Se o luto é difícil para o adulto, imagine para a criança?

Psicopedagoga fala sobre o luto na infância e dá dicas para familiares: “A criança precisa sentir que não está só, que sua dor é compreendida”

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

Perder quem se ama é sempre doloroso e difícil. Lidar com a ausência, as emoções e com a saudade abala todo e qualquer ser humano, inclusive as crianças. Nos últimos dois anos, muitas famílias tiveram que lidar com a perda precoce de seus entes, muitos filhos tiveram que dizer adeus a seus pais e avós e lidar com o luto.

A situação que já não é simples para nós, adultos, precisa de um olhar ainda mais tento quando falamos desses pequenos seres em formação. Entender como e o que falar para eles é essencial. Ivone Ferreira dos Santos, psicopedagoga do Colégio Novo Tempo, localizando em Santos, litoral de São Paulo, ajuda a entender melhor o luto infantil.

Pandemia e pós-pandemia no retorno às aulas

“De fato, muitas crianças chegaram na escola relatando perdas familiares. Foi um período de muita dor, especialmente porque algumas famílias estavam isoladas e sequer puderam compartilhar a dor e receber o amparo de amigos e familiares, e o conforto necessário para abrandar o sofrimento natural nesse período de luto”, relata Ivone que uma das maiores dúvidas dos pais e familiares que a abordaram na escola foi sobre como e o que falar para a criança na hora de um falecimento.

“A minha opinião é que a verdade deve prevalecer, sempre levando em conta a maturidade da criança, usando uma linguagem apropriada relatando os fatos de forma menos impactante possível, ressaltando a importância das lembranças e das experiências compartilhadas”, diz a profissional que explica que a mentira pode causar perda de confiança, principalmente nos adolescentes:

“Já conversei com alguns jovens que demonstraram conflitos existenciais e relataram que sentiram-se enganados por omissão de informações em relação à morte de pessoas importantes. Muitas vezes, no intuito de evitar o sofrimento da perda, camufla-se a verdade o que pode suscitar outros danos futuros irreparáveis como perda de confiança, insegurança, fobias, ansiedade”.

O que fazer se o meu filho me ver chorando?

“É importante falar de suas emoções de forma verdadeira e clara. Seu filho compreenderá que adultos ficam tristes, choram, sentem saudade e podem expressar esses sentimentos através do choro que tem a função de represar toda a dor e trazer um alívio para o sofrimento emocional”, relata Ivone que expõe a importância da criança entender os sentimentos dos mais velhos e que assim, ela não se sentirá mal quando também sentir dor: “De alguma forma, seu filho assimilará que também pode chorar e se sentirá muito melhor quando necessitar extravasar sua dor”.

O luto está muito ligado a fé e a religião de cada um. Cada família tem suas crenças e seu entendimento da morte, mas a criança, muitas vezes, ainda não atingiu a maturidade necessária para lidar com o luto, por isso o acolhimento é essencial, assim como ter pessoas de confiança na hora da notícia.

“É importante que a notícia seja dada por alguém que seja próximo da criança, que tenha bom vínculo e afinidade, para que se sinta à vontade para expressar suas emoções e receba o acolhimento necessário para esse momento”, avalia a psicopedagoga que declara que os adultos têm muito mais dificuldade em lidar com o luto da criança do que com o dele, afinal, ele também está em sofrimento. Nessa hora é importante o máximo de contato e acolhimento mútuo.

“O luto é necessário, precisa ser acolhido, um abraço funciona bem. A criança precisa sentir que não está só, que sua dor é compreendida, que receberá o cuidado necessário, que terá o amparo e a presença de outras pessoas, que é amada, que essa dor será transformada em saudade e que com o tempo amenizará”, detalha Ivone que dá algumas dicas para familiares lidarem com o luto dos pequenos:

·        A notícia deve ser dada por alguém próximo e de confiança da criança;

·        Acolher o choro, sem tentativa de interromper. É necessário extravasar a tristeza da perda;

·        Respeitar a vontade da criança de acompanhar o velório para última despedida. Ela deve decidir se consegue participar ou não;

·        Oferecer escuta e mantê-la na companhia de pessoas queridas;

·        Alertar a escola sobre o luto e solicitar acolhimento;

·        Caso o luto se estenda por muito tempo e seja difícil de superar, buscar apoio psicológico.

Leia mais

Falar sobre o fim da vida é tabu para mais de 73% dos brasileiros
Idosos têm mais dificuldade para superar a morte de entes queridos
‘Terapia Familiar do Luto: da Morte à Vida’ sugere rituais de despedida
Homens enfrentam ‘luto silencioso’ e não reconhecido
Como enfrentar o processo de luto durante a pandemia
Finados e luto: como lidar com perdas irreparáveis?
Famílias de mortos pela Covid-19 sofrem mais para elaborar o luto
Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

You may like

In the news
Leia Mais
× Fale com o ViDA!