‘Escolha de Sofia’ em Gaza: abandonar pacientes ou arriscar a própria vida?

‘Sem eletricidade em Gaza muitos pacientes morrerão’, alerta Médicos Sem Fronteiras. ‘Está se tornando impossível conseguir atendimento médico’

Cenário de destruição em Gaza: desde o início do conflito, mais de 9.700 pessoas ficaram feridas (Foto: Mohammed Baba)
Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

Deixar para trás seus pacientes em uma morte quase certa ou ficar e arriscar suas próprias vidas? Este tem sido o dilema de muitos profissionais de saúde que atuam na Faixa de Gaza, sob ataques de Israel desde a semana passada. Desde o início do conflito, mais de 9.700 pessoas ficaram feridas.

“Alguns ficaram e continuaram a trabalhar, apesar dos riscos. Muitos médicos e outros profissionais de saúde morreram desde o início da ofensiva israelense”, afirma Guillemette Thomas, coordenadora-médica de Médicos Sem Fronteiras (MSF) para a Palestina.

De acordo com a organização humanitária, poucas instalações médicas que ainda funcionam no norte de Gaza “estão sob uma pressão inimaginável”. “Muitos profissionais de saúde foram forçados a fugir para o sul, pois “os ataques israelenses são implacáveis”.

A equipe restante tem que lidar com o acesso restrito à eletricidade e à água, em um contexto de cerco”, informou MSF nesta quinta-feira (19). Baseada em Jerusalém, a médica faz uma atualização sobre a situação atual, agravada pelo corte de energia elétrica nos hospitais que atendem as vítimas dos conflitos.

“Muitos pacientes morrerão, especialmente aqueles em tratamento intensivo, neonatologia e em aparelhos de suporte respiratório. Pacientes com doenças crônicas, como diabetes e câncer, e mulheres grávidas também correm risco, por causa da escassez geral de medicamentos”, diz a médica.

Qual é a situação dos hospitais de Gaza?

Desde a ordem de evacuação emitida pelas autoridades israelenses, que forçou mais de um milhão de habitantes a se deslocarem para o sul da Faixa de Gaza, as pessoas foram obrigadas a tomar decisões extremamente difíceis entre ficar e sair.

Para os profissionais de saúde, isso significou a escolha entre deixar para trás seus pacientes em uma morte quase certa ou ficar e arriscar suas próprias vidas. Alguns ficaram e continuaram a trabalhar, apesar dos riscos.

Estamos em contato com alguns de nossos colegas que estão apoiando as equipes do Ministério da Saúde, especialmente no Hospital Al-Shifa, na cidade de Gaza, onde MSF prestou atendimento a vítimas de queimaduras durante anos.

Hoje, a equipe médica enfrenta a mesma realidade do resto dos habitantes de Gaza: eles têm sido constantemente bombardeados nos últimos 10 dias. Nossos colegas nos dizem que muitos médicos e outros profissionais de saúde morreram desde o início da ofensiva israelense.

Eles relatam que entre 800 e 1.000 pessoas são feridas todos os dias na Faixa de Gaza, mas esse número inclui apenas aquelas que conseguem chegar a um hospital. Como o acesso às instalações de saúde é extremamente perigoso e complicado pela falta de combustível, somente os pacientes mais graves procuram atendimento hospitalar. 

Desde o início do conflito, mais de 9.700 pessoas ficaram feridas. Acredito que essas pessoas correm sério risco de morrer nas próximas horas, porque está se tornando impossível conseguir atendimento médico.

O assassinato em massa de civis é repugnante e deve ser condenado de todas as formas possíveis. Nos últimos 10 dias, uma violência terrível foi desencadeada. Milhares de homens, mulheres e crianças foram mortos em Israel. Milhares de homens, mulheres e crianças foram mortos na Palestina. A situação em Gaza hoje é catastrófica. Hospitais e clínicas em atividade estão sobrecarregados e mal funcionam. Eles estão ficando sem eletricidade e sem suprimentos médicos. Os cirurgiões do hospital Al-Shifa estão operando sem analgésicos. Como cirurgião, isso é inimaginável (Christos Christou, presidente internacional de MSF).

O sistema de saúde ainda está funcionando em Gaza?

Já estamos testemunhando o colapso do atendimento ao paciente. A equipe médica não consegue mais tratar as pessoas ou admitir novos pacientes adequadamente. Tudo está sendo feito em condições extremamente precárias, com falta de pessoal, medicamentos e equipamentos médicos. Há um fluxo constante de pessoas gravemente feridas, com ferimentos traumáticos complexos, queimaduras, fraturas e membros esmagados.

O Hospital Al-Shifa, o principal hospital de Gaza, agora abriga milhares de pessoas que foram para lá em busca de proteção contra os constantes bombardeios. Enquanto Gaza está na escuridão, Al-Shifa é um dos poucos lugares que ainda têm eletricidade, embora o combustível só dure mais 24 horas, no máximo.

Em suma, sem eletricidade, muitos pacientes morrerão, especialmente aqueles em tratamento intensivo, neonatologia e em aparelhos de suporte respiratório. Pacientes com doenças crônicas, como diabetes e câncer, e mulheres grávidas também correm risco, por causa da escassez geral de medicamentos.

O que sabemos sobre as condições de vida das pessoas deslocadas no sul do país?

Chegamos a um ponto em que a água é nossa principal prioridade.  Hoje, estima-se que 60% da população de Gaza, mais de 1 milhão de pessoas, vivem ao relento, sem acesso à água e à saúde. Não há atendimento médico básico disponível porque as clínicas estão fechadas, e as condições de higiene são muito ruins.

Além das pessoas com ferimentos graves, corremos o risco de ver uma onda de doenças associadas às más condições de vida: problemas como diarreia, infecções respiratórias e de pele e desidratação podem se desenvolver rapidamente e colocar em risco as pessoas em situações mais vulneráveis, incluindo crianças. Metade da população de Gaza tem menos de 18 anos de idade. No entanto, não há sistema de saúde para cuidar deles.

Em sua opinião, quais são as prioridades do suporte médico?

É fundamental fazer com que os hospitais voltem a funcionar. Para isso, é preciso garantir cessar-fogos regulares para que medicamentos e combustível sejam trazidos em grande escala. Se ficarmos sem medicamentos anestésicos, os cirurgiões serão obrigados a interromper as operações.

É necessário apoio humanitário imediato para um milhão de pessoas deslocadas. Elas precisam de acesso a água e saneamento, assim como a cuidados médicos básicos, antes que sua saúde se deteriore drasticamente.

Conflito no Oriente Médico completa 15 dias – veja como tudo começou

Relato de uma mãe em meio à guerra em Gaza: ‘Tememos o anoitecer’

MSB171569 – © Mahmud Hams/AFP

Israa Ali é intérprete de Médicos Sem Fronteiras (MSF) baseada em Jabalia, no norte de Gaza. Ela e os filhos foram deslocados de casa devido aos bombardeios, para se proteger dos ataques. Aqui, ela compartilha um pouco do que tem vivido.

“Faltam-me palavras para descrever um dia na vida das pessoas em Gaza neste momento. A manhã começa enquanto já estamos acordados. Nós nos viramos e tentamos dormir por um tempo, mas o som dos bombardeios não permite.

Ficamos acordados, ouvindo as notícias no rádio. Nesta era moderna, deveríamos ter eletricidade e acesso à internet, mas nossos telefones não funcionam.

Corremos para ver se há combustível para ligar o gerador e, em seguida, percebemos que o gerador também não funciona. Aqui, reconhecemos que vivemos em Gaza sitiada.

O som abafado da voz do meu filho lentamente se torna compreensível: ‘Mãe, estou com fome, quero tomar o café da manhã.’

Enquanto faço o café da manhã com o mínimo de suprimentos, começo a me culpar por ter filhos e por tê-los trazido para um mundo com condições tão terríveis e guerras frequentes – especialmente esta guerra miserável.

Quando você tem filhos, faz o melhor para protegê-los e provê-los de tudo. As inúmeras vezes que você escuta os sons fortes de bombas caindo durante o dia valem uma reflexão. É um momento em que é preciso ser uma mãe ou um pai forte, manter a calma para seus filhos. Mas a verdade é que é necessário realmente alguém para te acalmar.

Tememos o anoitecer. Os drones, aviões de guerra, navios de guerra, foguetes pesados e bombas israelenses se espalharam como fogo. Depois de tentar acalmar a mim e aos meus filhos, que acordam muitas vezes chorando, penso no meu pai, na minha mãe e na minha família, que está se abrigando longe, mas nas mesmas circunstâncias.

Você tenta pensar positivamente, que eles estão longe dos alvos das bombas, mas é em vão. Ficarei preocupada até ouvir suas vozes.”

Fonte: MSF

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

You may like

In the news
Leia Mais
× Fale com o ViDA!