‘Névoa cerebral’: como recuperar a memória pós Covid-19?

Problemas de memória, raciocínio e concentração após Covid? Entenda como novo tratamento diminui sequelas da doença. Estudo acompanhou mais de 600 pessoas usando as chamadas ‘estratégias compensatórias’

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

Dificuldade de raciocínio e problemas de memória são algumas das sequelas mais comuns da Covid-19.  “Eu nunca mais fui normal, nunca mais senti que eu era a mesma pessoa”, disse Luzineth Navarro Mesquita, servidora pública.

Quando Luzinete percebeu esses sintomas, meses após ter Covid, achou que era um problema exclusivo dela. Mas a doutora Lúcia Braga, da Rede Sarah de hospitais de reabilitação, percebeu que queixas desse tipo tinham se tornado muito frequentes.

“De repente 30% da demanda era reabilitação pós-Covid. A maior queixa era a névoa cerebral. (…) Essa névoa é uma dificuldade no planejamento do cotidiano, na concentração, na atenção, na memória, que são elementos que repercutem na nossa vida diária”, explica Lúcia Braga.

O doutor Drauzio Varella foi conhecer uma paciente que está usando estratégias de uma pesquisa nacional para driblar a “chamada névoa cerebral”. A partir do acompanhamento de mais de 600 pessoas, os pesquisadores criaram uma estratégia de tratamento capaz de trazer benefícios significativos.

Segundo Lúcia, a primeira ideia foi fazer grupos: “Essa ideia de que um pudesse ouvir o outro e trocar experiências, as pessoas se sentirem incluídas ia ser muito bom”.

Foram quatro encontros em grupo — com duração de apenas uma hora cada um. Os grupos podiam se encontrar de forma presencial ou online — e os pesquisadores ensinavam o que chamaram de “estratégias compensatórias”.

“Quando a pessoa usa uma estratégia de compensação como organizar a vida ou organizar suas tarefas, planejar, dividir por etapas, fazer checklist e tal, ela vai exercitar o cérebro”, explica Lúcia.

Depois de conhecer essas estratégias durante os encontros, a ideia é que o paciente siga a reabilitação por conta própria.

Dicas de reabilitação

As dicas para reabilitação são quase todas simples. Na verdade, hábitos saudáveis para qualquer pessoa! Além de organizar o ambiente, algumas tarefas úteis identificadas pela pesquisa são:

  • Minimizar distrações, como os infinitos estímulos vindos do celular;
  • definir metas alcançáveis;
  • fazer checklists de pequenas tarefas e concluir uma de cada vez;
  • fazer intervalos de descanso;
  • fazer atividade física — é comprovado que mesmo exercícios leves, como caminhar ou pedalar, melhoram a oxigenação do cérebro, gerando um efeito dominó de benefícios à atenção, raciocínio e memória.

Segunda etapa

Numa segunda etapa da pesquisa, oito meses depois da primeira avaliação, foram colhidos os resultados de mais de 200 pacientes que conseguiram seguir o programa.

Quase 70% relataram melhora das queixas cognitivas: mais da metade atribuiu a melhora aos encontros em grupo, e mais de 60% destacaram o uso das “estratégias compensatórias”.

Esses resultados viraram artigo na publicação internacional “Neuroreabilitation”.

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

You may like

In the news
Leia Mais
× Fale com o ViDA!