‘Jardim do Doador’ eterniza ato de famílias de doar órgãos

Psicólogo teve ideia de criar jardim para confortar famílias que decidem doar órgãos de parentes. Já são 2 hospitais no Rio com jardins de doadores

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

O passo principal para que órgãos e tecidos sejam doados após a morte é conversar com a família e deixar claro o desejo de ser doador. A doação só ocorre mediante a autorização dos parentes próximos. Rins, pâncreas, córneas, válvulas cardíacas, pele, osso, coração, esclera (o branco do olho), pulmão e fígado são possíveis de serem transplantados. As histórias de famílias que doaram órgãos de parentes ganham materialidade e simbolismo nas mudas plantadas nos jardins.

Em 2013, o psicólogo Luiz Antônio da Silva teve a ideia de criar um jardim para acolher e confortar famílias que decidem doar órgãos de parentes. Assim surgiu o Jardim do Doador do Hospital Estadual Alberto Torres (HEAT), em São Gonçalo. Por meio do plantio de mudas de jasmim, o projeto busca transmitir a mensagem de que a doação, da mesma forma que as plantas, pode dar frutos e flores. A iniciativa inspirou a abertura, na última sexta-feira (23), do Jardim do Doador de Órgãos do Hospital Estadual Roberto Chabo, em Araruama.

“Quando uma família diz ‘sim’ à doação de órgãos, ela proporciona uma segunda chance de vida para outras pessoas. E para eternizar esse ato de amor, foi criado o jardim. É um espaço reservado para as famílias, simbolizando a coragem que elas tiveram ao decidir pela doação de órgãos. É um espaço onde a sociedade pode se afagar e se alentar, num momento tão complexo para todos nós”, diz o psicólogo.

Para a técnica de enfermagem Renata de Oliveira, de 46 anos, visitar a muda de jasmim plantada no espaço em São Gonçalo, há cerca de um ano, por ela, pelas duas filhas e pela neta, é uma oportunidade de se sentir em contato com o filho Pedro. Ela conta que a iniciativa da doação de órgãos partiu dela, que recebeu apoio e acolhimento da equipe do hospital quando o filho morreu após um acidente de moto, em agosto de 2021.

“Com seus órgãos, ele salvou oito vidas e, com a pele, ajudou umas 50 pessoas. É a continuação da vida. Ele não está mais com a gente, mas sabemos que ainda está fazendo o propósito dele, porque todos nós temos um propósito na vida. É aquela sensação de que a vida continua. A consciência de que ajudamos outras famílias”, disse Renata, que ficou emocionada ao ver o pé de jasmim crescido depois de 12 meses.

Retomada dos transplantes aos patamares anteriores à pandemia

Setembro encerra com o verde da esperança, com a retomada dos transplantes aos patamares anteriores à pandemia no Estado do Rio de Janeiro. De janeiro a julho deste ano, já foram realizados 1.528 transplantes, o que corresponde a 61,5% do total feito em 2019. De janeiro a julho de 2022, foram realizados 1.528 transplantes, sendo 491 órgãos sólidos, 102 de medula óssea, 308 de córnea, 55 de esclera e 572 tecidos músculo esqueléticos.

Em todo o ano de 2021, foram 2.468 transplantes, número superior ao registrado em 2020, que fechou em 1.936, o mais baixo da série, especialmente após a recomendação do Ministério da Saúde para adoção de critérios mais rigorosos para evitar o contágio do coronavírus. Em 2019, 2.481 transplantes foram registrados.

Com o objetivo de diminuir o tempo de espera e potencializar o número de doações, a campanha Setembro Verde, alusiva ao Dia Nacional da Doação de Órgãos, comemorado nesta terça-feira (27), vem promovendo ações de conscientização. Entre elas, a iluminação em verde do Monumento ao Cristo Redentor, na noite desta terça-feira (27).

Novos centros transplantadores no estado

O Programa Estadual de Transplantes, vinculado à Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro, é responsável por todo o processo de doação e transplantes de órgãos, além de capacitação da rede de apoio, tornando-se referência no país. Para isso, segundo a SES, foram adotadas estratégias como credenciamento de novos centros transplantadores, treinamento de equipes transplantadoras, capacitação para melhorar o acolhimento às famílias enlutadas e a sensibilização da população para a doação de órgãos.

O programa investiu, ainda, na implantação de três Coordenações Intra-Hospitalares de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes com dedicação exclusiva, que funcionam no Hospital Estadual Getúlio Vargas, no Hospital Estadual Alberto Torres e no Hospital Adão Pereira Nunes. Além disso, há 80 comissões instituídas em outros hospitais públicos e privados.

Esta iniciativa proporcionou um contato direto entre os médicos que cuidam de possíveis doadores e os familiares desses pacientes. As medidas fizeram com que o estado saísse dos últimos lugares do ranking nacional para ocupar as primeiras colocações, ocupando atualmente o terceiro lugar em doação em número absoluto no país.

Mais informações podem ser obtidas pelo Disque Transplante 155.

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

You may like

In the news
Leia Mais
× Fale com o ViDA!