6 dicas de Augusto Cury para um lar emocionalmente estável

Psiquiatra e autor de best-sellers destaca os principais pontos para trabalhar a gestão das emoções dentro de casa

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

Família significa relação afetiva entre as pessoas que tenham ou não laços sanguíneos, um conceito que se baseia no amor, na ajuda mútua, na partilha, e que promove a formação de valores em cada um de nós. Ter uma casa ou apartamento não significa que se tem um lar. Um imóvel é feito de tijolos, um lar é feito de amor e muito diálogo.

No cenário acelerado e frequentemente estressante da vida cotidiana, a gestão das emoções dentro de casa é mais importante do que nunca e se tornou fundamental para o futuro das habitações e um desafio para grande parte das pessoas. A dinâmica familiar desempenha um papel fundamental no desenvolvimento emocional e mental de cada indivíduo, moldando não apenas suas perspectivas, mas também sua capacidade de enfrentar os desafios da vida com resiliência.

Autor de best-sellers de autoajuda que ajudam a decifrar a mente humana, Augusto Cury assina o programa mundial ‘Mentes Saudáveis, Lares Felizes’, lançado recentemente em Curitiba (PR), com o objetivo de resgatar o conceito de lar como refúgio. O programa é inspirado em seu livro de mesmo nome, lançado no início do ano, em coautoria com Marcos Araújo, futurologista do morar e autor mais lido do mercado imobiliário.

No livro ‘Mentes Saudáveis, Lares Felizes – A importância do primeiro programa mundial de gestão da emoção para o presente e futuro das famílias e habitações’, Cury e Araújo unem seus excepcionais conhecimentos em gestão da emoção e novos hábitos de moradia da humanidade. E apontam soluções para a prevenção transtornos emocionais entre integrantes da mesma família e contribuir para o desenvolvimento de mentes livres, criativas, proativas e inteligentes.

6 dicas para a gestão das emoções dentro de casa

Em homenagem ao Dia Nacional da Família, comemorado anualmente neste dia 8 de dezembro, no Brasil, ‘Ler Faz Bem’ destaca algumas dicas de Augusto Cury – autor dos best-sellers ‘Ansiedade’, ‘O Vendedor de Sonhos’ e ‘O Maior Líder da História’ – sobre como transformar um imóvel em um lar emocionalmente estável.

Segundo o psiquiatra mais lido no mundo, este é um dos principais desafios da atualidade, principalmente com a mistura dos ambientes pessoal e de trabalho. O escritor traz seis ferramentas fundamentais para a gestão das emoções no ambiente familiar e como manter uma relação saudável dentro de casa.

1. Ter escuta ativa

Famílias emocionalmente saudáveis não apenas reconhecem a importância das emoções, mas também cultivam um ambiente onde todos os membros se sintam seguros para expressarem seus sentimentos. Isso envolve a empatia, a escuta ativa e o respeito pelas emoções dos outros.

Para Cury o primeiro passo para transformar paredes de tijolos e cimento em lares é aprender a valorizar a vida. “É abraçar mais e julgar menos, é transformar o caos em oportunidade, as perdas em ganhos, as crises em esperança.  Essa habilidade não é um dom genético, mas um treinamento diário, semanal, mensal”, descreve.

2. Expressar as emoções e saber lidar com os sentimentos em família

O lar, segundo o psiquiatra, não deve ser um lugar para descarregar as energias pesadas, tensas e ansiosas do dia a dia, é preciso desenvolver um ambiente leve e tranquilo.

“Você não nasce feliz, você treina para ser feliz. Você não nasce tranquilo, você treina para ser tranquilo. Você educa a sua emoção para desenvolver essas habilidades”, aconselha Cury.

Pais e cuidadores desempenham um papel crucial como modelos de comportamento emocional para seus filhos. Quando os adultos demonstram habilidades de gestão emocional saudável, como lidar com o estresse de maneira construtiva e expressar suas emoções de forma adequada, estão ensinando lições valiosas aos mais jovens.

3. Palavras construtivas precisam ser ditas

A terceira dica apresentada por Augusto Cury durante sua palestra para convidados da Construtora Equilíbrio está relacionada aos elogios. Para ele é preciso dizer palavras mais construtivas e que tragam orgulho ao familiar, ao invés de ser um juiz radical.

“Você não consegue mudar o outro, nem mesmo um psiquiatra consegue. Mas você pode contribuir para que se recicle. Isso é feito quando você distribui um elogio, quando olha para uma pessoa que errou e a surpreende falando do orgulho que sente dela e das suas qualidades”, ressalta o especialista.

4. Cobrança e sobrecarga não combinam com afeto

Cobrar de mais a si mesmo e aos outros são o quarto e o quinto ponto a serem analisados dentro da esfera familiar. “Quem cobra demais de si e dos outros não tem gestão da emoção, está apto para trabalhar numa financeira, para cobrar dívidas, mas não para construir uma família alegre, bem-humorada, saudável e saturada de amor”, aconselha.

Cury ainda acrescenta que é por isso que muitos compram suas casas, têm camas, mas não dormem, têm estofados, mas não relaxam, “pois são apontadores de falhas”.

5. Reciclar o lixo

Por fim, o autor elenca o último ponto para trabalhar a gestão das emoções dentro de casa, relacionado a reciclar o lixo. De todas as ferramentas, “nenhuma é tão impactante quanto impugnar, confrontar e discordar de pensamentos e sentimentos perturbadores. É um instrumento poderoso de higiene mental”, descreve Cury.

Ele fala sobre como a autopunição, autocobrança, pensamentos asfixiantes, sofrimento pelo futuro e preocupações excessivas podem se transformar em um lixo mental e influenciar a convivência dentro do lar.

6. Treinar para se doar sem medo

Cury finaliza com um último conselho: “Uma das mais belas habilidades socioemocionais é treinar para se doar sem medo e ao mesmo tempo diminuir a expectativa do retorno, inclusive dos mais íntimos, pois são esses os que mais podem nos ferir”.

Lar é um lugar único e familiar para recarregar nossas energias

Nos últimos 200 anos tivemos que acelerar os métodos construtivos para dar conta da expansão da população humana de um bilhão em 1850 para oito bilhões em 2022.  Nesse mesmo período concretamos a superfície habitável do planeta, inventamos os elevadores para empoleirar de forma segura as residências e demos conta do recado.

Contudo, esquecemos do principal: ter um imóvel não significa que você tem um lar. Um lar é muito mais que um amontado de materiais de construção organizados de forma a nos abrigar das intempéries, um lar é um lugar único e familiar, onde conseguimos recarregar nossas energias durante uma merecida noite agradável de sono.

Sabemos que no século 21 nossos relógios foram acelerados – não nos ponteiros ou nos dígitos dos smartwatches, mas em nossa mente. Passamos horas a fio conectados à internet nos smartphones, dedilhando as touch screens, travando diálogos digitais com pessoas que sequer conhecemos pessoalmente e não percebemos que deixamos de lado aqueles que mais amamos e com quem dividimos a mesma habitação.

Retiramos as paredes dos imóveis nos últimos 20 anos – sala, cozinha, varanda, home office, virou tudo um só ambiente para promover encontros e sorrisos dentro das casas e apartamentos; ainda assim, os membros das famílias parecem estranhos uns ao outros.

A soma da psiquiatria e das estatísticas da demanda imobiliária é ‘Mentes Saudáveis, Lares Felizes’, uma rara tese sobre o futuro imediato de bilhões de pessoas que moram juntas, pertencentes a sete gerações diferentes, com sete diferentes visões de mundo, em busca incessante por lares felizes. O livro traz uma relação entre saúde mental, moradia e felicidade das famílias.

SOBRE Os AUTORes

Augusto Cury é psiquiatra, psicoterapeuta, cientista e escritor. Reconhecido internacionalmente, tem mais de 60 livros publicados em dezenas de países, com mais de 30 milhões de exemplares vendidos só no Brasil. É autor da Teoria da Inteligência Multifocal, que estuda as habilidades socioemocionais, a formação do Eu, os papéis da memória e a construção dos pensamentos.

Cury desenvolveu o programa Escola da Inteligência para ser introduzido na grade curricular, com enfoque na educação e na gestão da emoção e da inteligência. É professor do programa de mestrado e doutorado da USP (Universidade de São Paulo), com a disciplina baseada em sua teoria chamada Gestão da Emoção para a Formação de Professores Universitários Brilhantes.

Marcus Araújo 

Mentes Saudáveis, Lares Felizes

Lançado pela Construtora Equilíbrio, o projeto ‘Mentes Saudáveis, Lares Felizes’, assinado por Augusto Cury,envolve a preocupação com a mente e o espaço físico. Pelo programa, que conta com a curadoria de Marcus Araujo, todos os clientes terão acesso a plataforma com conteúdos e orientações do especialista Augusto Cury. Além disso, cabines antiestresse foram montadas para proporcionar uma experiência diferente aos visitantes que vão em busca da compra dos imóveis.

Curiosidade

O Dia Nacional da Família foi instituído pelo Decreto nº 52.748, de 24 de outubro de 1963. Comemorado em 8 de dezembro, a comemoração coincide com o Dia da Imaculada Conceição. A instituição familiar também é comemorada em mais duas ocasiões distintas: Dia Nacional da Família na Escola (24 de abril) e Dia Internacional da Família (15 de maio).

FICHA TÉCNICA

Título: ‘Mentes Saudáveis, Lares Felizes – A importância do primeiro programa mundial de gestão da emoção para o presente e futuro das famílias’

Autores: Augusto Cury e Marcos Araújo

Número de páginas: 160

Preço: R$32

Editora: DreamSellers

Com Assessorias

 

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

You may like

In the news
Leia Mais
× Fale com o ViDA!