – utilizado em todas as unidades ao redor do País e atualizado constantemente.

São diversas iniciativas, entre o uso de equipamentos de alta tecnologia, a criação de um sistema de reuso de água e exportação de efluentes tratados para empresas vizinhas. Uma das mais simples e eficientes é, por exemplo, o reuso da água de limpeza que, depois de ser usada para lavar garrafas, é reutilizada para higienizar caixas – sem qualquer contato com o processo produtivo da cerveja.

A Cervejaria Ambev possui uma plataforma de sustentabilidade, cujo principal pilar é a água. As iniciativas contemplam a preservação, reutilização e distribuição da água e têm como objetivo impactar diferentes públicos – interno, setor público, outras empresas e parceiros comerciais. Como parte dos esforços para reduzir o consumo de água nas cervejarias, a companhia conta com ações para reutilização de seus efluentes industriais – construindo, inclusive, parcerias com empresas e produtores que trabalham no entorno de suas unidades fabris.

Projeto de Furnas ajuda a recuperar nascentes

O projeto de recuperação de nascentes desenvolvido por Furnas já foi implantado em 15 municípios – Campo Belo, Cristais, Guapé, Éloi Mendes, Paraguaçu, Fama, Carmo do Rio Claro, Capitólio, Ilicínea, Aguanil, Campos Gerais, Coqueiral, Nepomuceno, Poço Fundo e Perdões.

Até o fim do primeiro semestre de 2019 abrangerá mais oito localidades: Camacho, Candeias, Formiga, Machado, Muzambinho, Divisa Nova, Juruaia e Varginha. No total, serão reflorestados 50,4 hectares – área correspondente a cerca de 50 campos de futebol. A previsão é concluir as ações do Projeto Nascentes até dezembro deste ano.

A empresa fornece as mudas e materiais para cercamento da área reflorestada. O plantio das mudas fica por conta de FURNAS e das prefeituras, e a manutenção é de responsabilidade de cada proprietário, sob a orientação de FURNAS. Cabe também às prefeituras identificar as áreas das nascentes, cadastrar os produtores rurais interessados em participar do programa e monitorar as áreas plantadas.

Ainda como parte das ações para lembrar a importância do Dia, Furnas promoverá na sede da empresa, no Rio de Janeiro, palestras ministradas por técnicos da Superintendência de Gestão Ambiental e Fundiária da empresa e representantes da Universidade Federal Fluminense. Entre os temas abordados estão o quadro atual do saneamento no Brasil, comitê de bacias, diques ambientais da Usina Hidrelétrica de Simplício e nascentes.

Empresas podem fazer diagnóstico sobre uso da água

Para ser bom para o meio ambiente, é necessário agir para fora dos muros da companhia. Por isso, a Cervejaria Ambev compartilha sua experiência e conhecimentos em eficiência hídrica por meio da plataforma online e gratuita SAVEh. Qualquer empresa pode acessar o site e realizar um diagnóstico, com plano de ação e acompanhamento de seus processos. Desde a criação do SAVEh, cerca de 160 empresas procuraram conhecer e adotar as estratégias da Cervejaria Ambev. O resultado foi um ganho médio de 18% em eficiência hídrica, entre 2017 e 2018, para quem participou do programa.

Outras iniciativas da companhia incluem projetos para preservação de bacias hidrográficas em regiões nas quais a escassez hídrica é crítica. O Projeto Bacias foi desenvolvido em parceria com as ONGs The Nature Conservancy (TNC) e WWF e já conta com áreas preservadas em Jaguariúna e Jundiaí (SP), Sete Lagoas (MG) e na Bacia do Rio Guandú (RJ).

Todos são esforços conjuntos, com diversos atores do poder público, privado e da sociedade – uma vez que, sozinhos, seria impossível transformar o atual cenário da água no Brasil. A Cervejaria Ambev também faz parte da Coalizão Cidades pela Água, da ONG The Nature Conservancy (TNC), ampliar a segurança hídrica com soluções baseadas na natureza.

Por fim, para construir um trabalho em rede que engajasse também os consumidores, a Cervejaria Ambev lançou a Água AMA no final de 2017. O produto tem 100% de seu lucro doado para iniciativas que levam água potável a quem não tem acesso, no semiárido brasileiro – são cerca de 35 milhões de brasileiros que enfrentam esta situação diariamente.

Em parceria com a Fundação Avina e organizações locais, a marca identifica comunidades rurais para a escavação de poços profundos, construção de cisternas e sistema de reuso daágua em escolas, entre outras ações. Todo o processo é auditado pela KPMG.

Ebook mostra estratégias para eficiência hídrica

Para orientar empresas como implementar ou melhorar a gestão dos recursos hídricos em suas atividades, o Conselho Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS) lança nesta sexta-feira, Dia Mundial da Água, um e-book contendo as cinco principais estratégias para eficiência hídrica. Além de conceitos e diretrizes, a publicação apresenta boas práticas de empresas de grande porte, que foram adotadas nos mais diversos setores.

Clique aqui para fazer download gratuito do e-book 5 Estratégias para a eficiência hídrica.

A publicação dá continuidade ao Compromisso Empresarial para Segurança Hídrica, documento criado pelo CEBDS há um ano, no qual mais de 20 signatárias se comprometem a cumprir metas para melhorar sua gestão hídrica, e dão transparência ao que vem sendo feito, para estimular um efeito cascata dessas boas práticas na indústria. Um dos objetivos do Conselho é promover entre o setor empresarial brasileiro maior engajamento e difusão de experiências, aprendizados e informações sobre desenvolvimento sustentável.

Assegurar a disponibilidade e gestão sustentável da água e saneamento para todas e todos é um dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), criados pela ONU em 2015 para reger os atos de governos, empresas e pessoas em prol de um melhor planeta em 2030.

Aquasfera

Para quem quiser se aprofundar no tema e conhecer outras iniciativas de gestão hídrica, o CEBDS oferece o hub digital Aquasfera, que reúne todos os projetos e cases de sucesso de gestão hídrica das empresas signatárias do Compromisso Empresarial para Segurança Hídrica. Tanto o compromisso, quanto o Aquasfera são legados do Fórum Mundial da Água, que aconteceu no ano passado no Brasil, e serão levados ao próximo Fórum, em 2021 no Senegal, como experiência a ser replicada em outros países.

Da Redação, com Assessorias

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

You may like

In the news
Leia Mais
× Fale com o ViDA!