6 dicas para conviver melhor com a diabetes

Diabetes-cuidados

O diabetes é uma doença crônica que atinge milhões de pessoas ao redor do mundo. Como não tem cura, é fundamental que quem lida com essa disfunção faça isso da melhor forma possível, sempre adotando medidas para o seu controle. É isso mesmo: por mais que muitas pessoas não acreditem, é possível conviver com a doença de uma forma mais leve. Tudo isso depende de adotar ou não um padrão de vida mais regrado e com certos cuidados.

Uma adequada orientação médica é imprescindível, mas algumas orientações práticas também podem ajudar. Por isso, a OneMarket, plataforma que reúne clubes de assinaturas com foco em alimentação inclusiva, reuniu seis dicas. O Blog Vida & Ação validou cada uma delas com uma diabética, a jornalista Sheila Vasconcellos. Confira!

 

1. Fracione as refeições e aprenda sobre contagem de carboidratos

As refeições podem aumentar o índice glicêmico do seu corpo — um sintoma natural, já que alguns alimentos se transformam em glicose no momento de digestão. Por isso, o ideal é comer mais vezes por dia e em porções menores. Alimentando-se de forma moderada fica mais fácil evitar esse efeito colateral e não sofrer com os picos de glicose no sangue. Pode acreditar, essa é uma ótima saída!

“Além comer de 3 em 3 horas, é importante para as pessoas que tem diabetes em uso de insulina que aprendam sobre a terapia de contagem de carboidratos. Uma vez que os carboidratos, que estão em maior quantidade na nossa dieta, se transformam em açúcar rapidamente, é imprescindível aprender sobre a quantidade de carboidratos presente em cada de alimento. Com a nutricionista é possível estabelecer a dose de insulina ideal para manter os níveis da glicemia sob controle após a ingestão destes alimentos. . Esta terapia promove maior liberdade e maior adesão ao tratamento”, afirma Sheila.

2. Aprenda sobre a composição dos alimentos e faça escolhas saudáveis Aposte nos alimentos certos

Como falado acima, alguns alimentos podem se transformar em glicose — e os carboidratos simples são um ótimo exemplo disso. Uma boa solução é trocá-los (assim como todos os alimentos com farinha branca) pelas opções integrais, pois essa é uma ótima alternativa para evitar excesso de glicose. Além disso, é fundamental evitar os açúcares refinados pois eles também podem trazer complicações. Investir em uma dieta com os alimentos certos para sua nutrição é uma opção bastante eficaz.

“Há muitos alimentos que nós que temos diabetes podemos usar e que não afeta a nossa glicemia. Algumas trocas e escolhas mais saudáveis podem representar um grande ganho no controle do diabetes ao longo do tempo. Eu passei a dar preferência aos integrais depois que vi pelos monitores contínuos de glicemia como um pão francês consegue fazer um pico de elevação da glicemia e isso prejudica o meu corpo. Saber mais sobre a composição dos alimentos e dar preferência aos alimentos com menor processo de industrialização ajudam nossa saúde como um todo”, comenta Sheila.

3. Mantenha-se hidratado

A água deve fazer parte da vida de qualquer pessoa que queira conviver com a diabetes de uma maneira mais tranquila. Isso porque além de ajudar a te manter hidratado, ela auxilia a remoção do excesso de glicose do sangue, na medida em que ele acaba sendo eliminados pela urina. Uma atitude relativamente simples, mas que pode trazer resultados um tanto quanto significativos na qualidade de vida da pessoa com diabetes.

Sheila complementa: “A sede excessiva é um dos sintomas clássicos que acompanham o diagnóstico do diabetes. É preciso monitorar a glicemia regularmente para que o excesso de glicose no sangue não se prolongue por muito tempo e, com isso, alguns órgão do corpo sejam afetados. Mas também é fundamental beber água para manter o organismo funcionando plenamente, pelo menos 2 litros por dia”.

4. Movimente-se e adote algum exercício físico

O sedentarismo pode atrapalhar ainda mais a vida de quem tem diabetes. Por isso, a prática de exercícios deve ser seguida com frequência. Para que ela aconteça com segurança, é fundamental que o praticante esteja devidamente alimentado e hidratado para que a glicemia não baixe. Além disso, essa é uma ótima maneira de controlar o índice de colesterol, outro ponto que pode fazer com que você consiga conviver com a diabetes com mais facilidade.

“Desde que comecei a praticar exercícios físicos regularmente meu controle do diabetes há uns 6 anos meus exames só melhoraram. Além de me proporcionar mais disposição e melhorar meu humor, a perda de peso também contribui para a diminuição da resistência à insulina. Digo que é o exercício físico faz parte do tratamento e não é uma opção. Precisamos fazer a nossa parte!”, ressalta Sheila.

5. Controle o consumo de bebida alcoólica

O consumo de álcool não é proibido, mas deve ser feito com prudência. Quem tem diabetes, por exemplo, não pode começar a beber estando com a barriga vazia, pois o consumo de bebida alcoólica pode levar à hipoglicemia. Quem já teve essa experiência, sabe que isso significa sentir tremores, fome, enjoo e irritação. Por isso, é bom comer sempre que for beber e ter uma atitude mais controlada nesse sentido.

“O excesso de bebida alcoólica em pessoas que tem diabetes pode fazer com que os sintomas de hipoglicemia sejam confundidos com a embriaguez dificultando que a pessoa monitore o nível de açúcar no sangue e tome uma atitude para corrigir quadros de hiperglicemia ou hipoglicemia”, afirma Sheila.

6. Tenha uma boa noite de sono

As horas de sono são mais vitais para o funcionamento do nosso corpo do que muitos de nós imaginamos. No caso da diabetes não é diferente, já que o período de descanso regula os níveis de colesterol e de glicose no sangue. Portanto, nada de passar a noite virado ou pensar que uma boa noite de sono não é importante. Muito pelo contrário: não abra mão desse cuidado com sua saúde!

Sheila endossa: “Tenho certeza de que a quantidade e a qualidade de sono influenciam o controle do diabetes pois enquanto dormimos uma série de hormônios são produzidos pelo corpo e a falta de sono pode afetar o funcionamento de todos os demais órgãos”.

Fonte: OneMarket, com Sheila Vasconcellos