Crianças veganas: quando o exemplo vem desde a maternidade

Antonela e Cauê têm 4 anos e seguem alimentação vegana desde bebês por causa das mães, também adeptas do veganismo

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

Antonela, de 4 anos, sempre foi vegana e isso é natural no seu dia a dia. Se tem dúvidas sobre a origem de algum alimento, a mãe Claiti Cortes esclarece e ela recusa tranquilamente caso seja de origem animal. Grávida, Claiti serve como um exemplo para a filha, que faz sucesso ao aparecer no Instagram da mãe. Hoje, a influenciadora usa as redes sociais para falar sobre veganismo e maternidade de uma forma leve e descomplicada.

Cauê, também de 4 anos, é vegano desde que nasceu, Cauê compreende muito bem o significado desse estilo de vida e é a personificação das novas gerações que adotam hábitos mais conscientes. Certo dia, enquanto caminhava no supermercado com a mãe, pegou um ovo e disse que o devolveria para a galinha.

“Mesmo quando era menor, ele sempre perguntava sobre o ovo, que lhe interessava muito pela aparência, por ser redondo. Ele ficava curioso. Na infância, a criança vai desenvolvendo uma maturidade e entendimento da vida. A gente sempre falava que o ovo não era nosso, que era da galinha, e ele começou a entender isso desde pequeno”, explica sua mãe, Fernanda Vieira. 

“Agora, com 4 anos, ele entende que há pessoas que comem o ovo, mas nós não. Mostramos que respeitamos os animais e tentamos trazer essa conversa de forma não violenta e com leveza, para que ele não julgue os outros. Precisamos ser muito cautelosos, tentamos mostrar que temos nossos privilégios e podemos escolher ser amáveis com os animais’’, relata Fernanda.

Mãe da Antonela enfrentou cultura do consumo de carne e leite

Com mais de 280 mil seguidores no perfil Imaginavegan, no Instagram, a Claiti Cortes, aparece ao lado de Antonela para mostrar receitas fáceis com ingredientes de origem vegetal e inspirar uma mudança positiva. O canal surgiu quando Claiti estava de licença-maternidade e começou a compartilhar algumas receitas nos stories e no feed.

“A ideia era que as pessoas cozinhassem com o que tinham em casa e mostrar que isso não era nada mirabolante. Quando virei vegetariana, encontrava pouco conteúdo e, como moro no interior, não chega muita coisa”, diz Claiti, vegana há aproximadamente 5 anos.

A tradição da carne, ainda forte em muitas regiões, foi um dos fatores que impactaram a sua transição. “Li A política sexual da carne [de Carol J.Adams] e outros livros, mas a transição para o veganismo foi mais demorada porque moro no Sul, em Passo Fundo (RS). Existe toda uma cultura de consumo de carne e leite”, afirma ela que, além do acompanhamento com nutricionista, suplementa a alimentação dela e da filha com vitamina B12.

Mãe do Cauê transformou mudança de hábitos em projeto de vida

Para a mãe do Cauê, o processo foi diferente. Os primeiros passos para a mudança de hábitos foram dados aos 15 anos. Curiosa sobre a origem da carne que consumia, começou a pesquisar sobre o assunto na internet e encontrou muitos dados sobre exploração animal.

Fernanda decidiu deixar de consumir carne vermelha definitivamente depois de assistir um vídeo de abate bovino, mas a transição até o veganismo — que também exclui outros tipos de carne e alimentos de origem animal da dieta, como ovos, leite e mel — ocorreu gradualmente.

Após estudar Zootecnia e realizar um doutorado focado em bem-estar animal, ela se sensibilizou com a forma como os animais eram tratados na indústria de alimentos e decidiu se tornar vegana em 2014.  Restavam-lhe duas opções: abandonar tudo aquilo ou encontrar uma maneira de utilizar esse conhecimento para fazer a diferença.

Fernanda optou pela segunda, começou a atuar como voluntária em movimentos de proteção animal e, hoje, é diretora de Políticas Alimentares e Bem-estar Animal da Sinergia Animal no Brasil — uma organização internacional que trabalha para diminuir o sofrimento de animais na pecuária industrial e reduzir o consumo de carne, ovos e laticínios, promovendo escolhas alimentares mais compassivas.

Desafio vegano digital estimula consumo de alimentos de origem vegetal

Para estimular o contato de pessoas com essa alimentação, a Sinergia Animal criou um desafio vegano digital e oferece todo apoio para que os inscritos deixem de consumir ingredientes de origem animal por 21 dias — com dicas, receitas e orientações gratuitas de nutricionistas. Ao todo, já participaram mais de 150.000 pessoas ao redor do mundo.

Além do projeto online, a mãe do Cauê está à frente do programa Alimentando o Amanhã na Argentina, Colômbia, Tailândia e Indonésia, incentivando escolas e universidades a oferecer um menu vegetal em, no mínimo, um dia na semana.

Embora o programa não seja restrito a jovens, Fernanda observa que são eles quem participam ativamente dos grupos pois têm mais acesso ao conhecimento sobre como a agropecuária causa sofrimento aos animais, os malefícios à saúde humana e ao planeta.

Na escola do seu filho não é diferente. A diretora da Sinergia Animal tem observado as instituições cada vez mais preparadas para abraçar a diversidade, assim como os colegas de Cauê e seus familiares:

“As crianças entendem muito bem e, muitas vezes, quando as famílias vão celebrar o aniversário dos seus filhos, levam opções inclusivas. Ele sempre pergunta o que é vegano e aceita tranquilamente. A escola também me avisa para que eu possa oferecer uma substituição. Uma vez, iam fazer uma atividade culinária na aula e a professora fez questão de fazer um bolo de cenoura vegano”.

A internet tem contribuído para a disseminação do conceito do veganismo, especialmente entre mães. A influenciadora Claiti Cortes diz que é procurada com frequência por outras mães, muitas querendo entender se a dieta vegana é segura durante a gravidez e na introdução alimentar das crianças. A resposta curta é que sim — apesar dos mitos populares, e incorretos, às vezes propagados até por profissionais de saúde pouco familiarizados com o veganismo.

Leia mais

Aumenta interesse dos brasileiros por veganismo
É possível adaptar uma dieta vegana para crianças?
Veganismo: entenda os benefícios da dieta sem proteína animal
Mitos e verdades sobre a alimentação vegana
Veganismo: mais que um estilo de vida, uma opção saudável e sustentável
Alimentação viva, vegana e crua: mais saúde e consciência na mesa
Dicas de leitura para preparar comidinhas veganas, vegetarianas ou quase
Jean Wyllys deixa de comer carne após participar de desafio vegano
Campanha ajuda quem quer se tornar vegano em 2022

 

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

You may like

In the news
Leia Mais
× Fale com o ViDA!