Eu passarinho, tu passarinhas, eles passarão…

Verbo passarinhar é conjugado por milhões de pessoas em todo o mundo. Avistar Rio, no Parque Nacional da Tijuca, reúne admiradores de pássaros neste fim de semana

Avistar Rio 2018 Grupo de observadores de pássaros em ação: tem toda uma técnica para praticar o 'esporte' (Foto: Divulgação)
Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!
Leucochloris albicollis_bruno_renno
Leucochloris albicollis é uma das 1.900 espécies de pássaros existentes no Brasil (Foto: Bruno Renno)

“Todos esses que aí estão / Atravancando o meu caminho, / Eles passarão…/ Eu passarinho!”… O ‘Poeminho do Contra’, de Mário Quintana, ajuda a ilustrar este post. Afinal, para milhões de pessoas mundo afora, o verbo passarinhar” existe e é muito conjugado.

A prática de birdwatching como turismo começou na década 60. Os ingleses destacam-se na observação, mas o interesse entre os brasileiros tem crescido cada vez mais. Hoje, são cerca de 30 mil observadores em todo o país. Segundo o Ministério do Turismo, o Brasil tem mais de 50 destinos de ecoturismo que promovem a observação de pássaros.

Um desses destinos é o Parque Nacional da Tijuca onde centenas de pessoas vão se reunir para contemplação dos pássaros em seu habitat natural neste final de semana no Centro de Visitantes Paineiras para a sexta edição do Avistar Rio. 

O maior encontro da área no país reúne pesquisadores, gestores ambientais, artistas plásticos, fotógrafos e entusiastas da causa animal com o objetivo de estimular a atividade de observação e fotografia de aves e a visitação pública consciente dos parques nacionais, além de celebrar a biodiversidade.

Rio tem um terço das 1.900 espécies do país

A rica biodiversidade brasileira estimula a observação de aves em seus habitats no país. Além de ser prazeroso ver e escutar os pássaros, o birdwatching (como a atividade é conhecida no exterior) ainda propicia um trabalho relevante de educação e conservação”, destaca Fernando Sousa, diretor Institucional e Sustentabilidade do Grupo Cataratas. O grupo é responsável pela gestão de visitação dos Parques Nacionais da Tijuca, do Iguaçu e do Parque Marinho de Fernando de Noronha.

O Estado do Rio de Janeiro registra mais de um terço das mais de 1.900 espécies de aves de todo o território nacional. O Brasil é o segundo país em diversidade de aves no planeta, ficando atrás apenas da Colômbia. 

Temos o potencial de chegar a 100 mil adeptos da atividade, se incluirmos as diferentes modalidades que fogem ao escopo tradicional de turismo, como o feedwatchers, categoria em que se enquadram as pessoas que mantém comedouros de pássaros “, observa Guto Carvalho, coordenador do Avistar Brasil.

Sobre a passarinhada no Rio

Um dos momentos mais aguardados, as passarinhadas” prometem entusiasmar o público que estiver presente no evento. Marcadas às 7h, do sábado dia 10, e domingo, dia 11, elas poderão proporcionar a observação de cerca de 260 espécies de pássaros que vivem no setor de floresta do Parque Nacional da Tijuca.  O ponto de encontro será o alpendre do Centro de Visitantes Paineiras e a observação será feita nas trilhas que ficam próximas.

Organizado pela Associação dos Fotógrafos da Natureza (AFNatura), Instituto Estadual do Meio Ambiente (Inea) e Avistar Brasil, o encontro terá palestras e oficinas, além de exposição fotográfica.  Representantes do Grupo Cataratas, do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), de organizações sociais como Save Brasil, COA-RJ e do Espaço Silvestre, pesquisadores e observadores já estão confirmados para as palestras e mesas redondas.

Dicas para observar aves

Confira algumas dicas para ficar de olho nessas preciosidades que habitam as matas:

  • Caminhar lentamente;
  • Usar roupas discretas;
  • Evitar movimentos bruscos;
  • Respeitar a distância mínima permitida para que o animal não se sinta ameaçado;
  • Usar binóculo ou uma câmera fotográfica;
  • Associar-se a um clube de observadores de aves;
  • Participar de comunidades online, como WikiAes (www.wikiaves.com.br);
  • Observe as aves diurnas ao amanhecer e, as noturnas, ao entardecer.

Fonte:  Parque Nacional da Tijuca, com Redação

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

You may like

In the news
Leia Mais
× Fale com o ViDA!