Como eles venceram o câncer de rim

Diagnosticado com câncer de rim, Valcyr Melo fez quimioterapia durante seis anos e sentiu o impacto na qualidade de vida. “Perdi cabelo, paladar e olfato. Com isso, emagreci 16 quilos”, relata. Apesar disso, o tumor resistiu e os médicos decidiram adotar a imunoterapia como tratamento. Ele se adaptou muito bem à troca da medicação, além de recuperar peso e se sentir mais disposto para as atividades cotidianas.

Já Homero Giani enfrenta o tratamento contra o tumor de rim há quatro anos. Há cerca de um ano, iniciou o uso da imunoterapia e descreve uma evolução positiva no quadro. “A doença hoje, para mim, é crônica. Senti uma variação bastante positiva na qualidade de vida e os médicos relatam a estabilidade do tumor”, diz.

“Para o paciente com câncer de rim avançado, o tratamento com quimioterapia e radioterapia tinha o objetivo de controlar os sintomas e a evolução da doença, não a eliminação do tumor por completo”, destaca o oncologista Fabio Schutz. “Por isso, em caso de falha dos principais medicamentos, a imunoterapia tem papel fundamental, melhorando o sistema imunológico do paciente, para atacar o câncer. É uma terapia inovadora”, acrescenta o médico.

O tumor de rim é um dos 10 tipos mais comuns de câncer, sendo que os homens têm chance maior de desenvolver a doença. Os fatores de risco estão relacionados ao estilo de vida, como tabagismo, obesidade, hipertensão arterial e a exposição a poluentes e substâncias tóxicas. Na maioria das vezes, porém, o câncer de rim é diagnosticado já em estágios avançados. Até pouco tempo, terapias tradicionais como quimioterapia e radioterapia eram as únicas opções para os pacientes. Hoje, tratamentos inovadores, como a imunoterapia, permitem o controle adequado da doença, dos sintomas e a melhora na qualidade de vida.

Para informar a população sobre o câncer de rim, a importância do diagnóstico precoce e as opções de tratamento, o Instituto Vencer o Câncer lança uma campanha de conscientização sobre a doença. Um vídeo divulga os principais aspectos da doença e explicar, de forma clara e objetiva, a importância da prevenção, o papel dos fatores de risco e as novidades terapêuticas, relatando a história bem-sucedida de um paciente que teve uma significativa melhora na qualidade de vida com a imunoterapia.

“A mensagem que queremos deixar é que, mesmo se os tratamentos tradicionais falharem, já existem novas opções que podem beneficiar grande parte dos pacientes”, afirma o fundador do Instituto Vencer o Câncer, oncologista Fernando Maluf.

O Instituto Vencer o Câncer é uma fundação sem fins lucrativos que tem como objetivos principais apoiar pacientes e familiares diante do diagnóstico e tratamento do câncer, além de dividir com a população informações sobre prevenção em busca do maior bem que uma população pode ter: saúde e qualidade de vida. Em 2014, três grandes oncologistas brasileiros, Fernando Maluf, Antonio Buzaid e Dráuzio Varella, aceitaram o desafio de atualizar e informar a população brasileira sobre todo o universo relacionado à doença.

Veja aqui o vídeo da campanha.

Fonte: Instituto Vencer o Câncer