Idosa desaparecida reencontra família em hospital após ser atropelada

Divina, 71 anos, que sofre de esquizofrenia, desapareceu na quarta-feira de Cinzas e foi encontrada 48km de distância, em hospital de Niterói 

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

O desespero da família de Divina Margarida da Silva Valim, 71 anos, teve um final feliz no início da tarde desta segunda-feira (19/02). Com a ajuda da equipe de assistentes sociais do Hospital Estadual Azevedo Lima (Heal), no Fonseca, em Niterói, a idosa que estava desaparecida desde a quarta-feira de cinzas (14/02) reencontrou a família. Ela foi internada no Heal no domingo (18/02), depois de ser atropelada no centro de Niterói e socorrida pelo Corpo de Bombeiros.

Divina, que tem esquizofrenia, saiu da casa da filha, em Padre Miguel, na Zona Oeste do Rio, e estava sendo procurada pelos parentes. Ela chegou ao hospital sem documentos e sem saber informar nomes e contatos de parentes. A idosa foi encontrada a 48 quilômetros de distância, graças à busca ativa feita pelos funcionários do Núcleo de Acolhimento à Família (NAF) da unidade hospitalar.

Ela sofreu escoriações leves no joelho e cotovelo. Deu entrada com confusão mental e sem documentos e, inicialmente, não soube informar onde morava e não tinha o contato de parentes. Após abordagem dos psicólogos e assistentes sociais, ela respondeu a algumas perguntas que se tornaram as primeiras pistas para localizar os familiares.

O reencontro da idosa com as filhas Damares Valim, 32 anos, e Fernanda Valim, 43, emocionou enfermeiros e funcionários do hospital. Divina chorou muito ao rever as filhas e disse que não lembrava como chegou em Niterói. “Estou muito feliz de poder ir para casa de novo. Não sei como cheguei aqui, só sei que não desejo que ninguém passe pelo que passei”, afirmou Divina, que saiu da casa de Damares e não soube como voltar.

“Acredito que ela tenha surtado, estava muito agitada nos últimos tempos. Saiu sem a gente perceber e não voltou. Ficamos desesperados. Procuramos em todos os hospitais do Rio, fomos ao IML e fizemos boletim de ocorrência. Como o programa de desaparecidos do disque-denúncia postou a foto dela na rede social, recebemos muitas informações desencontradas. Hoje, quando a assistente social do Azevedo Lima entrou em contato, tivemos certeza de que era ela. Graças a Deus a encontramos bem”, disse a filha.

A família da idosa foi encontrada pelo NAF, setor subordinado ao Serviço Social do Heal. O funcionário Pedro Rodenbusch explica que, a partir das informações prestadas por pacientes como Divina, a busca ativa é iniciada com pesquisas em diversos bancos de dados públicos. Entre eles, estão Portal da Transparência, Cadastro Único do SUS, Cadastro Único do Sistema Único de Assistência Social (SUAS), e canais oficiais, como Detran e Delegacia de Paradeiros.

Também é feita pesquisa por meio das redes sociais e na internet, usando ferramentas como Google Maps e Google Street View. Foi nesta última plataforma que Pedro localizou um salão de beleza bem próximo à residência da família de Divina. “Ligamos para o estabelecimento e uma pessoa avisou às filhas que a idosa estava internada no Heal e vieram buscá-la”, contou Pedro.

Acolhimento 24 horas

O Núcleo de Acolhimento à Família do HEAL funciona 24 horas e está localizado no setor de emergência da unidade. Atua com uma equipe multiprofissional formada por assistentes sociais, psicólogos e auxiliares administrativos. O setor oferece orientações sobre os direitos dos pacientes, informações sobre a instituição e a busca ativa por informações de pacientes sem identificação, sem condições de abordagem e conduzidos sozinhos por ambulâncias após sofrerem algum tipo de trauma.

“Atuamos na promoção da garantia de direitos dos pacientes, que chegam sem identificação, mas que possuem uma história. Nosso objetivo é buscar o retorno desse paciente à convivência familiar, a partir da escuta qualificada e da busca ativa. Temos uma equipe de referência para prestar essa assistência humanizada”, explica a responsável técnica do Serviço Social e do NAF, Cleide Cruz

Fonte: SES-RJ

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

You may like

In the news
Leia Mais
× Fale com o ViDA!