‘Limitações físicas não impedem minha evolução profissional’

Produtor audiovisual cadeirante explica como o trabalho remoto contribui para a sua saúde e carreira, e como a tecnologia tem ajudado na busca por novos projetos e equipes de trabalho

Após ficar paraplégico em um acidente de moto em 2020, o comunicador e produtor audiovisual Stefano Carta, de 30 anos, adotou a rotina em home office (Foro: Reprodução Linkedin)
Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

Tornar-se deficiente ao longo da vida não significa o fim da carreira profissional. Desde que sofreu um acidente de moto em que perdeu o movimento das pernas, em 2020, o comunicador e produtor audiovisual Stefano Carta, de 30 anos, tem vencido as limitações físicas e se beneficiado da rotina em home office. O modelo remoto o permitiu alinhar o trabalho e os cuidados com a saúde, atender às próprias necessidades e aumentar seu desempenho e produção.

“Para as pessoas com deficiência, o maior desafio diário é ter tempo de cuidar de si e trabalhar. Apesar de ser um dilema do ser humano moderno e contemporâneo, ele é ainda maior quando se trata dos PcDs. Por meio do trabalho remoto, eu consigo realizar as atividades pessoais, fazer fisioterapia, ter uma alimentação regrada e trabalhar bem ao longo do dia”, explica Stefano.

O home office tem sido muito efetivo para os profissionais que possuem deficiência física ou motora, como paraplégicos e hemiplégicos. Com a tecnologia, Stefano consegue estar presente de maneira digital, contracenando e alinhando cada detalhe do trabalho com a sua equipe.

As limitações físicas não impediram o produtor de expandir suas operações; ele rompeu as barreiras e fronteiras regionais e tem fechado negócios e parcerias com empresas em todo o território nacional, por meio das conexões digitais.

“Quando aprendemos a dominar o trabalho remoto e a tecnologia de trabalho, perdemos essa barreira da distância e conseguimos, de fato, acessar um lugar de diversidade regional”, aponta.

Leia mais

‘A vida continua independente da deficiência’, diz cadeirante
Bailarina cadeirante volta a dançar em pé após tratar doença grave
Fisioterapeuta cadeirante cria serviço para bebês especiais

80% de sentem mais produtivos em casa

Um relatório da fundação britânica Work Foundation revelou que 85% dos profissionais se sentem mais produtivos trabalhando em casa; 80% afirmam que o regime remoto ou híbrido se tornou um pré-requisito essencial ao procurar um emprego novo. Mas, para ter sucesso nos processos de seleção e conquistar trabalhos no home office, Stefano explica que o profissional – PcD ou não – precisa desenvolver novas habilidades.

“Para ter sucesso no trabalho remoto, o profissional deve-se aliar à tecnologia, aprimorar as habilidades sociais tecnológicas, procurar estudar por meio de plataformas adaptadas, se aprofundar nas tendências e ‘conseguir ajustar sua rotina pessoal”, diz Carta.

Antes ele conta que precisava estar em uma reunião de maneira presencial para conseguir fechar um negócio e fazer novas conexões. Hoje, consegue realizar todas essas demandas de maneira digital. “Obviamente, precisei adquirir novas skills e adaptações tecnológicas, entre elas, a forma com que eu me comunico a partir das tecnologias, além de superar o desafio de ser ‘regrado’ para trabalhar no conforto da minha casa”, complementa.

Contratação de equipes de trabalho e busca por jobs

Como produtor executivo remoto, Stefano sempre precisou fechar a contratação de diferentes freelancers e equipes de trabalho, também remotos, para seus trabalhos pontuais, em diferentes empresas. Ter uma estrutura física para esses projetos teria um custo elevado, mas por meio de uma parceria de negócios, o produtor conseguiu suprir mais essa necessidade sem precisar sair de casa.

Ele adotou como parceiro a Crowd, plataforma que conecta empresas a uma rede com mais de 25 mil freelancersque incluem especialistas em desenvolvimento, design UX/UI, gestão de tráfego, redação e outras áreas de marketing e tecnologia. Desde sua fundação, há seis anos, a Crowd já atendeu mais de 300 clientes e gerou contratos de trabalho que renderam R$ 12 milhões aos freelancers.

Saber que tem à disposição equipes remotas e com o perfil correto de cada trabalho também ajudou Stefano na sua procura por novos projetos. “É uma parceria muito benéfica e mais uma vantagem que a tecnologia voltada para o home office me proporcionou. Consigo gerar novos empregos e dar oportunidades para diferentes profissionais, que são altamente qualificados e entregam ótimos resultados”, complementa o produtor.

A Crowd encontrou e conectou diferentes profissionais capacitados, com o perfil de cada projeto que seria executado. Qualquer profissional em busca de novos jobs remotos nas áreas mencionadas pode se cadastrar na plataforma, bem como contratantes em busca de equipes e colaboradores.

Fonte: Crowd

 

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

You may like

In the news
Leia Mais
× Fale com o ViDA!