Maiores vítimas de acidentes no trânsito no Rio são caminhoneiros

É o que mostrou levantamento inédito do Ministério da Saúde. Uma ação do projeto “Como Você Vê o Mundo” mostra que maioria dos motoristas profissionais sofre de problemas de visão

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

Os caminhoneiros do Rio de Janeiro são os que mais morrem por acidentes de transportes relacionados ao trabalho no estado. Os dados são de um levantamento inédito realizado pelo Ministério da Saúde com os dados dos Sistemas de Informação de Agravo e Notificações (Sinan) e do de Mortalidade (SIM). O estudo apontou 113 óbitos dos trabalhadores de caminhão, entre os anos de 2007 e 2016. Contando com todos os tipos de transportes, Rio de Janeiro registrou 507 mortes no mesmo período.

Um levantamento apontou que os motoboys são os que mais sofrem acidentes de trânsito relacionados ao trabalho, e que os caminhoneiros são os que mais vão a óbito em atividade. Os trabalhadores em duas rodas representaram 7,5% dos 118.310 acidentes registrados entre os anos de 2007 e 2016. Já quando falamos em óbitos, os motoristas de caminhão corresponderam a 13,2% das 16.568 mortes computadas no mesmo período. Para chegar a esta constatação, foram considerados os acidentes de trânsito ocorridos quando o trabalhador tem uma função que envolve locomoção ou quando estava indo ou voltando do local de trabalho.

Maioria dos motoristas profissionais no Rio precisa de correção visual

Em mutirão realizado nesta segunda-feira (6 de agosto), por meio do projeto “Como Você Vê o Mundo”, 136 motoristas profissionais do Rio de Janeiro passaram por triagens. Deste total, 134 motoristas – 98% deles, passaram por consultas oftalmológicas gratuitas e precisaram de correção visual com a possibilidade de aquisição de óculos sociais.  A ação é uma iniciativa do Instituto Ver & Viver (IVV) em parceria com o Instituto Nissan, com o objetivo de contribuir para um trânsito mais seguro, já que 59% dos acidentes de trânsito em todo o mundo estão relacionados com a falta de correção visual dos motoristas. O mutirão contou com a colaboração da Cabify.

“Ter no mesmo lugar os exames e logo depois a consulta com oftalmologista nos ajuda bastante. É tempo que poupamos e que podemos estar na rua atendendo aos passageiros. Meus óculos quebraram semana passada e hoje já estou saindo daqui com um novo encomendado”, disse Carlos Eduardo Bastos, motorista que passou pelo mutirão ontem.   A mesma ação aconteceu ontem também em Belo Horizonte, onde 240 motoristas foram atendidos.

Alguns números interessantes:

Dados sobre mutirões anteriores*:

 

 Dados sobre acidentes trânsito X falta de correção visual dos motoristas*
– Faixa etária do público atendido: 100% acima de 30 anos de idade;

 

– Problemas de visão aumentam em 2,5X o risco de acidente de trânsito no país;
– 23% dos motoristas que passaram por um oftalmologista declararam ser a 1ª consulta de suas vidas nesta especialidade;

 

– 90% dos acidentes de trânsito no Brasil são provocados por folha humana;
– 41% dos motoristas atendidos pelos mutirões precisaram obter óculos/lentes para correção visual.– O Brasil é o 4º. do país que mais mata no trânsito;

 

– + de 50% dos motoristas profissionais só procuram o oftalmologista no momento da renovação da CNH.

 

*Dados de 14 mutirões do “Como Você Vê o Mundo” realizados de março a julho de 2018Fonte: OMS, ABRAMET, Portal do Trânsito e ICOB

 

Leia o conteúdo na íntegra em saude.gov.br

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

You may like

In the news
Leia Mais
× Fale com o ViDA!