91% dos brasileiros perceberam mudanças climáticas nos últimos anos

A percepção sobre o aquecimento global como um problema grave é menor (53%) na faixa de 16 a 24 anos, aponta pesquisa

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

Neste Dia Mundial da Educação Ambiental (26 de janeiro), o que temos a comemorar no Brasil? Será que os brasileiros estão se informando melhor sobre o tema? A resposta é sim. De modo geral, os brasileiros estão preocupados e têm percebido no dia a dia as mudanças climáticas nos últimos anos.

Para 91%, o aquecimento global é um problema grave, acima dos 86% que avaliaram o problema desta maneira em 2022. A maioria (61%) acredita que essa é uma questão imediata, que deve ser combatida urgentemente. A percepção, no entanto, é menor (53%) na faixa de 16 a 24 anos.

Pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI) revela que 91% dos brasileiros notaram alguma alteração na temperatura ou no clima. No cenário nacional, as respostas mais comuns são aumento de temperatura (92%), menos chuvas (66%) e rios mais secos (55%).

Os resultados mudam de acordo com as regiões. No Norte e Centro-Oeste, a redução das chuvas foi percebida por 90% dos entrevistados e a seca nos rios, por 76%. No Sul, por outro lado, 76% apontaram aumento de chuvas e 69% transbordamento de rios.

Contribuição do Brasil para metas climáticas

A preocupação dos brasileiros também se reflete na avaliação das ações ambientais no país. Para 55%, a conservação do meio ambiente no país é ruim ou péssima e 51% consideram o meio ambiente menos conservado em comparação a outros países.

O desmatamento florestal é visto como a maior ameaça ambiental atual para o Brasil (apontada por 38%), uma queda em relação a 2022 (46%). Em seguida, são citadas mudanças climáticas/aquecimento global (23%) e fumaça e emissão de gases poluentes (22%).

Quanto às prioridades para conservação ambiental, 30% responderam tratamento de água e esgoto, seguido por combate ao aquecimento global/mudanças climáticas (27%) e ao desmatamento (25%). No ano passado, o combate ao desmatamento era o primeiro da lista de prioridades apontadas pela população.

Em relação a ações específicas de promoção da preservação ambiental nos últimos 12 meses, há uma divisão na percepção:

– Atração de recursos de outros países para proteção da Amazônia: 32% acham que melhorou e 22% que pirou;

– Combate ao garimpo ilegal: 32% acreditam que melhorou e 24%, que piorou;

– Combate ao desmatamento ilegal: 30% pensam que melhorou e 33%, que piorou;

– Combate às queimadas: 29% responderam que melhorou e 37%, que piorou.

Expectativas sobre redução de emissões

Também há divergências sobre a expectativa de o Brasil atingir a meta de redução da emissão de gases do efeito estufa: 17% creem que o país atingirá a meta, 37% que não atingirá e 36% acreditam que ela será parcialmente cumprida.

O Brasil se comprometeu, junto com os demais países integrantes da COP a reduzir 48% das emissões desses gases até 2025 e 53% até 2030.

Ainda sobre o futuro, 80% acham possível combinar crescimento econômico com proteção do meio ambiente e 61% veem o Brasil como protagonista na economia verde. Os impactos da descarbonização da economia mais citados foram surgimento de novas tecnologias (73%), melhoria da qualidade de vida (68%) e melhores produtos disponíveis no mercado (67%).

“Os dados recentes sobre as mudanças climáticas confirmam a importância de acelerarmos as ações voltadas à adaptação e à redução dos impactos de secas, enchentes, ondas de calor e frio intensos e outros fenômenos extremos, que vêm causando enormes prejuízos sociais e econômicos em todo o mundo”, afirma o presidente da CNI, Ricardo Alban.

Segundo ele, é urgente a necessidade de transição para uma economia de baixo carbono, que esteja alinhada com a contenção do aumento da temperatura do planeta dentro da meta do Acordo de Paris. “As mudanças climáticas têm afetado cada vez mais a vida das pessoas e é de interesse coletivo a promoção de um sistema produtivo mais sustentável”, complementa.

Confira aqui mais sobre a pesquisa

Dia Mundial da Educação Ambiental

O Dia Mundial da Educação Ambiental foi estabelecido no dia 26 de janeiro de 1975 pela Organização das Nações Unidas (ONU), visando promover a conscientização sobre a proteção ambiental por meio da educação.

A data é vinculada à “Carta de Belgrado”, resultado de um encontro promovido pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) que, ainda hoje, é considerado um marco conceitual nas questões ambientais.

O documento foi um dos primeiros a fazer relação entre o desenvolvimento econômico com a exploração do meio ambiente e seus devidos impactos no planeta. A carta também destaca a Educação Ambiental como “um dos elementos mais críticos” para combater a crise climática.

Quase 50 anos depois, infelizmente, o cenário ambiental global continua sendo tratado de maneira indevida e agora toda a humanidade enfrenta as consequências, como as temperaturas extremas registradas no último ano.

 

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

You may like

In the news
Leia Mais
× Fale com o ViDA!