Cannabis: avanços em tratamento chegam a evento de tecnologia no Rio

Conferência Health Tech no Rio Innovation Week traz debate sobre a medicina canabinoide. Em novembro, acontece o WeCann Summit em Campinas

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

Pesquisas científicas vêm tentando cada vez mais comprovar a segurança e o potencial terapêutico do uso da cannabis medicinal no manejo dos mais variados tipos de doenças, como epilepsia, esclerose múltipla, autismo, Alzheimer, Parkinson, além de dor crônica e sintomas frequentemente associados ao câncer, como náuseas, vômitos, inapetência e, ainda, outros problemas que também atingem a qualidade de vida de milhares de pessoas, como a insônia e a ansiedade.

Com isso, a demanda de pacientes vem seguindo crescimento exponencial no Brasil: neste ano, entre janeiro e junho, foram 66.159 autorizações para importações de medicamentos concedidas pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). O aumento é de 95% em relação ao mesmo período de 2022, isso sem contar o volume cada vez maior de pacientes que já compram os produtos diretamente em farmácias de todo o Brasil.

De acordo com o neurologista Gabriel Micheli, gerente médico da farmacêutica brasileira Health Meds, apoiadora da Rio Innovation Week, a medicina canábica vive hoje um segundo momento, de aprofundamento da pesquisa e desenvolvimento de fórmulas mais sofisticadas, destinadas a tratamentos específicos. “São mais de 140 canabinóides identificados na planta”, diz ele.

Por conta disso, o tema não poderia ficar de fora da maior conferência global dedicada à inovação, tecnologia e negócios, que acontece no Rio de Janeiro, entre 3 e 6 de outubro. A Rio Innovation Week vai abordar o uso da maconha com grau farmacêutico para fins medicinais, além de políticas publicas, um tema urgente para evolução deste mercado em expansão no Brasil. A Conferência Health Tech, que acontece durante o evento, traz, entre outros debates, o painel Cenário da Cannabis no Brasil e Mundo’, nesta quarta-feira (4), às 15h.

Além de Gabriel Micheli, da Health Meds, o debate reúne Renata de Freitas, diretora do Instituto Nacional do Câncer (Inca) – Hospital do Câncer IV – Unidade de Cuidados Paliativos; Alex  Lucena, CIO da The Green Hub; e Paula Dall’Stella, fundadora da Sativa global education. Outros painéis sobre a medicina canabinoide também estão em pauta na conferência, que acontece das 10h às 19h, no Píer Mauá (Av. Rodrigues Alves 10 – Centro). Veja mais detalhes da programação aqui.

Leia mais

Cannabis para sintomas de Parkinson só para uso off-label
Eduardo Suplicy adere à cannabis para vencer o Parkinson
Reumatologistas alertam sobre cannabis em doenças com dor crônica

Uso de canabinoides raros com efeito sedativo

Apoiadora do Rio Innovation Week desde a primeira edição, a Health Meds está presente na  para troca sobre ciência, pesquisa e a regulamentação da medicina canabinóide. Em janeiro deste ano, em parceria com a Hospital Israelita Albert Einstein, reconhecido como o melhor hospital da América Latina, a indústria iniciou uma pesquisa inédita no mundo sobre o uso dos derivados da Cannabis (canabidiol 133mg + canabigerol 66mg + tetraidrocanabinol – THC), no tratamento de enxaqueca crônica.

A pesquisa com 110 pacientes é liderada por Alexandre Kaup, neurologista do Einstein e também observa o uso de analgésicos no período e o comportamento das comorbidades comuns a esses pacientes, como transtorno de ansiedade e distúrbios do sono. O estudo comparativo com placebo busca avaliar o desempenho das substâncias na redução da frequência, intensidade e duração das dores e nas comorbidades que afetam o bem-estar dos pacientes.

O neurologista Flávio Henrique Rezende da Costa, diretor de Pesquisa e Desenvolvimento da Health Meds, faz parte desse movimento de pesquisa aprofundada com os chamados “canabinóides raros”. Ele é um dos responsáveis pela primeira formulação com fitocanabinóides totalmente focada na insônia.

“No desenvolvimento desse produto inédito utilizamos três canabinóides raros com efeito sedativo: o canabigerol (CBG), o canabinol (CBN) e o Canabicromeno (CBC), todos sem psicoatividade. Dessa forma, o medicamento é mais tolerável e tem baixíssimas chances de causar dependência ou efeitos colaterais”, explica o médico.

O neurologista Gabriel Michelli diz que a formulação, inédita no mercado, não possui THC e nem CBD e já é a mais usada nesta terapia para insônia. O medicamento também inclui terpenos, extraídos da própria planta da cannabis, substâncias que incorporam ao produto odor e sabor de frutas e vegetais.

“Eles criam uma ação sinérgica na composição, o chamado ‘efeito entourage’, que potencializa o poder sedativo dos canabinóides – a marca detém o produto com a maior concentração de terpenos do mercado, 2,5%”.

Médicos poderão aprofundar conhecimentos em cannabis medicinal, em evento científico

A neurocirurgiã Patricia Montagner, fundadora da WeCann Academy, comunidade internacional e centro de formação em Medicina Endocanabinoide, ressalta que as constantes evidências científicas em torno dos benefícios da cannabis medicinal colocam a Medicina diante de um potencial farmacológico disruptivo. “Diante do cenário de crescimento da indústria canabinoide no Brasil, o aprofundamento médico se faz cada vez mais necessário para contribuir com os avanços”, diz.

Patrícia é idealizadora do WeCann Summit 2023, que acontece nos dias 24 e 25 de novembro, no Royal Palm Hall, em Campínas (SP), para compartilhar conhecimento técnico com embasamento científico sobre o uso medicinal da cannabis, visando quebrar paradigmas na comunidade médica e ampliar o acesso seguro e assertivo às terapêuticas baseadas no sistema endocanabinoide.

Em dois dias de imersão, serão mais de 30 palestras com a presença das maiores referências nacionais e internacionais no assunto, participação de mais de 1.500 médicos, além de feira de exposições, com a apresentação das principais empresas e indústrias do mercado.

A especialista lembra que, no entanto, em meio a uma avalanche de informações equivocadas e enviesadas, existem milhares de pacientes que estão usando produtos à base de cannabis sem a orientação adequada de seu médico assistente.

“E pior, muitas vezes, usam sem indicação e acompanhamento médico. A maioria desses pacientes são portadores de doenças crônicas e incapacitantes, e fragilizados por falhas sequenciais nos tratamentos convencionais, tentam usar derivados canabinoides de forma empírica, pouco segura e assertiva”, ressalta.

Patricia salienta que, mesmo que sem aprofundamento, todo e qualquer médico deve ter conhecimento mínimo nessa área para orientar e proteger o paciente. “Há questões equivocadas, com interesses nitidamente direcionados e precisamos nos unir para orientar a comunidade médica de forma ética e cientificamente apropriada”, conclui.

Mais sobre o WeCann Summit 2023

O evento será realizado em cooperação técnica com a IACM (International Alliance for Cannabinoid Medicines), sociedade científica de maior respaldo e credibilidade na disseminação do conhecimento sobre cannabis medicinal existente atualmente no mundo, sendo essa a primeira a iniciativa apoiada pela renomada instituição na América Latina.

Durante o WeCann Summit, também será apresentado o inédito Mapa de Evidências de Cannabis Medicinal, com o objetivo de facilitar o acesso completo e imparcial às evidências científicas disponíveis.

O estudo e análise do Mapa foi realizado em parceria com o Consórcio Acadêmico Brasileiro de Saúde Integrativa (CABSIN) e o Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde (BIREME), responsável pela democratização do acesso e uso de informação baseada em evidência científica da Organização Pan-Americana da Saúde e Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS).

As equipes técnicas da WeCann, CABSIN e BIREME/OPAS/OMS uniram esforços para atualizar a literatura científica sobre o uso medicinal da cannabis a fim de apoiar profissionais de saúde, tomadores de decisão e pesquisadores na construção de ações de saúde baseadas em evidências.

As vagas são limitadas e médicos de variadas áreas, além de acadêmicos de Medicina, podem se inscrever no site summit.wecann.academy.

Leia mais em nossa editoria Cannabis Medicinal

Com Assessorias

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

You may like

In the news
Leia Mais
× Fale com o ViDA!