RJ sai na frente para conscientizar sobre o retinoblastoma

Alerj cria políticas para prevenção do retinoblastoma, câncer que afeta a visão de crianças. Entenda a doença que afeta filha de Tiago Leifert

Médica examina olho de bebê no conhecido teste do olhinho (Foto: ChameleonsEye / Shutterstock.com)
Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

A notícia recente de que Lua, de apenas 1 ano, filha dos jornalistas Tiago Leifert e Daiana Garbin, está se tratando de retinoblastoma, acendeu o alerta para a importância da conscientização sobre esse tipo raro de câncer que afeta a visão de crianças de até 5 anos e pode levar à cegueira e até à morte. Na semana passada, o Estado do Rio de Janeiro saiu na frente em defesa de mais informação, prevenção e tratamento precoce da doença. 

O projeto de lei nº 5288, da deputada estadual Adriana Balthazar (Novo), prevê a criação de um programa estadual de conscientização, incentivo ao diagnóstico precoce e  tratamento do retinoblastoma. Já o projeto de lei nº 5304, do deputado estadual Dionisio Lins (PP), inclui no calendário oficial a Semana Estadual da Conscientização sobre o Retinoblastoma (Secor), que deve ser realizada, anualmente, na semana do dia 7 de maio. Ambos os projetos foram publicados dia 2, no Diário Oficial do Legislativo.

Adriana Balthazar destaca o alto percentual de cura da doença (mais de 90%) quando diagnosticada precocemente. O texto determina que o ‘teste do olhinho’ seja realizado ainda na maternidade e refeito periodicamente nos primeiros anos de vida da criança. Pelo projeto de lei do deputado Dionisio Lins, o Poder Executivo fica autorizado a firmar convênios com instituições públicas e particulares para que sejam elaboradas campanhas publicitárias de divulgação e esclarecimento sobre a doença.

Entenda o câncer raro no olho de bebês

Esse tipo de câncer corresponde a 3% de todos os cânceres pediátricos, afetando um a cada 15 a 20 mil nascidos vivos ao ano. E, se detectado precocemente, pode ser curado em 90% dos casos. O retinoblastoma é o tumor maligno intraocular mais comum da infância, que afeta a retina – estrutura fundamental da visão, pois capta as imagens que enxergamos.

“A doença é genética, mas apenas 10% dos casos têm histórico familiar. Acomete crianças menores de 5 anos e pode se apresentar de duas formas: unilateral, atingindo um dos olhos – é o mais comum, responde a 2/3 dos casos e em idade média um pouco mais tardia ao diagnóstico, com cerca de 2 anos; e o bilateral, quando ocorre nos dois olhos, representando 1/3 dos casos e costuma ser identificado em bebês com idade média de um ano”, esclarece a oftalmologista pediátrica Marina Bernardes Leão, da Rede Mater Dei de Saúde BH.

Retinoblastoma pode ser detectado em fotos feitas com flash

O casal de jornalistas notou uma mancha esbranquiçada no olho da filha – esse é um dos sintomas de que algo não vai bem com a visão dos pequenos e pode ser observado pelos pais. Ao tirar uma foto com flash, se um dos olhos ou ambos ficarem com cor esbranquiçada ou amarelada é sinal de alerta.

Esse é o sintoma mais comum, está presente em até 80% dos bebês com retinoblastoma e é chamado de leucocoria ou ‘olho de gato’. Os retinoblastomas podem causar outros sinais, como estrabismo (presente em até 1/4 dos casos), tremor e vermelhidão persistente nos olhos. O uso do flash é muito simples, já que hoje todo mundo tem celular.

“A leucocoria pode indicar outras várias patologias. O retinoblastoma – que acometeu Lua, é a menos comum, mas a mais grave. Entre as outras doenças oculares que podem ser sinalizadas pelo “flash” estão a catarata congênita; infecção ou descolamento de retina; coloboma; opacidade de córnea; glaucoma congênito; grau elevado em um dos olhos; ceratocone; e outros tumores oculares”, diz a médica.

Segundo ela, “não basta achar estranho, é preciso encorajar os pais a confiar em suas suspeitas, comunicá-las ao pediatra e levar o bebê ao oftalmologista”.

Teste do Olhinho deve ser feito até dois anos

De acordo com Marina Leão, o retinoblastoma é um tumor que pode passar despercebido, pois o bebê ainda não se queixa e se adapta à redução da visão, muitas vezes compensando com o outro olho, o que pode atrapalhar que a doença seja detectada no início. Por isso, ela diz que o melhor meio de verificar alterações visuais em crianças pequenas é a prevenção, que se inicia com o Teste do Olhinho no nascimento – feito em qualquer hospital, privado e público, inclusive em todos do Sistema Único de Saúde (SUS).

Além disso, é recomendado ao pediatra que repita o Teste do Olhinho nas consultas de 3 meses, 6 meses, 12 meses, 18 e 24 meses. O teste detecta não apenas o retinoblastoma, mas várias alterações oculares, que podem comprometer a visão da criança.

“É muito importante estar atento a qualquer alteração, pois é nos primeiros anos de vida que a visão está se desenvolvendo. Caso o Teste do Olhinho dê qualquer alteração ou caso os pais e/ou pediatras suspeitem de qualquer alteração nos olhos, é preciso procurar o oftalmologista o mais breve possível”, indica a médica.

A Sociedade Brasileira de Oftalmologia Pediátrica e o Conselho Brasileiro de Oftalmologia recomendam – mesmo para as crianças com Teste do Olhinho normal e sem qualquer suspeita de alteração – o primeiro exame oftalmológico completo entre seis e 12 meses de vida, pois o especialista já consegue avaliar a visão da criança e se há diferença entre os dois olhos, se há indícios de estrabismo (desvio dos olhos), se há grau que precise ser corrigido por óculos, e analisar as estruturas oculares para verificar se há malformações ou doenças (entre elas, o retinoblastoma).

“Isso faz toda a diferença, pois se há necessidade de tratamento há maior chance de sucesso se iniciarmos mais cedo e menor risco de sequelas no futuro”, acrescenta a oftalmologista pediátrica.

O tratamento de retinoblastoma tem três pilares: salvar a visão do olho afetado, salvar o olho e salvar a vida da criança, uma vez que o tumor pode causar metástase em outros órgãos. Existem diversas estratégias de tratamento e que podem ser combinadas entre si, com modalidades locais (laser, crioterapia, braquiterapia e quimioterapia local – subconjuntival, intravítrea ou intra-arterial seletiva), sistêmicas (radioterapia e quimioterapia convencionais) e cirúrgicas (retirada do globo ocular). A detecção da doença em fases iniciais é determinante para o sucesso em todos os três pilares.

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

You may like

In the news
Leia Mais
× Fale com o ViDA!