E quando tudo acaba em pizza… como resistir?

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!
Preferida por muitos brasileiros, pizza pode ser mais light e deve ser consumida sem exagero
Preferida por muitos brasileiros, pizza pode ser mais light e deve ser consumida sem exagero

Nascida há seis mil anos no Egito (ao contrário de quem pensa que sua terra natal é a Itália), a pizza já é considerada uma queridinha do cardápio dos brasileiros, quase tanto quanto a dupla inseparável arroz e o feijão, só que com mais, digamos, “glamour”. Afinal, em torno dela, tem até ritual: muita gente curte sair pra comer uma pizza quase como um programa de família ou entre amigos, principalmente nos fins de semana!

Mas, apesar de popular, ela é considerada uma das piores inimigas das dietas. Nem sempre só pela massa, algumas vezes bem espessa, mas também pelo recheio. Será mesmo? Para esclarecer essa dúvida, o blog Vida & Ação ouviu dois nutricionistas para este domingo (10 de julho) em que se comemora no Brasil o Dia da Pizza.

Para Patrícia Cruz, nutricionista comportamental, pizza não é pecado: basta consumir com moderação e prestar atenção na frequência. Afinal, por conta de alguns de seus principais ingredientes – a farinha de trigo (carboidrato considerado um vilão na dieta) e os queijos (geralmente amarelos, ricos em gordura e sal), o prato pode acabar contribuindo para o ganho de alguns quilinhos se não for consumido com moderação.

Helton Finocchio, nutricionista funcional e esportivo da Clínica Andrea Santa Rosa, garante: “O mais importante é a quantidade e não o tipo de massa, por exemplo 50 gramas por pessoa, se há restrição calórica: 20 a 30 gramas”. Ele lembra que o tipo de massa consumida no Brasil é diferente da massa do mediterrâneo, onde o trigo foi alterado geneticamente.

Estudo recente relaciona o consumo de massas a uma redução da massa corporal (será mesmo?)
Estudo recente relaciona o consumo de massas a uma redução da massa corporal (será mesmo?)

Massa emagrece?

Boa notícia para quem ama massas. Um estudo publicado recentemente no periódico científico Nutrition and Diabetes  mostrou que o consumo regular de massa não estava ligado ao excesso, mas à redução de peso. A pesquisa associa as massas (macarrões e pizzas em geral) com um índice de massa corporal (IMC) mais baixo, menor circunferência do quadril e da cintura e redução no risco de obesidade.

Foram analisadas as dietas de 23 mil pessoas residentes em duas regiões da Itália. Cada participante precisava anotar tudo o que comia em uma espécie de diário. Depois, tinha que responder a uma entrevista por telefone sobre seus hábitos alimentares. Os pesquisadores compararam a quantidade de massa ingerida por dia com o IMC e as circunferências da cintura e do quadril de cada participante.

Quando e como comer

O número de vezes para se render à tentação vai depender muito do hábito alimentar diário. “Muitas pessoas se preocupam tanto em não consumir pizza. Mas acabam comendo durante a semana, massas com molho branco, preparações empanadas que são mais ricas em gordura, do que a pizza. Enfim, recomendo para os meus pacientes, uma vez por semana, de dois a três pedaços”, comenta Patrícia,

Mais ou menos calóricos 

Para deixar o prato mais saudável, Patricia recomenda optar por aquelas que combinam queijos mais magros como cottage, mussarela de búfala, verduras (escarola, rúcula) tomate, milho e brócolis. Alguns sabores com uma concentração menor de gordura são marguerita, cottage com tomate cereja, atum sem queijo e mussarela.  Já os sabores que merecem atenção redobrada são os ricos em queijos, quatro queijos, à moda, pastrami com catupiry, pois, geralmente, eles contam com um teor maior de calorias.

Pizza salgada x pizza doce

Entre a versão doce e a salgada, Patrícia recomenda a tradicional pizza salgada, que normalmente é servida como prato principal e não sobremesa como, geralmente, é o caso da pizza doce.

Atenção ao molho das massa

Quem pensa em emagrecer comendo massas deve ficar atento se o acompanhamento for extremamente gorduroso. No caso do macarrão, o ideal é combinar com proteínas magras como frango, também pode colocar molho à bolonhesa. “Evite molhos brancos, que são mais gordurosos, e dê preferência ao molho de tomate natural, não industrializado, mas sempre prefira massa sem molho, só no azeite e alho”, recomenda Helton.

 Colaboração: Raquel Garcia e Carolina Croccia

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

You may like

In the news
Leia Mais
× Fale com o ViDA!