Dores no corpo aumentam no inverno: como se proteger

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

dores

Além de garganta raspando, nariz com coriza e pele ressecada, quando a temperatura diminui, as queixas de dores pelo corpo aumentam bastante, principalmente nas regiões lombar e cervical. O tempo mais frio é ainda velho conhecido dos pacientes que sofrem de doenças reumáticas, como artrite e artrose. Por mais que as dores possam acometer todos os tipos de pessoas, é importante que pacientes com problemas nas articulações tomem ainda mais cuidado.

No inverno, essas inflamações já existentes tendem a se agravar e, além disso, pessoas em período pós-operatório, com patologias nevrálgicas e que estiveram gripadas também podem sofrer com crises agudas de dores, já que, a tosse e os resfriados exigem muito da musculatura da coluna.

“Observamos essa queixa dos pacientes de sentirem mais dores durante o inverno, apesar de não haver comprovação científica. Os que mais reclamam são os idosos e os reumáticos. A indicação para estes pacientes é que não fiquem parados e realizem atividade física regularmente. A atividade é fundamental!”, esclarece o ortopedista Marcello Serrão.

Patrícia Prieto, fisioterapeuta e proprietária da clínica Espaço Pathrícia Prieto, em São Paulo, explica que para se proteger do frio, durante o inverno é comum ver as pessoas cada vez mais encolhidas e com o corpo numa posição de “fechamento”. Isso ocorre por uma deficiência no suporte sanguíneo e causa, queda no metabolismo, encurtamento das fibras musculares, limitação articular e alterações biomecânicas e posturais, o que acaba por dificultar alguns movimentos naturais do corpo. Todos esses fatores são responsáveis pelo aumento das dores cervicais.

Muitas pessoas também sofrem neste período com o retorno das dores no braço, punho e ombros diagnosticadas como tendinite. O presidente do Instituto de Tratamento da Coluna Vertebral, Helder Montenegro, explica que isso acontece devido ao aumento da rigidez dos tendões e dos tecidos no frio. “No frio, ocorre diminuição do aporte sanguíneo para os vasos e, consequentemente, para os tecidos. Com isso, os músculos podem ficar mais tensos, em consequência os tendões ficam mais rígidos, portanto podem dificultar ainda mais a locomoção deles no movimento, facilitando o processo degenerativo e aumentando a dor”.

Mas engana-se quem pensa que não há o que fazer antes de tomar medicamentos para aliviar o desconforto. Existem também alguns cuidados que podem ser tomados dentro de casa e são capazes de diminuir desconfortos e o aumento das dores. Especialistas ouvidos pelo Blog Vida & Ação dão dicas para combater o desconforto provocado pelas doenças reumáticas no inverno. “A principal dica é a prática de exercícios físicos regulares para promover aquecimento da musculatura e melhorar o aporte sanguíneo”, ressalta Montenegro. Para prevenir as dores nos tendões quando a temperatura abaixa, Entre as recomendações, aumentar o consumo de água.

Confira algumas delas:

1 – Praticar exercícios físicos

Membro da Sociedade Brasileira de Ortopedia, o médico Marcello Serrão indica a atividade física como principal aliada para os pacientes que sofrem destas doenças. “A atividade física aumenta a força muscular sobre os ossos, sendo um estímulo fundamental para a manutenção e o aumento da massa óssea. Os exercícios físicos devem ser realizados de forma regular três vezes por semana, com intervalo entre as sessões de 24 a 48 horas”, ressalta.

Segundo ele, é muito importante que esses exercícios sejam realizados com o paciente suportando o seu próprio peso, em função da força que os músculos exercem sobre os ossos da coluna e dos membros inferiores. A massa óssea é relacionada à ação da musculatura sobre o osso, deste modo, exercícios gravitacionais são mais efetivos.

Um programa ideal de atividade física deve ter exercícios aeróbios de baixo impacto, exercícios de fortalecimento muscular, a fim de diminuir a incidência de quedas. Os exercícios com pesos leves aumentam a massa muscular e a força dos músculos esqueléticos.  Dr. Marcello lembra ainda que a diminuição da força do quadríceps é um risco para ocorrência de fraturas do quadril.

2 – Manter-se aquecido

“É importante fazer todo o possível para manter o corpo aquecido, principalmente nas extremidades, evitando ao máximo que o nosso organismo sofra com as alterações climáticas e, consequentemente, posturais”, diz Patrícia. Segundo ela, atividades físicas e banhos com água quente podem ajudar nesta questão, mas, também, é necessário evitar tomar golpes de ar frio.

3 – Consumir alimentos termogênicos

Patrícia Prieto, fisioterapeuta e proprietária da clínica Espaço Pathrícia Prieto, em São Paulo, reforça que o consumo de gengibre, pimenta e outros alimentos capazes de aquecer o corpo podem ajudar a manter a temperatura.

4 – Preferir tratamentos alternativos a medicamentos

Patrícia explica que os tratamentos mais utilizados são as terapias posturais, a cinesioterapia, massagens e acupuntura com moxas e ventosas, que melhoram a circulação do sangue e aceleram o metabolismo.

“Se for necessário, o paciente pode lançar mão de fisioterapia para mobilizar a articulação, evitando deixá-la rígida. Além disso, pode fazer uso de calor local, principalmente na musculatura. Já na articulação, há que se ter mais cuidado com o calor. Se a região estiver com inchaço ou derrame este procedimento deve ser evitado. Caso nada disso resolva, será necessário lançar mão de medicação receitada pelo médico”, ensina.

5 – Aumentar o consumo de água

Para prevenir as dores nos tendões quando a temperatura abaixa, Helder Montenegro dá dicas para quem costuma sofrer com o desconforto. Entre as recomendações, aumentar o consumo de água. “É importante se manter aquecido. Beber água também é indicado mesmo nesses dias frios para manter os tecidos hidratados”, informa o fisioterapeuta Montenegro.

6 – Repouso e anti-inflamatório para tendinite

De acordo com Montenegro, a tendinite é a inflamação do tendão muscular e está relacionada há esforços ou uso excessivo de alguma articulação. Em profissões em que são exigidos movimentos repetitivos, por exemplo, o da digitação, os riscos de desenvolvimento em longo prazo da inflamação são maiores. Quando não cuidada adequadamente, a tendinite pode tornar-se um problema crônico. Os sintomas da tendinite, geralmente agravados no frio, são presença de dor no local, que pode irradiar para toda musculatura ao redor e, em muitos casos, inchaço e presença de vermelhidão. O tratamento é feito com o repouso da área e o uso de medicamento anti-inflamatório.

“Quando o paciente é diagnosticado com tendinite, ou seja, a inflamação está presente, medidas anti-inflamatórias e analgésicas podem ser utilizadas, como medicamentos e alguns recursos fisioterapêuticos, por exemplo, compressas de gelo. No caso de quadro de tendinose, quando o tendão encontra-se debilitado pode ocorrer a sua ruptura completa até mesmo com pequenos esforços.  Para liberar o tendão o uso de técnicas manuais de fisioterapia , bem como alongamentos e exercícios de fortalecimento muscular podem tratar o problema”, orienta.

Fonte: Espaço Pathrícia Prieto, Marcello Serrão e Instituto de Tratamento da Coluna Vertebral

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

You may like

In the news
Leia Mais
× Fale com o ViDA!