Crescem pesquisas sobre potencial terapêutico de canabinoides

Fiocruz destaca número de pesquisas sobre potencial de canabinoides. Nota técnica trata do uso de canabidiol, entre outros

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

Nota técnica do Programa Institucional de Políticas de Drogas, Direitos Humanos e Saúde Mental da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), divulgada nesta quarta-feira (19), indica que um número crescente de pesquisas aponta para o potencial terapêutico de canabinoides, entre eles o canabidiol (CBD) e o delta-9-tetrahidrocanabinol (THC), para diferentes condições clínicas e enfermidades.

Segundo a nota, essas pesquisas apresentam diferentes níveis de evidência, ou seja, para cada condição existe, no presente momento, maior ou menor robustez científica que comprove a segurança e eficácia da aplicação terapêutica.

Os pesquisadores responsáveis pelo documento destacam que algumas pesquisas são conclusivas em apontar a segurança e eficácia dos canabinoides na redução de sintomas e melhora do quadro de saúde para dor crônica, espasticidade (distúrbio motor caracterizado pelo aumento do tônus muscular), transtornos neuropsiquiátricos e náusea, vômito e perda do apetite ligados ao tratamento com quimioterapia.

Além de detalhar evidências e referências técnicas sobre as condições de saúde, a nota técnica ainda reforça a necessidade de se avançar no desenvolvimento de pesquisas no Brasil, com a realização de estudos clínicos de diferentes condições, na capacitação de médicos e outros profissionais de saúde sobre o uso terapêutico da Cannabis e derivados.

“Isso permitirá que possam prescrever e tratar com mais confiança e conhecimento e também na regulação dos produtos à base de cannabis, para que sejam produzidos nacionalmente e distribuídos de forma segura e eficaz”, diz a Fiocruz.

Para os pesquisadores, “é indispensável assegurar uma regulamentação abrangente e eficiente, que viabilize a produção, prescrição e o acesso gratuito e universal, pelo Sistema Único de Saúde (SUS), a uma ampla gama de formas farmacêuticas da cannabis e derivados, sempre respaldadas por evidências sólidas de segurança e eficácia terapêutica”.

O objetivo do documento é oferecer subsídios técnicos para as instituições responsáveis pela legislação, regulamentação, pesquisa, produção, padronização, distribuição e uso da Cannabis e derivados para fins terapêuticos no Brasil e para a sociedade em geral.

Avanço de leis para acesso gratuito ao canabidiol medicinal

O ano de 2023 tem tudo para ser um marco na presença do canabidiol no Brasil. De um lado, vários estados do país estão aprovando leis para permitir acesso gratuito à população de baixa renda ao canabidiol medicinal – como ocorreu recentemente em São Paulo – e pesquisas para o desenvolvimento e uso do CDB. Do outro, novas farmacêuticas se movimentam para começar a vender o canabidiol e disputar espaço em um mercado com franco potencial de expansão.

Pioneira na produção e comercialização do CDB medicinal com autorização da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), a Prati-Donaduzzi vê com otimismo as mudanças no cenário para este ano. Referência na produção de medicamentos no Brasil, a farmacêutica com sede em Toledo (PR) pretende seguir competitiva neste mercado, mas ampliando investimentos em estudos para o uso do canabidiol em doenças do Sistema Nervoso Central (SNC).

“Estamos investindo muito para sermos referência em Sistema Nervoso Central nos próximos cinco anos. Assim como fizemos com o canabidiol, iremos levar à classe médica toda uma gama de produtos inovadores para realizar tratamentos diferenciados em patologias como epilepsia, depressão, ansiedade, autismo, entre outras”, explica Eder Fernando Maffissoni, diretor-presidente da Prati-Donaduzzi.

Para que estes planos sejam concretizados, ele aponta como um dos pilares o investimento contínuo da farmacêutica em pesquisa e inovação. A empresa agora realiza o estudo clínico fase III para a utilização do Canabidiol Prati-Donaduzzi no tratamento de epilepsia refratária, doença que atinge mais de 50 milhões de pessoas em todo o mundo.

“Nosso foco será o de levar a melhor informação possível aos profissionais de saúde e estamos fazendo isso por meio de educação médica cientifica, realizando diversos meetings online e presencial, e mantendo nossa participação nos principais congressos e feiras do setor. Além de continuarmos no desenvolvimento de novos produtos, sempre pautados pela evidência científica, que vem sendo o nosso posicionamento desde sempre”, afirma o executivo.

Fonte: Agência Brasil e Prati-Donaduzzi

Leia mais

Cannabis medicinal: conheça histórias de quem luta para ter o remédio
São Paulo terá medicamento à base de cannabis no SUS
Arlindo Cruz recorre a Cannabis para enfrentar sequelas do AVC
Restrição do CFM a cannabis medicinal provoca reações

 

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

You may like

In the news
Leia Mais
× Fale com o ViDA!