Médico alerta: consumo de carne estragada pode levar à morte

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!
carne
Técnicos da Vigilância Sanitária coletam amostras de carnes e derivados nos grandes supermercados do município do Rio (Foto: Divulgação)

Mais um escândalo nacional, desta vez envolvendo a saúde pública. A notícia de que grandes frigoríficos brasileiros estão na mira da Polícia Federal por adulteração e venda de carne estragada para supermercados coloca em discussão a qualidade sanitária dos produtos que consumimos. Diante dos riscos, o Blog Vida & Ação ouviu o médico alergista e imunologista Marcello Bossois.

O especialista, que está participando de um seminário científico na Universidade Laval (Canadá), onde atua como pesquisador, afirma que a comunidade científica mundial está inconformada com o escândalo.  “Daqui para frente será muito difícil de se confiar nos fiscais sanitários nacionais”, afirma Bossois.

Duas gigantes do setor alimentício – a JBS, que controla Friboi, Seara e Swift – e a BRF, dona das marcas Sadia e Perdigão, são acusadas de “maquiar” carnes vencidas com ácido ascórbico e as reembalar para conseguir vendê-las, sob a “vista grossa” de fiscais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento que seriam subornados pelo esquema, investigado pela PF na Operação Carne Fraca.

Segundo o médico, que também é professor da Santa Casa da Misericórdia do Rio e coordenador do projeto social Brasil Sem Alergia, a população deve optar por comprar carnes junto a pequenos produtores e dar preferência a alimentos orgânicos, embora nem sempre seja possível em função dos altos preços destes produtos. Ele fala sobre os riscos do consumo de carne imprópria para a saúde.

Confira a entrevista:

O que pode acontecer com quem consome carne estragada?

O consumo de qualquer produto de origem animal estragado, como no caso das carnes bovinas e aves, coloca em risco a vida da população, inclusive com possibilidade real de óbito. O primeiro risco é no momento da manipulação. Se o alimento não for bem manipulado, da forma e em locais com condições de manuseio que estejam de acordo com as normas da Anvisa, ele poderá ser contaminado com bactérias, como no caso do stapylococcus aureus e salmonella, que poderão ser transmitidas pelas mãos das pessoas. Quando em contato com o produto animal, essas duas bactérias se multiplicam e causam infecções intestinais graves, que poderão evoluir para infecções generalizadas.

E o risco de uma intoxicação alimentar?

Este é o segundo problema de quem consome esses produtos. A intoxicação alimentar surge a partir das toxinas produzidas justamente por estas duas bactérias ou por fungos. Essas toxinas deixam o alimento em condição imprópria para o consumo, já que a intoxicação alimentar pode, em muitos casos, ser ainda mais grave que a infecção alimentar. Uma carne intoxicada (com toxinas produzidas por microrganismos) dificilmente deixará esta condição, mesmo que o alimento seja muito bem lavado e/ou cozido.

E para quem consumiu, qual é a recomendação?

A recomendação para quem consumiu  alimentos contaminados por bactérias é usar antibióticos para combater a infecção. No caso de quem ingeriu carnes intoxicadas, é importante que a pessoa busque se hidratar bastante, ajudando rins e fígados no combate a essas toxinas. Remédios para diminuir a acidez gástrica também são fundamentais”, ressalta. O médico lembra, entretanto, que as pessoas devem se encaminhar ao serviço de saúde para uma avaliação mais precisa do caso.

 

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

You may like

In the news
Leia Mais
× Fale com o ViDA!