Nelson Sargento, 96 anos: ‘Estou aqui para ser vacinado e poder trabalhar’

Compositor mangueirense, ao lado do ator Orlando Drummond, o ‘Seu Peru’, foi um dos primeiros idosos a receber a vacina no Rio

O compositor Nelson Sargento e o ator Orlando Drummond os primeiros a ser vacinados neste domingo (31/01) no Rio (Fotos: Divulgação Prefeitura do Rio)
Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

Bem humorado e cheio de esperança, o compositor Nelson Sargento, de 96 anos, foi um dos cinco idosos vacinados em ato simbólico que abriu a imunização segmentada por idade no Rio de Janeiro neste domingo (31/1). Tomado de emoção, entoou os primeiros versos da música “Agoniza mas não morre”, de sua autoria, e falou dos planos para voltar aos palcos em um futuro próximo:

Estava pensando muito nesse momento e graças a Deus estou aqui. Estou lendo muito e pintei três quadros na pandemia. Estou com alguns para vender. Mas estou sentindo falta da música. Estou aqui para ser vacinado e poder trabalhar”, disse ele, animado.

Acompanhado da mulher, Evonete Matos, de 71 anos, ainda brincou: “Ela quer se vacinar já, mas é uma jovem ainda”. Morador do bairro da Tijuca, o baluarte da Mangueira ganhou festa de aniversário na portaria de casa em plena pandemia, em 2020, como mostrou ViDA & Ação. Foi um bálsamo para afastar a tristeza do período de isolamento.

Aos 101 anos, Seu Peru foi o primeiro a ser vacinado

Aos 101 anos, Orlando Drummond – o Seu Peru’, da Escolinha do Professor Raimundo, foi o primeiro idoso acima de 80 anos imunizado no Rio (Fotos: Divulgação Prefeitura do Rio)

Primeiro a ser vacinado no Palácio da Cidade, em Botafogo, o ator Orlando Drummond, de 101 anos, o “Seu Peru”, da Escolinha do Professor Raimundo, resumiu sua emoção. “Agora, sim, estou vendo as coisas acontecendo e fico feliz. Isso é um batismo e espero que todos tenham a mesma esperança que eu. Estou com 101 anos. É mole ou quer mais?”.

O público desta faixa etária começará a ser vacinado de forma segmentada, uma idade a cada dia. Na segunda-feira (1/2), será a vez de quem tem a partir de 99 anos. Dessa forma, o atendimento será mais organizado, e sem aglomerações. O prefeito Eduardo Paes chamou a atenção para a importância de ser priorizada nesta primeira fase a população mais idosa.

Hoje é um dia de uma enorme alegria. Estamos começando a vacinação da população em geral, priorizando aqueles que têm que ser priorizados, a população idosa. É emocionante ver o Nelson Sargento, e saber que ele vai poder continuar vivendo e cantando a sua poesia; é emocionante ver o Seu Peru (personagem marcante do ator Orlando Drummond), que encheu de alegria nossas vidas na televisão e no rádio; é uma alegria ver pessoas anônimas que, para suas famílias, seus entes queridos, são tão importantes”, destacou o portelense prefeito.

Ele faltou das expectativas em relação à vacinação no município, priorizando as pessoas mais velhas. “Nosso sonho é que ao longo de dois meses – isso vai depender da chegada da vacina – a gente possa vacinar todas as pessoas acima de 60 anos de idade, que é a população mais vulnerável”, comentou o prefeito.

O secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz, garantiu que a cidade está abastecida de doses suficientes para esta etapa de vacinação. “A gente tem as vacinas aqui no Rio para o início dessa etapa dos idosos. Hoje começa a parte mais importante da campanha. É um momento muito emocionante para toda a sociedade, para quem vai poder vacinar seus avós, seus pais, sua família. Infelizmente, eu não pude. Perdi minha avó por Covid-19”, afirmou Soranz.

Conheça os outros idosos vacinados

Neiva Gomes Brandão, dona de casa, 95 anos

  • Passei esse tempo todo em casa, fazendo crochê. Sinto falta da praia e de visitar os amigos. Não estava indo a canto nenhum. Estou torcendo para que essa campanha seja um sucesso e que todos possam ser vacinados.

Dulcinéia Gomes Pedrada, dona de casa, 97 anos

  • Eu não estava saindo. Até meus exames eu fiz em casa. Agora a vida vai melhorar.

Sebastiana Farnezi da Conceição, costureira, 98 anos

  • É um dia especial. Minha filha até enrolou meu cabelo pra eu vir tomar a vacina. Tenho certeza de que não vou pegar a doença. Agora, vou poder ir um bocadinho na rua.

Fonte: SMS-Rio e Agências, com Redação (atualizada em 01/02/21, às 9h)

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

You may like

In the news
Leia Mais
× Fale com o ViDA!