BBB 23: Bronca em casal liga alerta sobre relacionamento tóxico

Polêmica envolvendo Gabriel Fop e Bruna Griphao abre debate entre o público. Dois terapeutas e advogado comentam sobre o assunto

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

A cada nova edição do Big Brother Brasil, o público elege seus preferidos e aqueles com os quais não tem afinidade. Discórdias, desentendimentos, afinidades e debates surgem rapidamente e os telespectadores dão a palavra final, votando a cada semana em quem deve ser eliminado. Este ano, já na primeira semana de jogo, fortes estranhamentos surgiram. Era de esperar que assuntos importantes e polêmicos viessem à tona, e não demorou muito para que o tema “relacionamento tóxico” virasse o assunto mais comentado das últimas horas nas redes sociais.

Durante a formação do primeiro paredão do Big Brother Brasil 23, no domingo (22), um assunto tomou conta de todas as redes sociais e gerou a insatisfação dos internautas: a estranha relação entre o modelo Gabriel Tavares (Gabriel Fop), de 24 anos, e a atriz Bruna Griphao, de 23.

Durante a primeira conexão ao vivo com a casa, o apresentador Tadeu Schmidt  chamou a atenção dos participantes na transmissão ao vivo, após o assunto ter viralizado nas redes sociais. “Não é um diálogo, é um toque”, destacou. E mencionou frases ditas por outras duplas no jogo sobre o casal Gabriel e Bruna: Tina – “vocês são tóxicos” e  Antonio ‘Cara de Sapato’ – “vocês são um casal chato”.

O apresentador deixou um recado claro para os brothers, “antes que seja tarde demais”, numa alusão a que algo está errado e que podemos estar presenciando um relacionamento não saudável.

“Fora algumas caras incomodadas diante de certas cenas entre Gabriel e Bruna. Vocês estão percebendo que tem alguma coisa errada? Estou aqui para fazer um alerta antes que seja tarde. Quem está envolvido em um relacionamento, talvez, nem perceba, ache que é normal. Mas quem tá de fora consegue enxergar quando os limites estão prestes a serem gravemente ultrapassados”, disse Schmidt.

Em seguida, citou falas de Bruna e de Gabriel e o repreendeu por direcionar palavras abusivas e coagir à atriz: “Olha esse diálogo que aconteceu ontem. Bruna falando: “Eu sou o homem da relação”. Gabriel falando: “Mas já já você vai tomar umas cotoveladas na boca”. Gabriel, numa relação afetiva, certas coisas não podem ser ditas nem de brincadeira”, encerrou Tadeu Schmidt.

A edição do programa também mostrou, em diversos momentos, situações desagradáveis protagonizadas pelo casal, em que Gabriel mostrava atitudes extremamente agressivas, mesmo que com um baixo tom de voz.

Reações dentro e fora da casa

No Twitter, o termo “tóxico”, geralmente relacionado ao casal, entrou nos trending topics. O recado de Tadeu movimentou não só a internet, mas também a casa do BBB, que tem, como principal assunto desde então, as atitudes de Gabriel.

“Reconheça o seu erro, aprenda com isso. Você tem que reconhecer e pedir desculpas por isso”, aconselhou MC Guimê. Outros participantes do programa –  na maioria, homens – também procuraram Gabriel para apoiá-lo no momento difícil e incentivá-lo a reconhecer o erro, pedir desculpas e seguir no jogo.

Mas a melhor veio da sister Aline Wirley em conversa com Gabriel no Quarto Deserto do BBB 23. “O mais importante disso tudo é que você disse que se arrependeu e que está envergonhado (…). A parte mais difícil de toda luta, de toda pessoa militante, é fazer com que o outro reconheça que é”. Aline também fala do machismo estrutural, presente não apenas nos homens da casa, mas também nas mulheres.

“Coletivamente, eu vejo várias, não é só você, eu vejo várias atitudes machistas nas poucas coisas, de todo o elenco”. Gabriel pede um exemplo e Aline responde: “Eu não preciso citar nomes, é questão de aprender ouvir, aprender, escutar”. A sister pede: “Pare, pense, reconheça de fato e faça transformações, porque é muito sério”. Gabriel responde: “Eu precisava tomar esse tombo para entender e ouvir, e melhorar em outros aspectos (…)”.

Aline dispara para Gabriel: 'Pare, pense, reconheça de fato e faça transformações'

Após a reprimenda, Gabriel procurou Bruna e disse que tudo sempre foi uma brincadeira e sugere a ela que em algum momento eles devem esclarecer ao público que não há nada de errado com o relacionamento.

Os dois conversaram também no dia seguinte, ele demonstrou arrependimento e remorso, especialmente diante da família de Bruna e da própria família e com o público. Também procurou a psicóloga do BBB e já no dia seguinte procurava corrigir suas palavras agressivas perante os colegas.

Após assistir às cenas, Kakau Orphão, pai de Bruna, se pronunciou em sua rede social em defesa da filha – “Abusivo filho da p*ta. “Eu te amo! Minha russa, tenho muito orgulho de você. Tô com você aonde for”. Após o alerta do apresentador, o pai da atriz escreveu “aliviado”.

As acusações contra o brother dominaram também o ‘jogo da discórdia’ realizado na noite de segunda-feira, quando Gabriel recebeu 10 plaquinhas de ‘explosão’, demonstrando a rejeição dos colegas de confinamento.

Ouvimos dois terapeutas e um advogado a respeito. Confira:

Vítima de abuso nem sempre consegue perceber e sente culpa

Ao comentar o caso, a terapeuta Wanessa Moreira explica que um relacionamento tóxico se trata de uma relação que não existe vínculo de respeito, mas em que uma pessoa dita às regras e a outra é subjugada, tornando-se um ciclo de abusos, podendo chegar até a violência física.

“Esse assunto tem uma profundidade que dói a alma, mas não somente em quem está sendo abusado, pois quem está dentro do abuso, não percebe que aquilo não faz bem. Machuca as pessoas que estão sendo abusadas, os familiares, os amigos e todos em sua volta”, comenta.

A reação de Bruna, que aparentemente não havia identificado os sinais de um relacionamento abusivo à vista em apenas uma semana de convivência com Gabriel na casa mais vigiada do Brasil, também é avaliada pela especialista.

“Quem está dentro de um relacionamento abusivo sente culpa, sente que não é boa o suficiente e para agradar esse parceiro, aprende a ver a vida como ele mostra, e geralmente o abusador faz a vítima perder a confiança em todos que a amam. Mostra para ela como as pessoas não são boas, faz pessoas boas parecerem ruins, e ainda faz ele ser a única pessoa confiável, e a única que sabe o que é melhor para a vítima. A vítima ao perder a confiança nas pessoas ao seu redor, só tem o abusador e mais ninguém”, explica Wanessa Moreira.

Para a especialista, as atitudes grosseiras do modelo com a atriz só aumentavam no decorrer do programa em apenas uma semana de confinamento. “O recado do apresentador chegou em boa hora para alertar a população que existem milhares de mulheres que passam por essa covardia diariamente, e sofrem caladas por medo de violência física e chegar ao ponto de feminicidio”.

Segundo informações do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, quase 700 mulheres foram vítimas de feminicídio no primeiro semestre do ano passado, média de quatro casos por dia. Este número é 3,2% maior que o total registrado no primeiro semestre de 2021, quando 677 mulheres foram mortas.

“O abuso se torna uma roda viva de dor e sofrimento, que pode durar anos, até que a pessoa se machuque, chegue ao fundo do poço e começa a se reerguer novamente. É fundamental a educação amorosa para as pessoas terem acesso à informação que o amor precisa, deve e serve para curar e unir. Tudo que é ao contrário disso, nem de longe é amor, podemos nomear como quiser – obsessão, posse, medo, rejeição, mas amor não. O amor liberta e transforma”, finaliza a terapeuta.

Terapeuta explica como identificar um relacionamento tóxico

De acordo comWilliam Sanches, terapeuta, escritor e especialista em comportamento humano e programação neurolinguística, existem sinais que são capazes de mostrar quando estamos em um relacionamento tóxico.

“No momento em que alguém que deveria ser seu companheiro começa a mostrar atitudes que te jogam para baixo, esse relacionamento apresenta sinais de toxicidade. Uma pessoa que humilha seu parceiro nas mais diversas situações, mostra que precisa desse tipo de atitude para se sentir melhor, superior”, relata.

Em alguns casos, as ofensas em busca de superioridade acontecem, até mesmo, na frente de outras pessoas. “Existem muitos casos em que a família dessas mulheres avisam que o tratamento presenciado por eles foi atípico, rude ou desconfortável de se ver. Isso faz com que as vítimas desse tipo de situação comecem a se perguntar se esse relacionamento, realmente, é ou não abusivo”, revela Sanches.

Para o especialista em comportamento humano, o medo da solidão faz com que essas pessoas, muitas vezes, se recusem a aceitar a realidade de que estão em um relacionamento tóxico.

“Acredito que, assim como no BBB, o começo de uma relação deve ser de conhecimento mútuo para entender a compatibilidade entre o casal. Nesse momento, quando notamos que um comportamento não é bom para o relacionamento, é preciso compreender e abrir mão. O apego, muitas vezes, complica essa tarefa. Ainda assim, é preciso assimilar a situação e não seguir passando por esse tipo de tratamento diariamente”, pontua.

O terapeuta acredita que existem alguns passos que podem ajudar a se libertar de um relacionamento tóxico. “O primeiro deles é uma reprogramação mental. Muitas pessoas se sentem inferiorizadas ou colocam defeitos em si mesmas. Quando isso acontece, é comum deixar-se ser inferiorizado, também, em um romance.

Portanto, nesses casos, é preciso que haja uma renovação de filosofia interna. Além disso, é preciso que as pessoas se coloquem em primeiro lugar, e não vejam o fim de um namoro, casamento ou até mesmo amizade, como o fim do mundo. Assim, será possível se livrar desse tipo de relação e, ainda, estar alerta aos sinais de toxicidade em futuros relacionamentos”, finaliza.

Falas em tom de ameaça podem caracterizar crime

O advogado Francisco Gomes Júnior, especialista em direito digital e mídias sociais e também presidente da ADDP (Associação de Defesa de Dados Pessoais e Consumidor) também comenta sobre o que observou no comportamento de Gabriel em relação a Bruna e suas possíveis implicações jurídicas.

“Uma relação que tem um indicativo de dependência da parte dela, manifestado por meio da postura grudenta com ele e que tem nele uma postura de respostas machistas, pode descambar rapidamente para uma relação abusiva, e neste ponto o programa foi muito feliz em rapidamente dar uma reprimenda ao vivo”, explica.

Espera-se que o conselho dado pelo apresentador tenha efeito imediato e leve Gabriel a rever seu comportamento em relação a Bruna. E que também Bruna repense até que ponto o relacionamento está sendo saudável para sua saúde mental e sua estratégia de jogo.

“O fato é que uma ameaça de agredir a Bruna, ou qualquer outra mulher, com uma cotovelada na boca, em tese, ofende a honra, além de representar uma ameaça, que caso perdure pode caracterizar um crime. Sempre é válido repetir no início de cada edição que aquilo que é crime aqui fora, permanece sendo crime dentro da casa. Portanto, não há impunidade por tratar-se de um espaço reservado”, complementa o advogado.

Com Assessorias

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

You may like

In the news
Leia Mais
× Fale com o ViDA!