Aplicativos com ‘cardápio’ variado remodelam a ‘cultura do namoro’

No livro “Enquanto Olho o Cardápio”, psicóloga reflete sobre o quanto as relações podem estar se tornando descartáveis e superficiais

Aplicativos de celular são alternativa para solteiros: uma live com amigos no Dia dos Namorados pode ser uma pedida (Luisella Planeta Leoni por Pixabay)
Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

Atualmente, quando se chega em um restaurante, é possível escolher a refeição preferida na tela do celular, por meio de um cardápio em QR Code. De uns tempos pra cá, com a tecnologia falando cada vez mais alto, não é muito diferente escolher um parceiro amoroso por meio de um aplicativo.

Aliás, uma das formas mais rápidas e práticas de se conhecer alguém é justamente entrar em um aplicativo de relacionamento. Há vários no mercado: Tinder, Badoo, Happn, Inner Circle, Bumble, Grindr, entre outros. E a lista de opções de homens e mulheres que fazem parte do “cardápio” é bastante extensa.

Não por acaso, uma recente matéria do New York Times replicada pelo O Globo, sobre os 10 anos do aplicativo Tinder, usuários relatam esgotamento mental causados pelas buscas infrutíferas, ao mesmo tempo que 12% dos americanos se casaram ou tiveram um relacionamento sério com alguém que conheceram pelo aplicativo.

Sob esta ótica, o uso destas ferramentas vem provocando um momento de reflexão coletiva sobre como elas remodelaram não apenas a cultura do namoro, mas também a vida emocional de quem os utiliza.

Aqueles que são atraídos para este mundo veem, na palma da mão, a possibilidade de encontrar o crush perfeito depois de alguns cliques. Cada um vai procurar aquilo que está buscando, seja um amor, um bom sexo, um bate-papo à altura, um visual atrativo ou aquela tão sonhada afinidade. Não há regra.

“Enquanto Olho o Cardápio”, segundo livro de ficção da advogada e psicóloga Ana Rebello, ilustra a trajetória de um homem recém-separado, no auge da sua liberdade. Após a ruptura de um casamento longo, tudo que ele quer é aproveitar as vantagens de ser solteiro, O celular é o melhor amigo do personagem Santarrozza, que, através de um aplicativo de relacionamento, conhece vários tipos de mulheres.

Críticas subliminares sobre a nova forma de se relacionar

Advogada e psicóloga Ana Rebello é autora de “Enquanto olho o cardápio” (Foto: Divulgação)

A história aborda o assunto de maneira leve e bem-humorada, mas sem deixar de introduzir críticas subliminares à forma de se relacionar na atualidade. Mas por que contar uma história sobre relacionamentos que têm origem em aplicativos?

Segundo Ana Rebello, as pessoas buscam praticidade e facilidade também na hora de se relacionar, e, para isso, nada melhor que os aplicativos, já que estão à mão de qualquer um que decida se aventurar. Ela acha importante falar sobre isso e refletir sobre o quanto as relações podem estar se tornando descartáveis e superficiais e o quanto a variedade dos vínculos pode ser diretamente proporcional à sua fragilidade.

Santarozza, o protagonista, é um homem de meia-idade que acabou de se separar vê nesta nova fase de vida a possibilidade de uma grande tacada de mestre. Ao mesmo tempo que se depara com problemas do dia a dia no relacionamento com o filho e a ex-mulher, segue à procura de uma mulher que atenda seus padrões de exigência – mas sem contar com o imponderável que o leva a tomar decisões que não estavam no horizonte. A leitura do livro promoverá adjetivos para o personagem, já que ele fica entre cruz e a navalha, passando por aspectos morais e sociais.

“Eu tentei retratar de uma forma leve e divertida um tema que está muito em voga, que é o romance por meio de aplicativos. Porém, há uma crítica implícita na narrativa. Parece que estamos vivendo uma era de relacionamentos superficiais e que a ferramenta, embora seja muito útil, também pode ser mal utilizada, principalmente quando falta transparência e honestidade de parte a parte. Talvez no afã por atingir a tão almejada ‘quantidade’, esteja se perdendo a chance de viver relações de qualidade. No mínimo, acho que vale a reflexão.” ,diz.

‘Pesquisa de campo’ com homens em aplicativos

Ana Rebello nos confidencia que esse livro tem por base experiências reais de amigos conhecidos e da própria experiência em aplicativos de relacionamento. “Eu fiz pesquisa de campo, conversando com homens aleatórios em aplicativos, revelando sobre o meu livro e perguntando sobre táticas de conquista e suas vivências por meio destes aplicativos, recebendo muita colaboração espontânea”, diz.

O fato de ser psicóloga a ajudou na construção do protagonista. Por ser uma narrativa em primeira pessoa, Ana Rebello teve que se transportar para o universo masculino, tentando gerar conexão com o leitor e com o cuidado de não transformar o personagem em uma imagem caricata. Alguns outros fatores pessoais serviram de referência, como a experiência da separação, que contribuiu de alguma forma para a construção da narrativa, mas o livro não relata qualquer experiência específica da autora.

Ana Rebello dá um spoiler: “Santarroza representa o clássico cinquentão que acaba de se separar e que se depara com a facilidade da tecnologia dos aplicativos de relacionamento. Ele fica deslumbrado com a diversidade de mulheres à disposição e, enquanto foge de um compromisso sério, vive situações inusitadas e divertidas, nem sempre com um desfecho previsível”.

livro sugere algumas indagações: É possível realmente ter um encontro de almas através de aplicativos de relacionamento? Como saber que a pessoa com quem você está se relacionando não é uma grande furada? O formato on-line permite detectar a honestidade das emoções? Como desconfiar de alguém que tem lábia e nem sempre cumpre a sua palavra?

Inclusive crimes têm acontecido, o que deixa alguns “usuários” em alerta. A verdade é que o contato virtual tem sido um forte aliado contra a solidão. São muitas perguntas à procura de respostas.

Ficha técnica

“Enquanto Olho o Cardápio”

Autora: Ana Rebello

Gênero: Ficção – Romance

Páginas: 268

Preço de capa: R$ 53,00

Editora: Autografia

Link de vendas: Amazon

 

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes!

You may like

In the news
Leia Mais
× Fale com o ViDA!