Por que o calor aumenta as picadas de mosquitos?

El Niño aumenta temperaturas e provoca chuvas, que aumentam proliferação do Aedes aegypti. Veja medidas para cuidar das picadas e se proteger

Mosquitos de Aedes aegypti são vistos no laboratório da Oxitec em Campinas (Foto: Diulgação)
Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

As ondas de calor e as fortes chuvas do verão seguem gerando preocupação em âmbitos estaduais e municipais. De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), o clima deve permanecer quente até abril, como consequência da ação do El Niño.

O fenômeno provoca o aumento nas temperaturas da água do Oceano Pacífico, alterando os termômetros e o regime de chuvas. Para além dos impactos climáticos, há influência direta na fauna, por exemplo, com maior presença de pernilongos borrachudos e mosquitos.

A proliferação ocorre porque as altas temperaturas proporcionam condições ideais para a reprodução e atividade dos mosquitos. O calor acelera o ciclo de vida desses insetos, tornando seu desenvolvimento mais rápido e aumentando sua atividade.

Além disso, as temperaturas elevadas aumentam a umidade do ar, criando ambientes propícios para a proliferação de criadouros de mosquitos, como poças d’água e recipientes acumuladores de água parada.

De acordo com o biólogo e professor do Colégio Marista Santa Maria, Gustavo B. Propst, a tendência de crescimento da doença pode ser explicada pelas mudanças climáticas. “O aumento da temperatura no mundo e o aumento da chuva, causado pelo El Niño, trazem um ambiente mais propício para o mosquito Aedes aegypti”.

A preocupação se agrava com o aumento de casos de dengue no início de 2024. O Brasil deve registrar cerca de 4,2 milhões de casos de dengue em 2024 e nas últimas semanas, o Ministério da Saúde ampliou o alerta nacional para a patologia em virtude da alta nas estatísticas. Mesmo com a chegada gradual da vacinação contra a doença, é preciso combatê-la em casa e na comunidade.

Diante desse cenário, é fundamental saber como lidar com as picadas, desde sua prevenção até tratamentos em casos de alergia. Estar atento aos sintomas da dengue e evitar a presença de criadouros do Aedes aegypti, mosquito que transmite a doença, são as principais medidas que as pessoas devem tomar diante do avanço do número de casos em diversas regiões do Brasil.

O que fazer para tratar as picadas de insetos

A prevenção continua sendo a informação e a ação conjunta de toda a sociedade. Estar informado sobre os procedimentos adequados para tratar as picadas de insetos também é crucial para promover o bem-estar e a saúde geral

“O tratamento adequado pode aliviar o desconforto imediato causado pela picada, reduzindo a coceira, a dor e a inflamação na área afetada”, explica Julinha Lazaretti, bióloga e cofundadora da Alergoshop, especializada em produtos hipoalergênicos.

“Saber como tratar as picadas ajuda a prevenir complicações mais sérias, como infecções secundárias, especialmente se a pessoa coçar excessivamente a área afetada”, completa.

Confira algumas dicas destacadas pela especialista para garantir a proteção.


Repelentes de insetos

A utilização regular de repelentes é uma das formas mais eficazes de prevenir as picadas de mosquito. Produtos contendo Picaridina ou Icaridicina são comprovadamente eficazes na proteção contra uma ampla variedade de mosquitos. Por serem menos tóxicos, são opções seguras e que garantem a proteção.

É importante aplicar o repelente em todas as áreas expostas da pele, seguindo as instruções do produto. Vale ressaltar que é essencial reaplicar o produto conforme necessário, especialmente após nadar ou transpirar excessivamente.

Cobertura adequada

Cobrir a pele com roupas de manga longa e calças compridas é uma medida preventiva simples, mas eficaz, especialmente em áreas onde os mosquitos são mais prevalentes. Essas roupas agem como uma barreira física entre os mosquitos e a pele, reduzindo significativamente o risco de picadas. Escolher roupas de cores claras também pode ajudar a manter os mosquitos afastados, pois eles são atraídos por cores escuras.

Lavagem e compressas frias

Após uma picada de mosquito, é importante lavar imediatamente a área afetada com água e sabão. Isso não só ajuda a remover qualquer sujeira ou bactéria presentes na pele, mas também pode reduzir a intensidade da coceira e a inflamação.

Em seguida, aplicar uma compressa fria ou uma bolsa de gelo envolta em um pano sobre a picada pode proporcionar alívio imediato. O frio ajuda a reduzir a sensação de coceira e a inflamação, além de diminuir a liberação de histaminas, substâncias que causam irritação na pele.

Utilize produtos de alívio

A coceira é o maior obstáculo quando se trata de picadas de insetos. Realizar o movimento, além de expor a ferida a bactérias presentes nas unhas, aumenta sua gravidade. Com isso, aplicar uma solução de alívio é essencial para diminuir o incômodo e tratar a região imediatamente.

“Quando o indivíduo possui alergia às picadas, o cenário se agrava ainda mais”, pontua Andre Sobanski, CEO da Alergoshop. O especialista pontua que enxergou uma alta demanda no número de pessoas com reações às ações dos mosquitos, refletida na busca por produtos de suavização.

Segundo ele, o gel calmante e refrescante utilizado após a picada é eficaz nesse sentido – o composto proporciona alívio para as coceiras, vermelhidão e inchaço causados pelas picadas. “Ter um produto como esse em casa, é uma medida efetiva para lidar com a alta incidência de insetos”, pontua.

 

5 curiosidades peculiares sobre o mosquito da dengue

Confira algumas curiosidades que podem ajudar no combate à dengue

  • Vida curta e rápida: o ciclo de vida do Aedes aegypti é formado por quatro etapas básicas – ovo, larva, pupa e adulto. O ciclo completo dura entre 7 e 10 dias, por isso é importante limpar e eliminar possíveis locais de água parada a cada uma semana, pelo menos.
  • Dieta diferenciada: enquanto as fêmeas picam os humanos para se alimentar de sangue e gerar os ovos de novos mosquitos, os machos preferem uma dieta vegetariana, alimentando-se de néctar de flores.
  • Horário certo: os mosquitos Aedes aegypti preferem sair para se alimentar de sangue durante o amanhecer e o anoitecer, então, é importante redobrar a atenção nesses horários.
  • Vôo baixo: o padrão de voo do mosquito Aedes aegypti pode variar, e ele geralmente voa a alturas mais baixas, perto do solo. Por isso, proteger os pés, tornozelos e canelas, principalmente, é tão importante.
  • Mãezona: uma fêmea de Aedes aegypti se alimenta quando já está grávida, para ajudar no desenvolvimento dos ovos.  Depois de aproximadamente 3 dias, acontece a postura dos ovos, que pode variar entre 100 a 200 por vez. Durante sua vida, um mosquito pode dar origem a cerca de 1500 novos mosquitos.

Dicas para se proteger dos mosquitos

Para a população se proteger das infecções, veja algumas instruções, que devem ser seguidas durante todo o ano, não apenas nos períodos de maior incidência da doença:

  • Usar repelente em áreas de reconhecida transmissão;
  • Colocar telas de proteção nas janelas e mosquiteiros na cama para dormir;
  • Remover ou esvaziar recipientes (garrafas, vasos e potes) nos domicílios;
  • Vedar reservatórios e caixas de água;Limpar e desobstruir calhas, lajes e ralos;
  • Não acumular sucata e entulho, além de amarrar bem o lixo;
  • Manter as garrafas vazias ou baldes virados para baixo;
  • Não deixar entulho no quintal ou nas ruas e varrer diariamente a água parada;
  • Cobrir as caixas d’água, poços ou piscinas e manter as calhas de água limpas;
  • Colocar terra ou areia nos pratos dos vasos das plantas;
  • Manter a lata de lixo devidamente tampada;
  • Descartar corretamente cascas de coco, latas de refrigerantes, copo plástico, garrafas, embalagens etc;
  • Guardar pneus em locais cobertos, longe da chuva. Faça furos na parte de baixo ou entregue no serviço de limpeza;
  • Tampar os ralos pouco usados com um plástico, jogando água sanitária no cano duas vezes por semana;
  • Diminuir o número de bebedouros de cães, gatos e passarinhos e manter o aquário limpo e fechado.

Com Assessorias

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

You may like

In the news
Leia Mais
× Fale com o ViDA!