Você é hipocondríaco? Quando a preocupação com a saúde vira doença

Medo de ter ou de vir a ter doença leva a excesso no consumo de medicamentos. Psicanalista alerta que essa neurose precisa de tratamento

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

Por Andrea Ladislau*

Certamente, você conhece alguém que possui um medo constante e irracional de ter, ou de vir a ter uma doença grave. Qualquer alteração fisiológica incomoda esse indivíduo, pois tudo o que ele sente, remete a alguma doença em seu imaginário. São pessoas classificadas, no dito popular como hipocondríacos. Esta condição é relativamente conhecida. Os pacientes que sofrem deste mal estão sempre tentando encontrar alguma doença em seu corpo. O transtorno hipocondríaco ou transtorno de ansiedade de doença, como também é chamada, é uma neurose de doenças.

Sintomas comuns e sem muita relevância, são interpretados como sinais de que algo grave, potencialmente fatal ou degenerativo os acomete. A pessoa que sofre com essa condição tende a não se sentir confortável sociabilizando com outras. Um ambiente no qual as coisas não estão sob seu controle pode incomodar. E para não ficar se preocupando com isto o indivíduo volta a sua atenção para si mesmo. E todas as alterações fisiológicas lhe são mais perceptíveis. É uma espécie de tentativa de desvio de foco inconsciente.

Podemos citar alguns exemplos dessa estratégia psicológica que leva ao transtorno de ansiedade de doença: Uma dor no peito, ocasionada pela presença de gases contidos na caixa torácica, por exemplo, pode ser rapidamente relacionada a um ataque cardíaco, ou uma simples dor de cabeça vista como um indício de tumor cerebral. Para uma pessoa que não se foca nas doenças, estes detalhes passariam despercebidos. Mas para um potencial hipocondríaco não. Os sintomas existem, mas são amplificados e, de forma inadequada se faz a interpretação.

O agente causador desse transtorno pode ser, desde um trauma ou um susto a outros fatores emocionais como, a falta de atenção, a insegurança e a baixa autoestima. Normalmente, a pessoa que sofre tem uma tendência a estar sempre muito bem informado sobre as mais variadas doenças, sintomas e medicamentos. Ele usa com muita frequência os sites de pesquisas e buscas para aprender tudo. O que vai diferenciar e potencializar a hipocondria é o exagero com que essa preocupação se dá.

Devemos estar atentos a sinais como: frequência assídua em serviços de saúde e consultórios médicos; hábito constante de se automedicar; excesso de checkups e verificações da saúde; pessimismo e depressão em geral; não possuir um médico de referência e trocar de médico frequentemente; preocupação em tempo integral com doenças e modos de contração e sensação de grande ansiedade ao pensar sobre assuntos ligados a saúde, ficando em estado de angústia permanente.

Portanto, se você se sente desta maneira ou suspeita que algum parente ou amigo possa estar sofrendo desta condição, oriente e busque ajuda de um profissional de saúde mental. Com o tempo, se não tratada, a pessoa pode desenvolver outros tipos de transtornos como a depressão, ou mesmo problemas físicos e orgânicos, provocados pela ingestão excessiva de remédios e de intervenções terapêuticas. Se preocupar com a saúde é normal, mas quando essa preocupação te consome, o alerta deve ser acionado. Através de um tratamento psicológico adequado, o paciente recupera sua autoestima, elimina as neuroses e consegue equilibrar mente e corpo, atingindo o bem-estar com resultados mais favoráveis para a promoção de uma vida saudável.

Andrea Ladislau, doutora em Psicanálise, explica os transtornos que cancelamento pode causar (Foto: Divulgação)

*Andrea Ladislau é pós-graduada em Administração Hospitalar e Psicanálise e doutora em Psicanálise Contemporânea. Possui especialização em Psicopedagogia e Inclusão Digital. É também graduada em Letras e Administração de Empresas, palestrante, membro da Academia Fluminense de Letras e escreve para diversos veículos. Na pandemia, criou no Whatsapp o grupo Reflexões Positivas, para apoio emocional de pessoas do Brasil inteiro.

Contatos: Instagram: @dra.andrealadislau / Telefone: (21) 96804-9353 (Whatsapp)

Andrea Ladislau colabora para a seção Palavra de Especialista toda quarta-feira. Dúvidas e sugestões para palavradeespecialista@vidaeacao.com.br.

Leia mais artigos de Andrea Ladislau

Os impactos emocionais causados pela ausência da figura paterna
‘Daminha sincera’ viraliza no Tik Tok: e você, sabe ouvir seu filho?
A cultura do estupro que normaliza o abuso e a violência sexual no país
Dia do amigo: amizade saudável X saúde mental equilibrada
Violência obstétrica: a saúde mental da mulher afetada pelo parto traumático
Ator Marcelo Serrado expõe desafios ao enfrentar a Síndrome do Pânico
Klara Castanho: Estupro, múltiplas violências e linchamento virtual em meio à dor
Quando o ciúme deixa de ser saudável e se torna patológico
Mãe presa por negligenciar filhos pode estar em sofrimento psíquico
Carnaval também faz bem para o corpo e para a cabeça
Oscar da vergonha: a comédia acaba onde começa a dor do outro
Você também sofre com a Síndrome da Mulher Maravilha?
Somatização: o grito de socorro da mente refletido no corpo físico
Body Checking: quando o espelho vira um aliado da neurose
Ômicron: como lidar com a positividade que ninguém quer?
O ano termina, nasce outra vez… e o que você fez ou vai fazer?
O legado emocional e afetivo deixado pela pandemia
Felipe Neto e a Síndrome de Burnout associada à depressão
Borderline: a linha tênue entre a euforia e a depressão
Como o câncer de mama impacta a saúde emocional
Entenda a importância da terapia na prevenção do suicídio
Nomofobia: quando a conexão virtual vira síndrome
Síndrome do Pensamento Acelerado: uma nova epidemia
Cancelamento: que cultura é essa que nos dá autoridade para julgar alguém?
Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

You may like

In the news
Leia Mais
× Fale com o ViDA!