Rinite e sinusite: quais as diferenças e como combater

sinusite

Depois de 15 dias lutando contra uma sinusite que começou parecendo uma gripe, eu posso: é bom ter cuidado na hora de diagnosticar e tratar o problema. Aqui em casa eu e a Clarinha tendemos a sofrer com as ‘ites’ campeãs de audiência nesta época do ano: rinite e sinusite. Mas muita gente confunde essas duas, que parecem mesmo ser primas da gripe e do resfriado.

“O mais comum são as crises de rinite. E algumas pessoas chamam equivocadamente de sinusite, casos de rinite. Mas pessoas com sinusite crônica podem ter momentos de agudização dos sintomas. Então as crises existem, mas a frequência e os fatores para que elas ocorram vai depender do paciente e das causas já faladas as quais ele é mais suscetível”, afirma o otorrinolaringologista Hugo Leite, da Otológica.

Ele, que também é professor da UniRio, esclarece tudo sobre rinite e sinusite, doenças que têm grande incidência no outono-inverno, principalmente na estação mais fria do ano.

– Quais os principais sintomas da rinite e da sinusite? Em que aspectos se assemelham e em quais se diferenciam?

Ambas se assemelham por gerarem sintomas nasais. A rinite, uma inflamação da mucosa nasal, tem como causa principal a alergia, apesar de também existirem outras causas menos frequentes (rinite do idoso, rinite gestacional, vasomotora, etc.). Os principais sintomas são a coriza e o prurido nasal. Pode também haver prurido nos olhos, obstrução nasal e também alterações na face chamadas de face de atopia, como olheiras e linhas nas pálpebras inferiores.

A sinusite já decorre de uma inflamação das cavidades paranasais (seios da face), e pode ser causada por vírus, bactérias ou fungos. A depender se é uma sinusite aguda ou crônica, os sintomas podem variar. No caso das sinusites agudas são mais evidentes a dor facial, secreção catarral, obstrução nasal e pode haver febre. Já nas sinusites crônicas, os sintomas são mais leves.

– Quais são as principais causas das doenças?

As rinites podem ter causas alérgicas, vasomotoras, alterações celulares da mucosa, além de rinites associadas a fases da vida como a rinite do idoso e a rinite gestacional. As sinusites podem ter causas inflamatórias (alergia, pólipos) e infecciosas (vírus, fungos, bactérias). As substâncias variam de pessoa para pessoa, e ocorrem nos casos de alergia. As mais comuns são poeira, mofo, pelos de animais, cheiros fortes, etc.

– Há fatores de risco dessas doenças?

Nos casos alérgicos os fatores de risco decorrem de predisposição genética e também a exposição aos alérgenos do ambiente. Já nos casos infecciosos, depende da exposição aos microrganismos causadores da doença.

 – Quais são os principais exames feitos para verificação e confirmação desses males?

Na maioria das vezes o exame clínico otorrinolaringológico é suficiente. Muitas vezes complementado pela endoscopia nasal. Quando ainda persiste alguma dúvida ou é preciso avaliar algum fator específico, podem ser solicitados exames de imagem com a tomografia.

 – O que é sinusite aguda?

É a inflamação súbita e isolada das cavidades paranasais, com os sintomas mais exacerbados, como dito anteriormente. Com os sintomas mais intensos: dor facial, febre, bastante secreção catarral e obstrução nasal.

– O que é rinite alérgica? É diferente de rinite no geral? O que tem de “especial”?

É o tipo mais comum de rinite, e o termo rinite isoladamente geralmente se refere à rinite alérgica. Os outros tipos são bem menos frequentes. A rinossinusite é o termo comumente utilizado hoje para os processos das doenças das cavidades paranasais, ou mesmo somente sinusite. Passou-se a utilizar esse termo, pois na maioria dos casos de sinusite, principalmente nos casos agudos, ocorre também a inflamação das cavidades nasais.

 – Quais são os principais tratamentos para rinite e sinusite?

Para as rinites, em geral o mais importante é evitar o contato com os alérgenos que desencadeiam as crises. Além disso, pode ser usado soro fisiológico e medicações tópicas nasais e,, algumas vezes comprimidos orais com o objetivo de reduzir a inflamação e a resposta alérgica com o objetivo de aliviar os sintomas.

O tratamento das sinusites ou rinossinusites pode ser semelhante, mas em alguns casos com sintomas mais intensos podem ser usados analgésicos e algumas vezes anti-inflamatórios. Pode também ser necessário o uso de antibióticos, mas não é uma regra.

– É importante mudar hábitos para tratar esses males?

Nos casos de rinites alérgicas hábitos de higiene nasal, como lavar o nariz com o soro fisiológico, ajudam bastante para evitar as crises, além de medidas como ventilar a casa, sempre limpar a casa com pano úmido, evitar cortinas e tapetes, e evitar o contato com as substâncias que o paciente já sabe que causam crises.

Para prevenir os casos de sinusites infecciosas, como a forma de transmissão se assemelha com a da gripe e de resfriados, as medidas de prevenção são semelhantes, como sempre lavar as mãos, evitar de colocar as mãos nos olhos e bocas e evitar ambientes fechados e com aglomeração de pessoas.

Fonte: Hugo Fraga Barbosa Leite, otorrinolaringologista