Adoçantes não auxiliam na perda de peso, diz estudo

De acordo com um relatório, publicado recentemente no periódico científico Canadian Medical Association Journal, os adoçantes artificiais compostos por sucralose, aspartame e glicosídeo de esteviol (Stevia), ao contrário do que se pensa, não ajudam na perda de peso e, pior ainda, podem aumentar a probabilidade de desenvolver diabetes, pressão alta, doenças cardíacas e obesidade.

Para estudar os efeitos das substâncias adoçantes, pesquisadores da Universidade de Manitoba, no Canadá, analisaram 37 estudos já realizados, que contaram com a participação de mais de 400 mil pessoas em um período de dez anos. Sete deles foram ensaios clínicos randomizados, um tipo de estudo considerado de referência em pesquisas científicas, que acompanharam como pessoas acima do peso reagiam a dietas que utilizavam adoçantes como alternativa ao açúcar. Ao longo de seis meses, alguns participantes emagreceram, mas os outros não tiveram perdas significativas.

“Os outros estudos foram apenas observacionais, mas mostraram que as pessoas que consumiam adoçantes regularmente – bebendo uma ou mais bebidas açucaradas artificialmente por dia – tinham riscos maiores de ter problemas de saúde por conta de ganho de peso, obesidade, diabetes, doenças cardíacas, pressão alta e outras enfermidades”, afirma Juliana Risso, médica especialista em Nutrologia.

Aos 41 anos de idade e com três filhos, ela leva uma vida corrida e mostra que é possível modular estresse e aliar felicidade ao estilo de vida saudável. “Estou amando estudar e trabalhar com a nutrologia. Toda vez que eu lembro como meus pacientes chegam ao meu consultório e como eles saem depois do tratamento, eu fico maravilhada com os resultados do meu trabalho”, afirma a médica, que atende em consultório particular no bairro de Botafogo as especialidades de nutrologia, emagrecimento, hipertrofia muscular, medicina antiaging, medicina integrativa e ginecologia.

Conheça algumas especialidades da Nutrologia

  • Nutrologia: dentro desta especialidade há o emagrecimento com técnicas e dietas especiais. Também tem a Hipertrofia muscular, que é aumento do tamanho dos músculos através de uma combinação de treino, descanso, alimentação, genética e hormônios. E por último, a medicina integrativa com tratamentos convencionais e terapias complementares cuja a segurança e eficácia curam pessoas.
  • Longevidade: com conhecimentos científicos, biotecnologia e inovação, motivar a vivência de uma cultura em prol de uma vida longa, saudável, feliz e produtiva.
  • Anti-Aging: medicina antienvelhecimento dirigida à detecção precoce, prevenção, tratamento e reversão da idade com a prática regular de exercícios físicos, distanciamento do fumo, alimentação balanceada, auto-estima elevada, vida social e relacionamentos gratificantes.
  • Ginecologia: tratar não apenas do sistema reprodutor feminino, mas ser responsável pelo entendimento da mulher. Além de controlar os efeitos da menopausa, ajudar na gravidez, tratamento de doenças sexualmente transmissíveis e prevenção de doenças como câncer de mama e do colo de útero.
  • Bioimpedância: exame que avalia com alta precisão a composição corporal. É o exame mais preciso para avaliação da composição corporal e em apenas 1 minuto você tem todos resultados, sem picadas de agulhas ou qualquer outro desconforto.

 

MINICURRÍCULO:

Formada em Medicina pela Universidade Federal Fluminense e Residência Médica pelo Instituto Fernandes Figueira. Pós graduanda de Nutrologia da Universidade Veiga de Almeida. Juliana já estagiou no King’s College Hospital, em Londres e, é concursada da Universidade Estadual do Rio de Janeiro e da Pericia Médica do Estado do Rio. Trabalha nos hospitais  Adão Pereira Nunes e Pedro Ernesto e atua como professora universitária da Universidade do Grande Rio (Unigranrio).