A vida (em perigo) sobre duas rodas

Pesquisa indica que maioria dos acidentes com moto envolve jovens (Foto: Tribuna do Juruá) Pesquisa indica que maioria dos acidentes com moto envolve jovens

Pesquisa indica que maioria dos acidentes com moto envolve jovens

Há 24 anos eu perdi meu irmão querido numa curva perigosa da vida. Ele tinha apenas 24 anos e pilotava uma moto – tinha paixão por velocidade – quando bateu de frente com um ônibus, no dia em que planejava comemorar os três meses de nascido de seu único filho. A tragédia chocou toda a família, os amigos, a cidade inteira de Itaperuna, no interior do Estado do Rio. E mudou radicalmente os rumos de nossas vidas.

Como eu, milhares de pessoas no Brasil já tiveram algum parente levado ou gravemente atingido por um acidente de trânsito, muitos deles, sobre duas rodas. Um levantamento feito pela Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT) em vários hospitais do país constatou que 40% dos acidentes são provocados por quedas da motos, 17% por colisão frontal, 28% por colisão lateral e apenas 1% por colisão traseira. Em relação aos atropelamentos, em 9% dos casos, o paciente é o motociclista e em 5% é o pedestre.

Para o ortopedista Miguel Akkari, que coordena campanha de prevenção lançada pela SBOT, muitos ainda ficam com sequelas para o resto da vida e impedidos de voltar ao trabalho depois da recuperação de múltiplas fraturas. A vítima é sempre muito jovem e do sexo masculino (87%): 52% são motociclistas entre 18 e 30 anos; em 28% dos casos, entre 30 e 40 anos; e 20% acima dos 40 anos.

O levantamento da SBOT constatou que na metade dos acidentes com motos (49,2%) houve necessidade de internação hospitalar e mais da metade também (53,8%) dos acidentados utiliza a moto como instrumento de trabalho. A cada ano, cerca de 12 mil pessoas perdem a vida em acidentes em duas rodas, são 28% das vítimas fatais de todos os acidentes no transporte terrestre. Segundo o Ministério da Saúde, de 2008 a 2013, o número de acidentes com motociclistas cresceu 115%.

Quase metade (47,7%) dos acidentes com motos acontece no período da manhã e outros 44,6% são durante a tarde. Menos de 10%, portanto, ocorrem à noite quando a visibilidade dos motoristas é menor. “Os acidentes com moto representam o maior desafio para os ortopedistas nas emergências dos hospitais por conta das múltiplas fraturas provocadas pelas colisões”, afirma Akkari.

Campanha da SBOT alerta para direção segura ao pilotar moto (Divulgação)

Campanha da SBOT alerta para direção segura ao pilotar moto (Divulgação)

Diante dos dados, a SBOT lançou um alerta, conclamando os motoristas e motociclistas a dirigirem com maior segurança. A campanha “Segurança em Duas Rodas” foi deflagrada no dia 19 (Dia do Ortopedista) em várias cidades do país com distribuição de folders em locais públicos com o objetivo de orientar e reduzir o número de acidentes com motos.

“A melhor pilotagem é aquela em que a segurança é primordial, onde é possível unir o prazer e a liberdade de pilotar uma motocicleta com a certeza de que iremos chegar ao nosso destino, portanto ao pilotar sua motocicleta siga as dicas: observe, reaja, tenha o controle!”, diz o folder.

Os ortopedistas orientam que todos fiquem atentos às medidas de segurança como: sempre acender a farol da moto, mesmo durante o dia, utilizar roupas apropriadas e com sinalização. Jamais esquecer do capacete e ficar atento para que o modelo seja o mais completo com fechamento frontal e certificado pelo Inmetro.

Fonte: SBOT