Mulher que faz sexo com mulher vai menos ao ginecologista

Alerta no Dia do Orgulho LGBTQIA+: 76% das mulheres realizam consultas ginecológicas todo ano; percentual cai pra 47% entre mulheres lésbicas

Palácio Pedro Ernesto, sede da Câmara Municipal do Rio, é iluminado pelo Dia do Orgulho LGBTQIA+ (Foto: Divulgação)
Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

O Dia Internacional do Orgulho LGBTQIA+ é celebrado em todo o mundo neste 28 de junho e chama atenção para diversas questões do universo de lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais, queer, intersexuais, assexuais e outro/as. Uma delas é o acesso à saúde, que se configura um desafio ao bem-estar para boa parte desta população. A Febrasgo (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia) elenca os principais pontos de atenção à saúde ginecológica de mulheres lésbicas e bissexuais cisgênero e de homens transgênero.

De acordo com dados de uma pesquisa feita pela Febrasgo, 76% das mulheres (independente de sua sexualidade) realizam consultas ginecológicas anualmente.  Ao considerar somente as mulheres que fazem sexo com mulheres (MSM), esse percentual cai para 47%, de acordo com o relatório Atenção Integral à Saúde das Mulheres Lésbicas e Bissexuais, do Ministério da Saúde (MS).

A ginecologista Lucia Alves da Silva Lara, presidente da Comissão Nacional Especializada em Sexologia da Febrasgo, faz um alerta importante:

“A mulher, independentemente da sua orientação sexual, precisa ir regularmente ao ginecologista para orientações de saúde, bem como para prevenção dos danos relacionados com comportamento sexual de risco. Ir ao ginecologista uma vez a cada ano é suficiente para que se tenham orientações e cuidados específicos para cada demanda da mulher’”.

Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs)

As ISTs podem surgir pela ação de vírus, bactérias ou protozoários — caso da sífilis, gonorreia, HIV, HPV, hepatites, herpes, tricomonas. A falsa crença de que mulheres homo e bissexuais e homens trans estão menos propensos a infecções sexualmente transmissíveis prejudicando a prevenção de saúde dessas pessoas.

A médica da Febrasgo faz uma alerta para prevenção dessas doenças “o contágio pode ocorrer por proximidade com pele na presença de lesões genitais, contato entre mucosa oral, anal e vaginal, contato com fluidos vaginais e com o sangue mestrual. E também pelo uso de acessórios sexuais compartilhados sem barreira de proteção, que são responsáveis pela transmissão de agentes infecciosos”.

A Dra. Lucia completa: “a utilização de dildos, outros objetos sexuais, sex toys, sem a proteção, seja de condon ou qualquer outro método de barreira, podem transmitir alguma infecção. Também vale atenção, para algumas práticas sexuais não protegidas que podem aumentar o risco de hepatites, HIV, herpes, entre outras”.

Leia mais

Dia do Sexo: dicas de livros para apimentar a data
Sexo: o que mudou no pré e pós pandemia
Sexo faz bem pra pele e pros cabelos: veja mitos e verdades
Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

You may like

In the news
Leia Mais
× Fale com o ViDA!