Esta da foto é minha avó Jandira, agora com 92 anos. É claro que ela tem rugas e hoje caminha com uma certa dificuldade. Vira e mexe esquece umas coisinhas (quem nunca?). Mas cada uma de suas rugas carrega um pouco de sua história: nove filhos, 28 netos, 29 bisnetos, quatro tataranetos… E a saúde, ainda que não seja 100%, está bem acima do padrão imaginado para a expectativa de vida dos idosos de sua geração. Neste Dia dos Avós (26 de julho), Vida & Ação traz uma série de matérias sobre envelhecimento saudável.

Nesta, mostramos como é possível chegar aos 80, 90 ou 100 anos com mais qualidade de vida. Afinal, pesquisas indicam que o ser humano tem potencial biológico para viver até 130 anos, porém, fatores como sedentarismo, fumo e estresse reduzem a expectativa de vida. O desafio, portanto, é focar nas atividades positivas e adquirir uma rotina de bons costumes para viver cada vez mais e melhor.

De acordo com especialistas, a genética é responsável por 35% do envelhecimento, enquanto fatores externos representam 65%. Ou seja, os hábitos e os estilos de vida influenciam diretamente na longevidade e na qualidade da saúde na terceira idade. O estresse, um dos grandes males atuais, reduz a produção de endorfina, o hormônio do bem-estar, contribuindo para maus hábitos de vida.

Um indivíduo estressado busca meios para relaxar, e, muitas das vezes, encontra o prazer no cigarro, na bebida e no consumo de exagerado de alimentos pouco saudáveis. Além disso, as pressões do dia a dia cooperam para o desenvolvimento da depressão. Problemas que irão impactar na idade mais avançada.

O segredo para a longevidade é a busca pela autonomia e a capacidade funcional. Ou seja, ter controle sobre sua vida, para tomar decisões pessoais sobre o que se deve viver diariamente, e manter as habilidades físicas e mentais. Aliado a isso, é aconselhável pôr em prática atitudes que irão possibilitar um envelhecimento saudável e garantir qualidade de vida tanto para agora quanto para o futuro”, afirma André Baião, geriatra do Hospital Caxias D’Or.

Outro fator preventivo são os avanços da Medicina, que possibilitam detectar e tratar precocemente alterações, cognitivas ou físicas, na rotina do paciente. Isso impede que as pessoas não desenvolvam tais problemas ao ponto de interromperem a vida. “ A medicina avançou não só no ponto tecnológico, como também na abordagem com os pacientes. Isso faz as pessoas viverem mais”, finaliza André Baião.

10 dicas para viver mais e melhor

– Não fumar e não ingerir bebida alcoólica em excesso;

– Optar por alimentação saudável, para evitar o excesso de peso e problemas de saúde;

– Praticar atividade física para manter a saúde dos ossos;

– Manter relacionamentos estáveis;

– Ter jogo de cintura para saber lidar com as situações de forma tranquila;

– Rastrear precocemente danos auditivos e visuais, de alteração de humor e de perdas cognitivas;

– Prevenir a deficiência nutricional;

– Prevenir o isolamento social;

– Prevenir a perda da autonomia e independência;

– Educação, para a pessoa ter consciência e clareza sobre o que é saudável para si.

Fonte: Caxias D´Or, com Redação

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!
Shares:

Related Posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *