MentePalavra de Especialista

Caso Simony: Recebi um diagnóstico de câncer e agora?

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

Por Andrea Ladislau*

Simony, de 46 anos, cantora que fez muito sucesso com o grupo infantil Balão Mágico na década de 80, revelou recentemente que recebeu um diagnóstico de câncer no intestino e deu início ao ciclo de tratamento quimioterápico para conter e extinguir o tumor. Uma situação dolorosa que leva a refletir sobre a dinâmica e implicações internas e externas, de uma pessoa que recebe um diagnóstico de um câncer (de qualquer tipo). Afinal receber esse diagnóstico de forma equilibrada, não é fácil.

Aceitar e saber lidar com o medo, a insegurança em relação ao tratamento, a angústia diante de um futuro incerto, entre outras questões importantes neste momento tão delicado, sem dúvida alguma é um grande desafio. O acolhimento da família, amigos, parentes, pessoas próximas é fundamental para que o paciente não se isole e não desenvolva assim doenças graves como a depressão.

Podemos dar algumas dicas para que o cuidado e olhar para este paciente seja o mais humanizado possível. Um dos mais importantes pontos é buscar ficar mais próximo desse indivíduo. Tentar mostrar que não precisamos de grandes momentos para estarmos juntos, temos que aproveitar cada minuto e admirar as coisas simples da vida. Incentivar o paciente a fazer o que gosta, buscando assim, tornar a vida mais leve. Valorizando os pequenos grandes prazeres.

Encontrar um propósito de vida, um foco para canalizar suas energias e esperanças, também é um dos motivos de sucessos aliados aos tratamentos oncológicos. Ajudar o paciente a entender e redefinir o que realmente é fundamental e quais as pessoas ele deseja que estejam por perto. É a nova reformulação de seus valores e objetivos da caminhada que está iniciando.

Revisão nos hábitos de vida

Faz-se necessário que seja reavaliado o estilo de vida do paciente e que ele perceba essa necessidade de mudança. Optando por hábitos mais saudáveis, mudando alimentação, na medida do possível, e sempre com recomendação médica, e buscar realizar algumas atividades físicas.

Temos que levar em consideração que, a nova rotina de exames excessivos, as constantes visitas médicas, já trazem a esse paciente uma atmosfera de exaustão, cansaço e a sensação de que pode não dar conta, alimentando ainda mais sua sensação de medo e insegurança com o que está por vir.

Quando o paciente compreende que sua cura também depende muito de sua cabeça e de seu estado de espírito, da sua resiliência e postura em relação ao enfrentamento da doença, ele já sai na frente em ganho de melhoria de vida, qualidade e absorção de todos os benefícios que o tratamento pode oferecer, independente, do tipo de câncer a ser enfrentado.

É muito importante manter o pensamento positivo e acreditar que a cura é possível. Ficar lamentando não vai mudar absolutamente nada. A situação está ali, definida. Necessário buscar alternativas e forças para enfrentar, junto com o desejo de viver da melhor forma: bem e agora.

Enfim, assim relatou a cantora Simony, não perca tempo e busque viver um dia após o outro. Os cuidados com a saúde são essenciais. O diagnóstico não é uma sentença.

Importante seguir todas as recomendações do seu oncologista, realizar todos os exames indicados, tomar as medicações prescritas e buscar realizar hábitos de vida mais saudáveis.

O equilíbrio mental também é fundamental, pois nossa mente é também grande responsável pela nossa cura e pelo nosso bem-estar.   Não se entregar à tristeza, ao isolamento e a depressão farão com que o diagnóstico recebido seja encarado como um grande desafio de uma guerra a ser vencida.

*Andrea Ladislau é pós-graduada em Administração Hospitalar e Psicanálise e doutora em Psicanálise Contemporânea. Possui especialização em Psicopedagogia e Inclusão Digital. É também graduada em Letras e Administração de Empresas, palestrante, membro da Academia Fluminense de Letras e escreve para diversos veículos. Na pandemia, criou no Whatsapp o grupo Reflexões Positivas, para apoio emocional de pessoas do Brasil inteiro.

Contatos: Instagram: @dra.andrealadislau / Telefone: (21) 96804-9353 (Whatsapp)

Andrea Ladislau colabora para a seção Palavra de Especialista toda quarta-feira. Dúvidas e sugestões para palavradeespecialista@vidaeacao.com.br.

Leia mais artigos de Andrea Ladislau

Os impactos emocionais causados pela ausência da figura paterna
‘Daminha sincera’ viraliza no Tik Tok: e você, sabe ouvir seu filho?
A cultura do estupro que normaliza o abuso e a violência sexual no país
Dia do amigo: amizade saudável X saúde mental equilibrada
Violência obstétrica: a saúde mental da mulher afetada pelo parto traumático
Ator Marcelo Serrado expõe desafios ao enfrentar a Síndrome do Pânico
Klara Castanho: Estupro, múltiplas violências e linchamento virtual em meio à dor
Quando o ciúme deixa de ser saudável e se torna patológico
Mãe presa por negligenciar filhos pode estar em sofrimento psíquico
Carnaval também faz bem para o corpo e para a cabeça
Oscar da vergonha: a comédia acaba onde começa a dor do outro
Você também sofre com a Síndrome da Mulher Maravilha?
Somatização: o grito de socorro da mente refletido no corpo físico
Body Checking: quando o espelho vira um aliado da neurose
Ômicron: como lidar com a positividade que ninguém quer?
O ano termina, nasce outra vez… e o que você fez ou vai fazer?
O legado emocional e afetivo deixado pela pandemia
Felipe Neto e a Síndrome de Burnout associada à depressão
Borderline: a linha tênue entre a euforia e a depressão
Como o câncer de mama impacta a saúde emocional
Entenda a importância da terapia na prevenção do suicídio
Nomofobia: quando a conexão virtual vira síndrome
Síndrome do Pensamento Acelerado: uma nova epidemia
Cancelamento: que cultura é essa que nos dá autoridade para julgar alguém?
Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!
Shares:

Related Posts

7 Comments

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *