Ninfoplastia: aumenta a procura por cirurgia íntima

Foto meramente ilustrativa (Reprodução de internet) - A imagem é censurada pelo Facebook

Fpto meramente ilustrativa (Reprodução de internet) – A imagem é censurada pelo Facebook

 

É impressionante o número de mulheres que têm recorrido à cirurgia íntima. A mais procurada é a ninfoplastia ou labioplastia, que tem a intenção de reduzir os pequenos lábios, harmonizando a estética da região genital. Dados da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (Isaps) apontam que enquanto em 2014, 15.812 mulheres foram submetidas à labioplastia, em 2015 foram 95.010 e no ano passado, 138.033 pacientes. Pela primeira vez, o procedimento foi incluído no relatório anual da Sociedade Americana de Cirurgiões Plásticos, com um aumento de 39% nos casos em relação a 2015.

No Brasil, este tipo de intervenção está subindo no ranking de procedimentos mais procurados em consultórios de cirurgia plástica. Em 2015 o país registrou o maior número de cirurgias plásticas nas partes íntimas do mundo: 12.870 mulheres realizaram labioplastia, de acordo com a Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética.

Mas quem faz, deixa em segredo! “São poucas as pessoas que ficam sabendo, só parentes próximos como marido ou mãe, já que a cirurgia é feita para que a paciente se sinta bem e não para que os outros reparem”, afirma o cirurgião plástico André Colaneri, especialista pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

Segundo a Sociedade Internacional de Cirurgiões Plásticos Estéticos (ISAPS), os brasileiros só ficam atrás dos norte-americanos no número de procedimentos realizados. As cirurgias estéticas, atualmente, que apresentam maior crescimento são os procedimentos íntimos para as mulheres. As cirurgias plásticas femininas são pouco divulgadas, já que são realizadas com muita discrição pela paciente.

A ninfoplastia é a líder em cirurgia íntima, seguida da redução do Monte de Venus e correção dos grandes lábios vaginais, e tem como objetivo diminuir os lábios vaginais. Um procedimento simples que corrige algo que pode incomodar muito algumas mulheres. Além de aperfeiçoar a estética da genitália feminina, também vê os reflexos na autoimagem da mulher.

Após a realização da labioplastia a maioria das pacientes relata aumento do prazer sexual. “É provável que múltiplos fatores estejam envolvidos nessa melhora do prazer: aumento da exposição de regiões de sensibilidade ao prazer, diminuição da inibição psicológica, aumento da auto-estima e confiança, além da diminuição do atrito em áreas pouco lubrificadas e com excesso de pele durante a penetração”, analisa o cirurgião Marcio Walace.

De acordo com o cirurgião plástico André Mattos, a ninfoplastia torna os lábios vaginais do tamanho considerado usualmente normal, proporcionando um melhor resultado estético e mais conforto psicológico e emocional às pacientes. “Ao passar pela puberdade, a mulher pode ter desenvolvimento anormal dos lábios vaginais, que podem adquirir um tamanho desproporcional, ficando maiores e causando dor, desconforto físico e também estético, porém, pode ser corrigido com a cirurgia”, explica.

Segundo ele, o médico decide o tamanho da parte a ser retirada dos lábios, a fim de minimizar o incômodo e apresentar uma estética melhor para que a paciente se sinta confortável. “O importante é retirar o excesso, ou seja, a porção dos pequenos lábios que fica aparente quando a mulher está em posição normal, mas não toda a proteção, para que a proliferação de bactérias não aumente”, ressalta Mattos.

“Muitas vezes por constrangimento , as pacientes acabam não relatando este incômodo”, revela a cirurgiã Bárbara Machado. Segundo ela, a cirurgia não é complexa embora tenham um pós-operatório um pouco incômodo pela localização do procedimento. A cirurgia retira o excesso de tecido, restaurando o aspecto natural e estético da região.

De acordo com cirurgiões plásticos, na maioria dos casos as mulheres buscam a cirurgia cessar traumas psicológicos e físicos, corrigindo imperfeições que incomodam e influenciam diretamente na qualidade de vida e auto estima. Porém, o que poucas pessoas sabem é que o procedimento também pode ser realizado por motivo além do estético, quando as pacientes operam por necessidade e desconforto físico.

“É o caso de mulheres que passaram por bariátrica e vem ao consultório pedir correção da área íntima. A razão vai além da estética já que os grandes lábios, se em tamanho exagerado ou flácidos, podem atrapalhar até mesmo durante uma relação sexual, gerando dor e desconforto”, explica a cirurgiã plástica Ivanoska Filgueira.

Há ainda outras cirurgias íntimas, como as realizadas para redução do monte de vênus ou para reduzir a flacidez dos grandes lábios vaginais. Já a redução do clitóris aborda outra parte da região íntima, mas não é classificada como labioplastia. Na verdade é um reposicionamento de tecidos que não corta o clitóris propriamente dito. Essa cirurgia não é realizada pela maioria dos médicos pois há um maior risco de perda de sensibilidade e diminuição do prazer sexual”, reforça o cirurgião Marcio Walace.

Ninfoplastia 02

Foto: Divulgação André Colaneri

Ninfoplastia 04

Foto: Divulgação André Colaneri

Indicações

“A labioplastia é indicada para mulheres que se sentem desconfortáveis com a região íntima. De forma geral, aceita-se como esteticamente agradável a vulva na qual os grandes lábios cobrem os pequenos lábios. Mulheres com pequenos lábios aparentes, principalmente quando estão em pé e com as pernas fechadas, e sentem-se constrangidas por isso, apresentam indicação de cirurgia”, ressalta Márcio Walace.

Outra indicação a ser analisada individualmente é o ressecamento da região que pode ser causado pela exposição dos pequenos lábios, principalmente com a chegada da menopausa. Algumas mulheres preferem ter o prepúcio clitoriano (pele que recobre o clitóris) em excesso. Essa região exige maior cuidado, mas também pode ser abordada.

A cirurgia também é indicada para casos em que o tamanho exagerado dos pequenos lábios pode causar dor durante a relação sexual, podendo surgir até pequenas lesões por conta do atrito. “Os lábios vaginais são responsáveis por direcionar o jato de urina durante a micção, além de protegerem a vagina. Em alguns casos, a dificuldade de higiene na região acaba provocando candidíase, mais um dos motivos que levam as mulheres a realizarem o procedimento”, acrescenta André Mattos.

Cuidados especiais

O procedimento demora em torno de 40 a 60 minutos, de acordo com cada paciente, e os resultados são duradouros. As pacientes ficam bastante satisfeitas e geralmente as mulheres conseguem retornar às suas atividades de rotina num prazo de 3 a 7 dias. As atividades físicas estão liberadas após 21 dias e as sexuais são permitidas em média após 30 a 45 dias dependendo da cicatrização de cada paciente, que geralmente é discreta. “Após a retirada de pele excedente, alguns casos requerem um reparo maior e, para que o resultado fique harmônico, a região pode ser preenchida com gordura ou ácido hialurônico”, explica Ivanoska.

Pós-operatório

O pós operatório pode ser considerado tranquilo se todas as orientações médicas forem seguidas à risca. “Além de todos os cuidados pós cirúrgicos, é preciso se abster de atividade sexual por pelo menos 15 dias, além de evitar uso de roupas apertadas e er atenção à higiene da área”, explica Ivanoska. Segundo Mattos, o pós-operatório não costuma ser doloroso, a não ser em casos de grande inchaço, sendo prescritos apenas analgésicos comuns. “A volta ao trabalho pode acontecer no terceiro dia, evitando-se esforços físicos. As relações sexuais devem ser evitadas por no mínimo 21 dias”, finaliza o especialista.De acordo com André Colaneri, a maioria das pacientes entra e deixa a clínica sozinha e nunca revela que passou pelo procedimento.

Contra-indicações

Mattos alerta que, antes de realizar o procedimento, é bom verificar as contraindicações com o médico. Pacientes com doenças crônicas, com infecção ativa no local ou corrimento recorrente e mulheres com hipertensão, diabetes e asma devem evitar o procedimento. Já as fumantes devem evitar fumar por dois ou três meses antes da cirurgia. 

Conheça as cirurgias plásticas para remodelar ou corrigir imperfeições na região pubiana

Ninfoplastia ou Labioplastia

Técnica: retirada do excesso de pele dos pequenos lábios vaginais, que são duas pregas de pele que ficam internamente aos grandes lábios e lateralmente à entrada da vagina. Se aumentados de tamanho ficam aparentes, como uma sobra de pele flácida saindo pela fenda vaginal.

Pré-operatório: jejum de 8 horas e anestesia local.

Pós-operatório: alta horas depois do procedimento. Inchaço e rouxidão que podem ocorrer nas semanas seguintes à cirurgia. Deve-se evitar esforços físicos por 21 dias. Relações sexuais devem ser evitadas por 30 dias. A sensibilidade não é alterada.

Monte de Vênus

Técnica: redução da região que fica acima do púbis, onde ficam os pêlos. Na maioria dos casos, é um acúmulo de gordura, retirado com lipoaspiração.

Pré-operatório: jejum de 8 horas, sedação local ou peridural.

Pós-operatório: alta após 6 horas do término da cirurgia. Não é um procedimento doloroso, mas podem aparecer edemas, que regridem após 14 dias. As relações sexuais devem ser evitadas por, no mínimo, 15 dias. Não há necessidade da retirada das suturas, já que os pontos são absorvíveis.

Correção dos Grandes Lábios

Técnica: correção do volume e flacidez das estruturas, que ficam entre a virilha e a fenda vaginal, geralmente abauladas, escondendo internamente os pequenos lábios.

Pré-operatório: jejum de 8 horas e sedação.

Pós-operatório: evite relações sexuais por 21 dias e esforço físico por 30 dias. Banhos quentes e demorados também devem ser evitados pelo mesmo período.

Perineoplastia

A cirurgia plástica não-estética é feita no músculo chamado de períneo que está dentro da vagina da mulher e é indicada para estreitar a entrada da vagina, geralmente depois de partos normais. Este procedimento não altera a estética, pois a mudança não é visualizada. Pode ser realizada por ginecologistas.

Todas as correções podem ser feitas com retorno ao trabalho após dois dias. O resultado das cirurgias plásticas íntimas pode ser visto em dois meses, porém o resultado definitivo ocorre somente depois de seis meses. O Dr. André Colaneri alerta que assim tomada à decisão, para realizar o procedimento, o paciente deve procurar atendimento e acompanhamento especializado.

No vídeo, André Colaneri tira algumas dúvida de quem não conhece sobre o procedimento:

Da Redação, com assessorias