MentePalavra de Especialista

Intestino: o segundo cérebro e a relação com as nossas emoções

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

Por Andrea Ladislau*

Não é de hoje que a ciência estuda a conexão do cérebro com nosso aparelho digestivo e qual a relação deste órgão com o bem estar psíquico do ser humano. Ansiedade, raiva, nervosismo, ira e tristeza podem ter origem no intestino, classificado como segundo cérebro pelos especialistas. Fato, explicado inclusive, pelo termo “fulano está muito ENFEZADO hoje”, já que, ter preocupação excessiva diminui a circulação do QI do pulmão para o intestino, o que retém as fezes e altera o humor gerando ainda mais raiva.

Nosso corpo é mágico e as sensações emocionais, sem sombra de dúvidas, se refletem diretamente no sistema biológico. Visto que, um corpo só funciona 100% se o intestino estiver bem cuidado. Quando este órgão está com seu funcionamento em desequilibro ou inflamado, são percebidos diversos transtornos emocionais, como desajuste de humor e até mesmo o tão famoso déficit de atenção. E em casos mais graves, são detectados sintomas intensos de depressão.

O intestino humano abriga, de forma natural, microbitas, micróbios que exercem influência no cérebro, modulando emoções e comportamentos. A explicação para a interferência está relacionada às substâncias químicas que estes liberam. Eles possuem a capacidade de atravessar a barreira de defesa do cérebro, modificando o funcionamento das células nervosas. Fazendo com que o sistema emocional entre em desequilíbrio. Mas, essa ação química não é a única responsável por essas alterações.

Já se sabe que, os micróbios intestinais conseguem modificar a atividade da inervação do sistema gastrointestinal e, desse modo, levam informações por via elétrica ao cérebro. As consequências são possíveis ataques de fúria, tristeza profunda, alterações de humor, apatia, desânimo, dores de cabeça e depressão.

Probióticos reduzem sintomas da depressão

Algumas terapias foram desenvolvidas para mudar essa biota, através de probióticos que reduzem os sintomas de depressão e provocam alteração emocional. Os probióticos são as bactérias do bem que atuam diretamente no sistema nervoso central e são responsáveis pela produção de neurotransmissores, como serotonina e dopamina.

Hormônios benéficos que atuam nas emoções, no comportamento e na imunidade, proporcionando ao indivíduo uma rotina mais saudável, estabilizando a regulação intestinal e evitando o surgimento de transtornos mentais.

Porém, os probióticos não atuam sozinhos, a associação destes à uma mudança alimentar e a frequência na terapia, pode promover o autoconhecimento e um melhor gerenciamento das emoções, que é fundamental para o sucesso do tratamento. Além disso, a ação anti-inflamatória favorece a digestão, reduz o estresse, melhora a qualidade do sono, reduz a ansiedade, diminui a tristeza e elimina a raiva.

Enfim, mais que um órgão de digestão, absorção e transporte de nutrientes, o intestino é considerado um órgão pensante com cerca de 500 milhões de células nervosas, sendo responsável pela regulação de várias funções em nosso organismo.

A importante relação entre os dois órgãos, cérebro e intestino, só reforça a necessidades de se manter hábitos de vida saudáveis, terapia e uma alimentação diversificada e equilibrada, como forma de manter o bom funcionamento do nosso organismo, bem como prevenir diversas doenças.

 Cuidar das emoções e ter ferramentas para o gerenciamento da ansiedade e do estresse é fundamental para a melhora do intestino e promoção do equilíbrio emocional.

*Andrea Ladislau é pós-graduada em Administração Hospitalar e Psicanálise e doutora em Psicanálise Contemporânea. Possui especialização em Psicopedagogia e Inclusão Digital. É também graduada em Letras e Administração de Empresas, palestrante, membro da Academia Fluminense de Letras e escreve para diversos veículos. Na pandemia, criou no Whatsapp o grupo Reflexões Positivas, para apoio emocional de pessoas do Brasil inteiro.

Contatos: Instagram: @dra.andrealadislau / Telefone: (21) 96804-9353 (Whatsapp)

Andrea Ladislau colabora para a seção Palavra de Especialista toda quarta-feira. Dúvidas e sugestões para palavradeespecialista@vidaeacao.com.br.

Leia mais artigos de Andrea Ladislau

Caso Simony: Recebi um diagnóstico de câncer e agora?
Os impactos emocionais causados pela ausência da figura paterna
‘Daminha sincera’ viraliza no Tik Tok: e você, sabe ouvir seu filho?
A cultura do estupro que normaliza o abuso e a violência sexual no país
Dia do amigo: amizade saudável X saúde mental equilibrada
Violência obstétrica: a saúde mental da mulher afetada pelo parto traumático
Ator Marcelo Serrado expõe desafios ao enfrentar a Síndrome do Pânico
Klara Castanho: Estupro, múltiplas violências e linchamento virtual em meio à dor
Quando o ciúme deixa de ser saudável e se torna patológico
Mãe presa por negligenciar filhos pode estar em sofrimento psíquico
Carnaval também faz bem para o corpo e para a cabeça
Oscar da vergonha: a comédia acaba onde começa a dor do outro
Você também sofre com a Síndrome da Mulher Maravilha?
Somatização: o grito de socorro da mente refletido no corpo físico
Body Checking: quando o espelho vira um aliado da neurose
Ômicron: como lidar com a positividade que ninguém quer?
O ano termina, nasce outra vez… e o que você fez ou vai fazer?
O legado emocional e afetivo deixado pela pandemia
Felipe Neto e a Síndrome de Burnout associada à depressão
Borderline: a linha tênue entre a euforia e a depressão
Como o câncer de mama impacta a saúde emocional
Entenda a importância da terapia na prevenção do suicídio
Nomofobia: quando a conexão virtual vira síndrome
Síndrome do Pensamento Acelerado: uma nova epidemia
Cancelamento: que cultura é essa que nos dá autoridade para julgar alguém?
Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!
Shares:

Related Posts

2 Comments

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *