BOAS AÇÕESSuperAção

Miss Brasil Cadeirante 2023 faz vaquinha para pós-cirurgia

Ela é bonita, muito simpática e mantém uma enorme esperança de voltar a andar um dia. Vítima de um tiro do ex-marido que a deixou paraplégica, Alice Bekker, a Miss Brasil Cadeirante 2023, está solicitando doações para uma vaquinha virtual que ajudará a pagar as despesas da pós-cirurgia. Ela será submetida a um novo procedimento para correção da coluna dia 5 de janeiro, pelo Sistema Único de Saúde (SUS), no Hospital Universitário Antônio Pedro, em Niterói, Região Metropolitana do Rio de Janeiro.

      

“Eu já estava ficando de pé antes da primeira cirurgia. Mas depois, acabei com uma lesão no membro inferior esquerdo isquiático, ficando praticamente dois anos internada. Agora tem que operar por conta da cifose que está grave. Sinto muita dor por conta dos ossos fora do lugar”, conta ela, que também conquistou o título Miss Afrodite 2023.

No início de dezembro, Alice foi ao Hospital Antônio Pedro para fazer o risco cirúrgico para a operação, marcada para o dia 5 de janeiro. “Mas deu infecção urinária nos exames e aí me internaram novamente para tratar”, conta a modelo, que passou o Natal e o Ano Novo em casa.

Alice Bekker, no leito do Hospital Universitário Pedro Ernesto, onde fará nova cirurgia (Alice Bekker / Acervo pessoal)

Na manhã desta quinta-feira (4/1), ela abriu um grupo de whatsapp reunindo amigos para compartilhar todos os momentos pré e pós-cirurgia. Corajosa e determinada, Alice foi sozinha de ônibus de São Gonçalo, onde mora, até Niterói, para ser internada e iniciar os exames nesta quinta. Tudo devidamente registrado pelo seu celular.

“Eu entrei no ônibus e ele começou a chorar, jogando beijos e falando que me ama. Mas falei com ele que eu volto!”, escreveu Alice no grupo, relatando o momento em que deixou o filho com um conhecido para ir hoje para o hospital.

leia mais

Conheça as histórias da Miss Cadeirante 2020 e de outras finalistas
Miss Cadeirante Rio de Janeiro é coroada no Palácio da Cidade
Bailarina cadeirante volta a dançar em pé após tratar doença grave
‘A vida continua independente da deficiência’, diz cadeirante

 

 

Bala continua alojada no tórax da modelo

Alice Ribeiro da Cunha – que adotou o nome artístico Alice Bekker – conta que, após ficar paraplégica, foi morar em Rio das Ostras. Dois anos depois do tiro que sofreu, precisou ficar internada por quase dois anos no Hospital Estadual Prefeito João Batista Caffaro, em Itaboraí, também na Região Metropolitana do Rio.

“Precisei ficar internada por conta de uma grave lesão por pressão nos glúteos que necrosava direto. Ao ponto de, por várias vezes, eu ter que fazer transfusão de sangue por conta do risco de uma sepse (infecção generalizada). As fisioterapias foram paralisadas, pois eles não atendem com lesão aberta”, contou.

Segundo ela, os médicos não pretendem remover o projétil da arma de fogo usada por seu ex-marido, que continua alojado na região do ombro. “Eles falam que a bala está alojada num lugar bem complicado para fazer uma cirurgia e que não teria benefícios para mim e sim mas riscos”, revela.

Mãe de dois meninos – um de 10 (que mora com a avó paterna) e outro de 7 anos (que mora com ela) – Alice foi eleita recentemente Miss Cadeirante 2023 no concurso promovido pela empreendedora social e também cadeirante Lu Rufino. Este ano, o concurso foi realizado via online e, entre os prêmios, elas participaram de um jantar num restaurante do Rio.

Em 2020, a jovem modelo havia ficado em segundo lugar no mesmo concurso e foi entrevistada – junto com a vencedora Karen Aguiar – no programa #PapodePandemia, na página do ViDA & Ação no Facebook. Na época da entrevista, Alice cursava Lógica de Programação pela internet e sonhava em fazer faculdade de Engenharia de Software.

Vítima de violência doméstica duas vezes

A jovem carioca de 26 anos tem uma história de vida marcada por muitas dores. Órfã de mãe aos 11 anos, Alice foi obrigada a morar com seu pai, junto com mais duas irmãs, e enfrentou muitas dificuldades. Ainda adolescente, foi vítima de violência sexual dentro de sua própria casa.

Em 30 de março de 2018, aos 18 anos, ela recebeu um único tiro no ombro, disparado pelas costas pelo ex-marido, pai do seu segundo filho – na época com 1 ano e 3 meses -, e acabou perdendo os movimentos das pernas.

Com apoio de amigos, Alice conseguiu vencer, hoje mora sozinha com o filho caçula Kewin, cuida da casa, atua como modelo fotográfica e ainda voltou a estudar. Hoje, ela também milita contra o machismo e a violência contra a mulher.

   

Ela sonha em trazer o filho mais velho, de 10, para morar com ela. Sua única renda nos últimos tempos vinha do BPC LOAS (Benefício de Prestação Continuada, garantido pela Lei Orgânica de Assistência Social, de 1993), um benefício do governo federal para pessoas em vulnerabilidade extrema.

Mas o benefício, equivalente a um salário mínimo, segundo ela, foi cortado e precisa ser regularizado junto ao INSS. E ela acaba dependendo da ajuda de amigos e vizinhos que a acolheram. Um ex-namorado, a quem o filho chama de pai, é que tem ajudado a pagar o aluguel.

‘Você ainda vai me ver de pé em cima de um salto alto bem lindo’

Alice passará na sexta-feira (5/12) por um procedimento chamado de artrodese da coluna torácica e cirurgia de cifose, que é a fixação da coluna lombar com hastes e parafusos. A cirurgia é considerada de altíssimo risco e, numa observação, o médico neurocirurgião João Paulo Chevrand Latini informa que “a possibilidade de recuperação dos membros inferiores (coxas, pernas e pés) é altamente improvável”.

Apesar do prognóstico médico de que sua lesão nas pernas é irreversível, Alice mantém a fé inabalável de que voltará a andar. E  sonha também em voltar a desfilar, porém, de pé, na passarela, e não mais na cadeira de rodas.

“Você ainda vai me ver de pé em cima de um salto alto bem lindo pois esta é a promessa de Deus na minha vida! Eu sou promessa! Deus não é homem para que minta, nem filho de homem para que se arrependa. Acaso ele fala e deixa de agir? Acaso promete e deixa de cumprir? Os médicos falaram que eu não volto andar mas! Mas a última palavra é do senhor!!! Deus é fiel. Eu acredito naquele que tudo pode e que levantou um homem de quatro dias morto o que é uma momentânea paralisia para Deus ?!!! Ninguém explica Deus!” ❤️

Veja o apelo de Alice Bekker na Vakinha

“Meu nome é Alice Bekker estou fazendo está vaquinha para me ajudar com o custo do pós cirúrgico pois vou passar por outra cirurgia e preciso pagar alguém para me auxiliar no pós cirúrgico, para o custo de medicamentos etc… Há cinco anos eu terminei com o pai do meu filho, ele não aceitou o término do relacionamento e me deu um tiro, me levando a fazer uso de cadeira de rodas e trazendo vários problemas de saúde!

Hoje atualmente moramos Deus, eu e meu filho de sete anos e eu quem me viro com tudo. Por isso estou precisando de ajuda com os custos do pós cirúrgico! A cirurgia é na coluna para correção, pois estou com escoliose de 11° e uma cifose de 57° e um Paf (projétil de arma de fogo) alojado no hemotórax esquerdo, em localização posterior junto à coluna. Isso vem me impedindo de trabalhar, fazer desfiles e jobs.

Hoje trabalho como modelo fotográfica, mas as dores são muito intensas ao ponto de me dar falta de ar e depois da cirurgia ficará mais difícil ainda para trabalhar até eu passar a fase de recuperação! Então, se você está lendo minha história e puder me ajudar com qualquer valor agradeço!”

Para colaborar, entre aqui.

Saiba mais sobre o caso

Superação

“Foi um tiro só”, conta Miss Cadeirante

“Ele atirou por ciúme. Eu não queria voltar a viver com ele”, conta Alice, que morava na época no Espírito Santo. Três meses depois, o ex-marido agressor foi morto a tiros durante um assalto naquele estado, enquanto Alice já tinha fugido para o Rio de Janeiro, para se recuperar longe dele.

Confira o comovente depoimento de Alice ao Portal ViDA & Ação:

“Foi um tiro só. Na hora que ele chegou perto de mim, já veio dando coronhada e no meio dos ataques saiu o disparo! Quem me socorreu foram os amigos dele que estavam em outra parte do local e se aproximaram perto de mim no chão caída, pois viram e sabiam que eu não fiz nada de errado e não estava no erro com ele! Ele saiu correndo e falaram que ele subiu numa moto.

No momento ele fugiu, depois de três meses ele faleceu. Ele foi roubar um lugar e era um policial que estava no interior do estabelecimento! Na época eu não o denunciei.

“Ele tirou meu filho dos meus braços e eu ainda amamentava”

Quando eu terminei com ele, eu fui para a casa da minha tia em Guarapari (ES) e ali fiquei. Meu ex ia lá para ver o filho, mas eu não voltei, isso já com meses separada. Ele percebeu que eu não iria voltar, pegou o meu filho do meu colo, numa dessas visitas para ver o neném, e disse assim: “Se você quiser ficar com ele tem que ficar comigo!” E dali levou meu filho nas costas, igual cavalinho. Lembro até hoje. Naquele momento ele tirou meu chão!

Meu filho tinha um aninho e três messes. Ele era muito novinho! Quando ele tirou meu filho dos meus braços eu ainda o amamentava! Mas isso nem o abalou, ele nem pensou o que poderia fazer de mal com o próprio filho tirando-o do leite materno desta forma! E eu sofri muito nesta época… Dei febre, o leite virou pedra. Eu sei que meus peitos enchiam…Foi um tempo difícil por mim e pelo meu filho.

‘Ele tinha ciúmes do próprio pai, irmão, primos… até de mulher’

Ele tinha ciúmes do próprio pai, irmão, primos… até de mulher, se ele soubesse que a pessoa fosse lésbica. Ele chegou a me proibir de modelar. Mas eu não voltei (pra ele).  Eu resolvi fugir para o Rio de Janeiro, para a casa de uma amiga. Então, na época eu pedi para ele devolver meu filho senão eu iria contar a verdade para a polícia. Foi aí que o pai do meu ex foi no hospital onde eu estava me dizer que ele deixou meu filho com ele (o pai) e a então mulher. Ele só queria era me desestabilizar.

O pai do meu ex disse que foi lá ver com os próprios olhos o que o filho dele tinha feito comigo, pois ele não estava acreditando. E que esperava somente duas notícias agora naquele momento ou que ligariam para ele para avisar que o filho estaria preso ou morto! Ele contou que meu ex disse que eu quem tinha abandonado meu filho!

O perdão

‘Eu não sinto rancor por ele, sinto muito pela escuridão que ele vivia’

Se tenho ódio dele? Sinceramente, hoje não. Cada um da aquilo que tem! Eu sou amor, sou luz, sou amada de verdade, tenho amigos de verdade (poucos, pois vários/as sumiram), mas o que importa não é a quantidade e sim a qualidade. Eu tenho os (as) melhores! Isso aqui é só uma fase que estou passando e vou vencer! E algo que aconteceu e hoje sou mais forte. Na dor eu me recriei, me reencontrei, me refiz!

Quando você se resolve com algo passado ruim ou pessoas ruins que passaram por nossas vidas saiba que você só está resolvida consigo mesma. O que as pessoas sentem ou falam não é sobre alguém e sim sobre elas mesmo tentando disser que é sobre o outro. Não que sou perfeita, mas é que sinceramente eu não sinto rancor, sinto nada por ele! Eu sinto muito pela escuridão que ele viva pois é o que te falei – a escuridão não era e nem é minha! E sim dele e o que ele era e vivia para consigo mesmo!

Agora é uma nova história! E o final dela eu quem vou decidir, com a permissão de Deus, sempre. E o final desta história vai ser feliz! Esse ano até ganhei a carteirinha profissional de modelo fotográfica, juntamente com o título de Miss Brasil Afrodite 2023.

Mas no momento está complicado trabalhar com tanta dor. Ao ponto de dar contrações no corpo e nas pernas de tanta dor. A dor é intensa a esse ponto. A cirurgia é correção da coluna e que tem que operar por conta da cifose que está grave! Os médicos não estão na intenção de retirar a bala não, pois eles falam que está alojada num lugar bem complicado para fazer uma cirurgia que não teria benefícios para mim e sim mais riscos.

Expectativa para a cirurgia

‘Os médicos falaram que não volto mais a andar, mas a última palavra é do Senhor’

Sobre depois da cirurgia eu não sei dizer. Se não houver complicações… Então, essa resposta vamos ter assim que eu acordar da cirurgia e ouvir o doutor dizer que “a cirurgia foi um sucesso”.

Mas você ainda vai me ver de pé em cima de um salto alto bem lindo, pois esta é a promessa de Deus na minha vida! Eu sou promessa! Deus não é homem para que minta, nem filho de homem para que se arrependa. Acaso ele fala e deixa de agir? Acaso promete e deixa de cumprir? Os médicos falaram que eu não volto a andar mais! Mas a última palavra é do Senhor!!!”

Atualizado em 4/1/24

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!
Shares:

Related Posts

2 Comments

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *