Espera por mamografia no Estado do Rio é de 11 dias

Informação é da Secretaria de Estado de Saúde, que está com Mamógrafo Móvel circulando neste Outubro Rosa em algumas cidades. Esta semana, é a vez de São Pedro da Aldeia

Secretaria de Estado de Saúde envia Mamógrafo Móvel para atender pacientes do SUS em cidades que não têm equipamento (Foto: Divulgação SES-RJ)
Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

O principal exame que detecta o câncer de mama é a mamografia. Levantamento da Central Estadual de Regulação aponta que o tempo médio de espera pela mamografia no Estado do Rio de Janeiro é de 11 dias. Para ter acesso ao exame, as pacientes devem procurar as unidades básicas de saúde que farão a inclusão do pedido no Sistema Estadual de Regulação (Sisreg).

Em 2022, até agosto, a Secretaria de Estado de Saúde realizou 23.162 mamografias no Rio Imagem, no Centro do Rio; no Hospital Estadual dos Lagos – Nossa Senhora de Nazareth, em Saquarema; e no Hospital da Mulher Heloneida Studart, em São João de Meriti.

Para agilizar o atendimento, a SES dispõe do Mamógrafo Móvel, unidade itinerante que oferece exames digitais de mamografia, ultrassonografia e ultrassonografia com doppler a pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS). Desde setembro, o Mamógrafo Móvel já passou por quatro cidades (São Gonçalo, Rio de Janeiro, Nova Iguaçu e Magé) e realizou 2.024 exames, sendo 1.127 mamografias e 897 ultrassonografias.

A SES está construindo em Nova Iguaçu uma unidade do Rio Imagem, que terá capacidade para 40 mil exames por mês e previsão para iniciar o atendimento à população no início de 2023. O Governo do Estado também está construindo o Hospital do Câncer de Nova Friburgo, na Região Serrana. Com investimento de R$ 50,6 milhões, a unidade terá 58 leitos e está com 20% das obras concluídas.

Casos de câncer de mama seguem em alta no estado

A neoplasia maligna de mama é o tipo de câncer mais comum entre as mulheres em todo o mundo e a principal causa de morte entre as mulheres no Brasil. O Instituto Nacional do Câncer (Inca) estima que, em 2021, tenham surgido 66.280 novos casos de câncer, com uma taxa de mortalidade de 14,23 por 100 mil habitantes.

O número de casos de câncer de mama segue aumentando no Rio de Janeiro. Em 2021, foram registrados 2.868 novos casos da doença em mulheres com idades entre 30 e 69 anos em todo o estado. O número foi 6,34% maior do que o registrado em 2020, quando foram notificados 2.697 novos casos.

Esse crescimento reforça a importância dos cuidados diários e da realização de exames preventivos para prevenir a doença. Dados do Sisreg apontam que  o tempo médio de espera para primeira consulta para mastologia oncológica é de 30 dias. Em 2022, a CER regulou 4.072 pacientes para consulta de primeira vez em mastologia oncológica.

“O câncer de mama é a principal causa de morte entre as mulheres no Brasil. Por isso, estamos sempre buscando melhores estratégias em saúde pública para ampliar o acesso ao diagnóstico e ao tratamento. Estamos investindo na descentralização dos serviços, levando a saúde para mais perto da população com a carreta do mamógrafo móvel e a expansão do Rio Imagem para a Baixada”,  destacou o secretário de Estado de Saúde, Alexandre Chieppe.

Saiba mais sobre o câncer de mama

O câncer de mama se caracteriza em geral pelo surgimento de caroços endurecidos e fixos. É comum que a pele da mama fique avermelhada ou com aspecto de casca de laranja. Também pode ocorrer saída de líquido e alterações nos mamilos. Em alguns casos, surgem ainda nódulos no pescoço ou nas axilas.

Diversos fatores estão relacionados ao aumento do risco de desenvolver a doença, tais como: idade, fatores endócrinos/história reprodutiva, fatores comportamentais/ambientais e fatores genéticos/hereditários.

Entre as causas comportamentais, estão a obesidade ou o sobrepeso; falta de atividades físicas; exposição frequente a radiação ionizante (raios X, tomografia, mamografia, etc.); consumo de bebidas alcoólicas e história de tratamento prévio com radioterapia no tórax.

Outros fatores que também podem influenciar o aparecimento da doença são os aspectos da vida reprodutiva hormonal, como o uso de contraceptivos hormonais; menopausa após os 55 anos; primeira gravidez após os 30 anos e não ter filhos. O mesmo ocorre com os aspectos genéticos e hereditários, como histórico familiar de câncer de mama ou ovários em mulheres, principalmente antes dos 50 anos e alterações genéticas nos genes BRCA1 e BRCA2.

Agenda Positiva

Mamógrafo Móvel esta semana em São Pedro da Aldeia

A SES informa que o Mamógrafo Móvel está circulando neste Outubro Rosa em diversas cidades fluminenses. De segunda a sábado (10 a 15/10), incluindo o feriado do dia 12, o serviço estará em São Pedro da Aldeia, na Praça Igreja Matriz, situada na Avenida Getúlio Vargas 80 – Centro. O atendimento vai acontecer das 8h às 17h. Serão oferecidos 360 exames de mamografia (60 por dia) e 275 ultrassonografias ao longo da semana.

Os exames duram aproximadamente 20 minutos. O agendamento é realizado pela Secretaria de Saúde de São Pedro da Aldeia de acordo com a ordem da fila da regulação municipal. É necessário levar um documento de identidade, cartão do SUS (se tiver) e pedido médico.

Os resultados dos exames de ultrassom serão disponibilizados imediatamente após a sua realização. Já os laudos das mamografias serão entregues pela equipe da Secretaria de Saúde do município. A iniciativa faz parte do eixo móvel do Rio Imagem e visa apoiar os municípios no diagnóstico precoce do câncer de mama e de outras doenças que afetam a população feminina.

Fonte: SES-RJ, com Redação

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

You may like

In the news
Leia Mais
× Fale com o ViDA!